Crítica: Em A Filosofia na Alcova, Satyros usa Marquês de Sade para construir quadros sensoriais e quebrar tabus

Dupla entregue: Bel Friósi e Henrique Mello em cena de A Filosofia na Alcova - Foto: André Stéfano

Dupla entregue: Bel Friósi e Henrique Mello em cena de A Filosofia na Alcova – Foto: André Stéfano

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Fotos ANDRÉ STÉFANO

Antes de virar moda cult e notícia por todos os lados, o Satyros era apenas um grupo de teatro brasileiro transgressor que não se importava muito com que os outros iriam pensar (ou dizer) de sua arte.

Porque, primeiramente, o Satyros acreditava (e muito) no que fazia. Tanto que tiveram a coragem de abandonar um Brasil em crise, no começo dos anos 1990, e encarar a Europa sem nenhuma certeza de nada, no espírito aventureiro e artístico da juventude.

Ao voltar para o Brasil, trouxeram na bagagem a experiência farta de quem comeu o pão que o diabo amassou para sobreviver de teatro. E assim resolveram continuar, na esperança de um final feliz (que, sortudos, eles tiveram).

E instalaram-se na praça Roosevelt no começo do século 21, onde fizeram história ao transformar o local neste atual centro nevrálgico da cultura e da noite paulistana.

Por isso, foi alentadora a notícia de que o Satyros voltaria, neste ano, às montagens da obra do autor francês Marquês de Sade (1740-1814), ponto forte de sua trajetória, com peças demolidoras de tabus sexuais e comportamentais.

Rodolfo García Vázquez é um dos melhores diretores do teatro brasileiro contemporâneo. Ele tem sensibilidade ímpar para criar climas e construir cenas que são verdadeiros quadros sensoriais. É claro que abusa disso tudo em A Filosofia na Alcova, agora com elenco renovado. Um exemplo desta técnica é a cena da bandeja compartilhada, mais ao fim da obra, um verdadeiro transe coletivo.

Elenco de A Filosofia na Alcova mistura nomes tradicionais do Satyros com a nova geração - Foto: André Stéfano

Elenco de A Filosofia na Alcova mistura nomes tradicionais do Satyros com a nova geração: Henrique Mello, Stephane Souza, Bel Friósi, Phedra D. Córdoba e Hugo Godinho – Foto: André Stéfano

Há no elenco, claro, nomes mais tradicionais do grupo. É um prazer ver Henrique Mello, outrora um menino, agora um ator trintão muito mais seguro na pele de um libertino inescrupuloso, vivido no passado por Ivam Cabral. E ainda rever Phedra D. Córdoba, com a segurança de uma diva, como o mordomo submisso e ao mesmo tempo perverso para conseguir as sobras da luxúria.

Ambos dialogam com uma nova geração de atores que chega ao Satyros, muitos ainda crus, mas com vontade de entrega desmedida e coragem para encarar uma obra que exige o todo de seus atores.

Coragem não falta, por exemplo, a Hugo Godinho, que, sem falas, tem entrega corporal visceral e repleta de técnica — ele deixa seu corpo ser um signo constante durante a obra. E mantém os estados corpóreos exigidos pelo seu diretor de forma assombrosa.

A Filosofia na Alcova quebra tabus sexuais no palco do Estação Satyros - Foto: André Stéfano

A Filosofia na Alcova quebra tabus sexuais no palco do Estação Satyros: em cena, Henrique Mello e Stephane Sousa – Foto: André Stéfano

Outra que se destaca é Bel Friósi, que começa com um ar de menininha quase caricato e vai se transformando ao longo da peça até virar uma mulher perigosamente assustadora. A atriz consegue colocar em riste a evolução de sua personagem.

O elenco ainda tem Suzana Muniz, Felipe Moretti e Stephane Sousa. Há entrega e boa-vontade no trio, mas, ainda fica uma sensação de que eles precisam fazer o texto vibrar primeiro dentro de si mesmos para depois deixá-lo fluir em suas bocas. O trio tem potencial para crescer e tornar-se ainda mais presente e crível em cena.

A Filosofia na Alcova é uma peça necessária, sobretudo em um Brasil que dá espaço cada vez maior a discursos conservadores, retrógrados e mantenedores de velhos tabus. A força de Sade na releitura do Satyros sacode a pasmaceira vigente, renovando o fôlego de liberdade e expressão.

A Filosofia na Alcova * * * *
Avaliação: Muito bom
Quando: Sexta e sábado, 23h59. 70 min. Até 29/8/2015
Onde: Estação Satyros (praça Roosevelt, 134, metrô República, São Paulo, tel. 0/xx/11 3258-6345)
Quanto: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada)
Classificação etária: 18 anos

Veja mais fotos de A Filosofia na Alcova

Hugo Godinho em A Filosofia na Alcova: corpo funciona como um signo constante - Foto: André Stéfano

Hugo Godinho em A Filosofia na Alcova: corpo funciona como um signo constante – Foto: André Stéfano

 

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso