Crítica | Paranoia no Teatro Oficina conecta SP de ontem e hoje no reencontro com o público

O ator Marcelo Drummond e o cineasta Igor Marotti em cena de Paranoia, peça que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
O ator Marcelo Drummond, o cineasta Igor Marotti e o músico Chicão em cena de Paranoia, peça que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

Oficina reabre as portas com Paranoia, poesia de Roberto Piva sob encenação de Marcelo Drummond

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo
Fotos BRUNO POLETTI
@brunopoletti

Ir ao Teatro Oficina é sempre um rito. Sobretudo quando isso acontece após o mais belo teatro do mundo, segundo decretou jornal inglês The Guardian e qualquer um com sensibilidade percebe logo de cara, ficar quase dois anos fechado por conta da pandemia.

Este aguardado reencontro com o público acontece com um monólogo, sem os excessos carnais típicos da companhia liderada há 63 anos pelo diretor José Celso Martinez Corrêa, o Zé Celso.

E é aquele que figura entre os mais emblemáticos atores da companhia, Marcelo Drummond, quem assume o posto de mestre-sala da retomada presencial com Paranoia.

O espetáculo foi concebido pelo próprio artista a partir da poesia de Roberto Piva, que foi amigo de Zé Celso e cujas poesias já integraram outras peças do grupo, como Mistérios Gozosos.

Retire seu ingresso para Paranoia no Teatro Oficina

Marcelo Drummond em Paranoia, espetáculo a partir da poesia de Roberto Piva (1937-2010) reabrindo o Teatro Oficina em disputadas sessões presenciais - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
Marcelo Drummond em Paranoia, espetáculo a partir da poesia de Roberto Piva (1937-2010) reabrindo o Teatro Oficina em disputadas sessões presenciais – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

Paranoia cria uma ponte no tempo entre a São Paulo do século passado, já urbana mas ainda bucólica, com a aceleradíssima Pauliceia millenium pós-pandêmica e já submersa no mar tecnológico.

A poesia que se faz no encontro do Oficina com as palavras de Piva, na boca de Drummond, é pura sofisticação. Paranoia prova que o teatro e a poesia devem caminhar juntos.

Obviamente, não se trata de uma obra fácil, pois exige concentração do espectador nas palavras ditas. Não há a distrativa voluptuosidade dos corpos (quase) sempre presentes nas peças do Oficina, mas sobra conceito e no encontro das palavras com as imagens que surgem nas telas.

Aliás, o Oficina foi pioneiro nesta conexão digital com o público e em transmitir suas peças ao vivo para todo o mundo pelas ondas do YouTube, bem antes que isso se tornasse a única forma de sobrevivência do teatro em quarentena.

Retire seu ingresso para Paranoia no Teatro Oficina

O cineasta Igor Marotti, que faz o cinema ao vivo no Teatro Oficina: artista é grande trunfo do grupo de Zé Celso - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
O cineasta Igor Marotti, que cria o cinema ao vivo no Teatro Oficina: artista é grande trunfo do grupo de Zé Celso – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

E o Oficina conta o trunfo de ter em sua equipe criativa um cineasta de talento incomensurável: Igor Marotti, o Glauber Rocha do Oficina. Dono de sensibilidade ímpar e domínio completo da câmera, ele recria a peça como um sofisticado filme em tempo real com seu olhar aguçado e curioso para a cena e seus detalhes, estabelecendo interessante jogo de intimidade com o ator.

Jogo de cena: Igor Marotti e Marcelo Drummond em Paranoia no Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
Jogo de cena: Igor Marotti e Marcelo Drummond em Paranoia no Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

E este jogo tem dado certo. Paranoia estreou de forma tímida e com poucas sessões, mas logo a notícia da retomada do Teatro Oficina se espalhou, e o público compareceu em peso, lotando as sessões outra vez, o que fez com que o grupo decidisse prorrogar a temporada. Aliás, um fato incontestável: o Oficina tem o público mais interessante e inteligente da cidade.

Público faz fila na rua Jaceguai para ver Paranoia no Teatro Oficina: retomada abraçada pelo público - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
Público faz fila para ver Paranoia no Teatro Oficina: retomada presencial abraçada pelo público – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

O fato é que o povo estava morrendo de saudade de estar no terreiro teatral criado pelos arquitetos Lina Bo Bardi e Edson Elito e incrustado na rua Jaceguai, 520, ao lado do terreno de Silvio Santos onde o grupo sonha criar o Parque do Bixiga — Silvio Santos, familiares e Prefeitura de São Paulo, por favor, abram o coração para que isso se torne realidade, como o já inaugurado e elogiado Parque Augusta Prefeito Bruno Covas.

Afinal, o centro de São Paulo precisa de árvores para respirar em meio a tantos prédios que não se cansam de subir com “a força da grana que ergue e destrói coisas belas”, como canta Caetano. É preciso que a cidade escute “tuas Oficinas de florestas, teus deuses da chuva”.

Jogo de cena: Igor Marotti e Marcelo Drummond em Paranoia no Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
O teatro conectado com a cidade e a poesia: Igor Marotti e Marcelo Drummond em Paranoia no Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

É importante lembrar que a companhia teatral mais longeva do Brasil e dirigida pelo mais importante encenador vivo na América Latina está sem qualquer tipo de patrocínio, o que já diz e muito desta tristeza contemporânea chamada Brasil. O Oficina só sobreviveu nos últimos meses graças aos seus OAVNs (Objetos Audiovisuais Não Identificados), que contaram com a acolhida generosa de seu público fiel.

Teatro Oficina visto do terreno de Silvio Santos, onde os artistas sonham em criar o Parque do Bixiga, a exemplo do elogiado Parque Augusta - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
Paranoia na volta ao presencial: Teatro Oficina visto do terreno de Silvio Santos, onde os artistas sonham em criar o Parque do Bixiga, a exemplo do elogiado Parque Augusta – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

Mas, voltando ao espetáculo Paranoia, o jogo de cena entre Marcelo Drummond, público e o cinema ao vivo de Igor Marotti se casa com a propositiva videoarte de Ciça Lucchesi, criando uma atmosfera para que a poesia de Piva navegue tranquila, embalada pela sonoridade do virtuoso piano de Chicão ao vivo e da trilha de Zé Pi, sob comando da atenta Camila Fonseca no som.

A luz, como sempre no Oficina, é soberana, deixando onírico tudo que se olhe nas nuances de Luana Della Crist e Pedro Felizes, com assistência de Angelica Taize.

Paranoia no Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
Paranoia no Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

Logo de cara, o público vê o nome da peça ser habilmente desenhado em uma grande faixa na passarela do Oficina, em uma bela intervenção caligráfica de Sonia Ushiyama, que faz os espectadores acompanharem, circunspectos, cada letra de Paranoia surgir. Antes, o prólogo do espetáculo, com suas devidas recomendações, é um show à parte com a drag Kaëka Tchëka, do sempre ótimo ator Kael Studart.

A drag Kaëka Tchëka, criação de Kael Studart, na abertura de Paranoia no Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
A drag Kaëka Tchëka, criação de Kael Studart, na abertura de Paranoia no Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

Paranoia ainda tem nos bastidores a arquitetura cência de Marília Gallmeister, mídia tática e macumbas gráphykas de Camila Mota e Cafira Zoé, além de produção de Tati Rommel, preparação vocal de Beth Amin, administração de Anderson Puchetti e assistência à produção de Danielle Rosa e Rafael Lopes, todos integrantes de um dos times mais aguerridos do teatro nacional, o Teatro Oficina Uzyna Uzona.

Ao conectar aos dias de hoje o olhar do do poeta Roberto Piva para aquela São Paulo da década de 1960, Paranoia acaba por fazer com que o público desenvolva um olhar mais interessado para a cidade, reconhecendo nomes de ruas e praças na boca de Marcelo Drummond, o que estimula cada espectador a enxergar a vida à sua volta e tirar, nem que seja por algum átimo de tempo, o olhar viciado das telas brilhantes. Porque a vida se faz no ao vivo do aqui e agora.

PARANOIA, de Roberto Piva, com texto e direção de Marcelo Drummond
Avaliação: Bom ✪✪✪
Crítica por Miguel Arcanjo Prado
Fotos Bruno Poletti

Quinta, sexta e sábado, 20h, no Teatro Oficina (Rua Jaceguai, 520, Bixiga, São Paulo). R$ 25 a R$ 100 na Sympla.

Retire seu ingresso para Paranoia no Teatro Oficina

Godot e Fédro

Além de Paranoia ao vivo, o Oficina ainda está em cartaz no digital com Esperando Godot, projeto da diretora Monique Gardenberg com Zé Celso e que conta no elenco com Marcelo Drummond contracenando com Guilherme Calzavara, Pascoal da Conceição, Danilo Grangheia e Raphael Moreira. A peça foi filmada no próprio Teatro Oficina. Zé Celso ainda está no filme Fédro, dirigido por Marcelo Sebá e codireção de Camila Mota, no qual contracena com Reynaldo Gianecchini, que foi ator do Teatro Oficina na virada dos anos 1990 para o começo dos anos 2000, quando logo foi alçado ao posto de galã de novelas.

Blog do Arcanjo mostra bastidores de Paranoia no Teatro Oficina

Marcelo Drummond e Sonia Ushiyama nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
Marcelo Drummond e Sonia Ushiyama nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
O ator Kael Studart, a drag Kaëka Tchëka, nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
O ator Kael Studart, a drag Kaëka Tchëka, nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
O pianista Chicão nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
O pianista Chicão nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
A atriz Camila Mota nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
A atriz Camila Mota nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
A estrategista de comunicação Cafira Zoé nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
A estrategista de comunicação Cafira Zoé nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
A atriz Danielle Rosa nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
A atriz Danielle Rosa nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
O ator Rafael Lopes nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
O ator Rafael Lopes nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
A iluminadora Luana Della Crist nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
A iluminadora Luana Della Crist nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
Luana Della Crist e Angel Taize nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
As iluminadoras Luana Della Crist e Angelica Taize nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
A sonoplasta Camila Fonseca nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
A sonoplasta Camila Fonseca nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
A bombeira Amanda Aguiar nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
A bombeira Amanda Aguiar nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
O jornalista e crítico de arte Miguel Arcanjo Prado nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
O jornalista e crítico de arte Miguel Arcanjo Prado nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo
O ator Kael Studart, a drag Kaëka Tchëka, nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina - Foto: Bruno Poletti - Blog do Arcanjo
O ator Kael Studart, a drag Kaëka Tchëka, nos bastidores de Paranoia, que reabre o Teatro Oficina – Foto: Bruno Poletti – Blog do Arcanjo

Retire seu ingresso para Paranoia no Teatro Oficina

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico de artes Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, Folha, Abril, Band e UOL. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo na OLA Podcasts. Foto: Edson Lopes Jr.

© Blog do Arcanjo – Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados | Proibida reprodução sem citação com link.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *