Vista por 2 milhões, Maitê Proença retoma O Pior de Mim no digital e prepara temporada presencial

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

Maitê Proença é dessas atrizes de verdade, que se se fortalece no encontro com seu público. Tanto que, mesmo durante a quarentena imposta pela pandemia, com seu solo O Pior de Mim, foi pioneira no desbravar o teatro digital, ao lado de outros corajosos como a Cia. de Teatro Os Satyros, criando nova linguagem para o exercício, sob direção de Rodrigo Portella.

E o público acolheu a obra, vista por mais de 2 milhões de pessoas desde a estreia, com duas temporadas no Teatro PetraGold e participação no lançamento da SP Escola de Teatro Digital ao lado de nomes como João Acaiabe, Sergio Mamberti e Ivam Cabral, entre outros palcos virtuais pelos quais passou.

A crítica também foi conquistada pelo relato genuíno e poético de Maitê, em uma visão filosófica sobre sua trajetória de vida e profissional, sendo indicada ao Prêmio Arcanjo de Cultura e figurando em O Globo e no Observatório do Teatro entre as melhores peças de 2020.

Agora, a artista de trajetória respeitável na TV, cinema e teatro faz sessão única mais do que especial nesta quinta (22), às 20h30, nos canais no Youtube do Sesc em Minas, do Teatro Claro Rio, da PóloBH Produtora e 264 da Claro TV. A apresentação abre a temporada 2021 do Palco Instituto Unimed-BH em Casa. Horas antes de subir ao palco, já que a peça é feita em transmissão ao vivo, assim como nas duas primeiras temporadas, Maitê Proença fala com exclusividade ao Blog do Arcanjo.

Miguel Arcanjo Prado – Maitê, você foi uma das artistas pioneiras no teatro digital. Foi um ato de coragem?
Maitê Proença –
Não pensei muito. Reagir era uma necessidade, encontrar alternativas nesse momento de paralização. Se tivesse pensado não teria escolhido esse texto, que trata de assuntos que eu escondia até de mim mesma. Mas, não hora ele me pareceu o mais oportuno, por ser um antídoto contra a mentira que nos cerca por todos os lados.

O Pior de Mim é um antídoto contra a mentira que nos cerca por todos os lados.”
MAITÊ PROENÇA, atriz

Miguel Arcanjo Prado – O teatro aos poucos vai retomando as sessões presenciais. Pretende trazer O Pior de Mim para o presencial?
Maitê Proença –
Pretendo. Faremos uma nova montagem, levando em consideração que o público estará presente e que não mais falarei para câmeras, mas para aquela gente que saiu de casa pra me assistir. Sem desmerecer o digital que é uma opção para, por exemplo, chegar a um público do Brasil profundo, onde o teatro tem dificuldade de ir, mas é outro tudo a experiência ao vivo – faz a peça ficar muito diferente a cada apresentação, porque o público mexe na forma que o ator se relaciona com o texto. As câmeras, por outro lado, tornam a experiência digital, algo muito íntimo, sussurrado, olho no olho com a pessoa que está em casa. São formas distintas e todas têm grande valor.

Maitê Proença pelo olhar do fotógrafo Dalton Valério – Divulgação – Blog do Arcanjo

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico de artes Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, Folha, Abril, Band e UOL. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo. Foto: Edson Lopes Jr.

© Blog do Arcanjo – Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados | Proibida reprodução sem citação com link.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *