Brasil da Lava Jato sem heróis inspira “Pessoas Brutas”, dos Satyros

“Pessoas Brutas”, do Satyros, mostra Brasil sem heróis da Lava Jato – Foto: Andre Stefano

Por Miguel Arcanjo Prado

Após virar filme, a Lava Jato chega também ao teatro. O grupo de teatro Os Satyros sempre esteve sintonizado com o que se passa ao seu redor. Ao estrear “Pessoas Brutas” nesta sexta (5), a terceira parte da Trilogia das Pessoas que já apresentou “Pessoas Perfeitas” e “Pessoas Sublimes”, comprova isso mais uma vez.

A trupe leva para o palco a inquietação política que desestabiliza o Brasil contemporâneo. A peça, que ocupará o palco do Espaço dos Satyros Um, na praça Roosevelt, em São Paulo, traz o seguinte subtítulo: “Ou É Possível Ter Heróis no País da Lava Jato?”.

Trata-se de uma clara referência à operação que acusa políticos à direita e à esquerda de participarem de um grande esquema de propinas e corrupção.

Para construir a peça, os autores Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez – este último assume ainda a direção – foram ouvir moradores anônimos de São Paulo, que expuseram aos artistas seus medos, desejos e forma de viver. A obra ainda faz um importante contraponto entre “os bandidos de Brasília e os bandidos da quebrada”.

Desesperançada, a peça não crê em heróis salvadores. “A peça discute a possibilidade da ética dos brasileiros diante de um país moralmente arrasado”, afirmam os autores, lembrando que o “heroísmo” anda impossível de ser aplicado no Brasil. “O mundo desencantado do espetáculo nos coloca diante da seguinte provocação: se não temos mais heróis, a quem recorrer?”, provocam.

Doleiro da Lava Jato

A partir disso, o grupo apresenta a história de Fabiana, filha do doleiro Josias, delatado na operação Lava Jato. A moça é sequestrada, a pedido de uma amiga de infância, Disneilândia. Desta história surgem outros personagens invisíveis que lutam para sobreviver na metrópole. Os artistas afirmam questionar a lei e também a moral vigentes.

Sintonizados com a contemporaneidade, a obra traz um casal de youtubers, uma relação de poliamor entre dependentes químicos, um caso improvável entre o contador evangélico e uma recepcionista de hotel, o amor de um taxista por uma filha idealizada, entre outros personagens.

O ator Ivam Cabral, em primeiro plano, em cena de “Pessoas Brutas” – Foto: Andre Stefano

Seres marginais

Buscar seres marginais na maior cidade do Brasil para a criação de seus espetáculos não é novidade no Satyros. Em 2004, o grupo causou frisson na cena teatral com “Transex”, que abordava as travestis e transexuais, tendo como grande destaque do elenco a diva cubana Phedra D. Córdoba.

Em 2005, foi a vez de “A Vida na Praça Roosevelt”, que voltava a falar dos moradores da praça, então abandonada, reduto de drogas e prostituição, e que depois foi recuperada em um movimento iniciado pelo próprio grupo.

Em 2014, a companhia voltou à temática, com a “Trilogia das Pessoas”, aberta com “Pessoas Perfeitas”, que levou o Prêmio APCA de melhor espetáculo. Depois, veio “Pessoas Sublimes”, que falou de forma delicada sobre a morte no momento em que a companhia perdia Phedra D. Córdoba, que adoeceu e morreu durante a temporada em 2016. Agora, “Pessoas Brutas” encerra o projeto.

Elenco tem ex-presidiário

Estão no elenco de “Pessoas Brutas” Ivam Cabral, Eduardo Chagas, Julia Bobrow, Henrique Mello, Robson Catalunha, Fabio Penna, Sabrina Denobile, Felipe Moretti, Lorena Garrido, Alex de Jesus e a atriz convidada Gabriela Veiga.

Como convidado, o espetáculo contará com a participação do ator Junior Mazzine, egresso do sistema prisional há pouco mais de um ano e em processo de ressocialização, inclusive foi alfabetizado pelos colegas de companhia durante o processo de ensaio da peça.

O projeto tem cenografia de Marcelo Maffei, figurino de Bia Pieratti e Carol Reissman, iluminação de Flávio Duarte e sonoplastia de Ivam Cabral. A produção é assinada por Daniela Machado e Silvio Eduardo. Dioego Ribeiro e Israel Silva operam, respectivamente, som e luz.

“Pessoas Brutas”
Quando: Estreia 5/5/2017. Quarta a sexta, 21h. 110 min. Até 28/7/2017
Onde: Espaço dos Satyros Um – Praça Franklin Roosevelt, 214, Consolação, São Paulo, tel. 11 3258-6345
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia e moradores da Roosevelt)
Classificação etária: 14 anos

“Pessoas Brutas” mostra seres marginais de São Paulo e encerra a “Trilogia das Pessoas” do Satyros – Foto: Andre Stefano

Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Please follow and like us:
Vingança, O Musical é aplaudido por estrelas Longa Jornada Noite Adentro é aplaudida por famosos Marina Sena fala do 2º álbum Orgulho LGBT+ 5 peças em São Paulo Parada do Orgulho LGBT+ bate recorde com 4 milhões de pessoas