Peça feminista Carne de Mulher emplaca 4ª temporada com Paula Cohen em SP

Paula Cohen em “Carne de Mulher”, peça que faz sua quarta temporada, dessa vez no Teatro Eva Herz da Livraria Cultura, aos sábados, 18h – Foto: Lenise Pinheiro – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

A atriz Paula Cohen comemora a quarta temporada de seu monólogo feminista “Carne de Mulher”, dessa vez em cartaz no Teatro Eva Herz da Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo.

As sessões são aos sábados, às 18h, até 8 de dezembro, com entrada a R$ 50 a inteira e R$ 25 a meia.

Paula conta ao Blog do Arcanjo no UOL que sonhava em montar o texto dos italianos Dario Fo e Franca Rame desde que o leu pela primeira vez, há 20 anos, quando formou-se na Escola de Arte Dramática da USP. Com a morte do autor, em 2016, releu o texto e percebeu que era chegada a hora de encená-lo.

“Percebi o quanto é atual e senti a urgência de fazer o espetáculo neste momento”, conta a atriz.

Na obra, ela encampa o discurso feminista que ganha cada vez mais força na sociedade contemporânea: “É necessário acabar de uma vez por todas com as práticas de violência, repressão e assassinatos de mulheres que em muitos casos acontecem dentro dos próprios lares”, discursa.

Sob direção de Georgette Fadel, a peça está em cartaz com sucesso desde julho de 2017, quando a primeira temporada estreou no histórico Teatro de Arena.

Paula lembra que sua obra ainda toca no apagamento da história das figuras femininas.

“Desde as Pitonisas Gregas, que eram sacerdotisas da maior importância, até escritoras, cineastas, alquimistas e outras tiveram destaque, mas não são mais lembradas por conta do machismo de nossa sociedade”, afirma.

A peça escrita por Dario Fo e Franca Rame em 1977, originalmente “Monólogo da Puta no Manicômio”, traz a história de uma prostituta que está presa no manicômio judiciário por ter ateado fogo no escritório de um industrial. A personagem conta sua trajetória de vida, revelando uma sequência de abusos, em que o transbordar torna-se inevitável, fazendo com que encontre forças para reagir diante de seus opressores.

Siga Miguel Arcanjo Prado

Você pode gostar...