Spike Lee comanda 74º Festival de Cannes: ‘Negros ainda são caçados como animais’

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

O 74º Festival de Cannes começou nesta terça (6) na bela cidade francesa com a retomada do presencial e a presença de ícones do cinema. Após os protestos do Black Lives Matter em todo o mundo, inclusive a França, no ano passado, o cineasta estadunidense Spike Lee, 64, é não só o presidente do júri como também o rosto que estampa o cartaz oficial. Na abertura do evento, fez discurso contundente ao afirmar que negros ainda são “caçados como animais”.

Na coletiva de imprensa, Spike Lee ainda criticou o atual presidente do Brasil, a quem chamou de “gangster”: “Este mundo é governado por gângsters. O ‘agente laranja’ [Donald Trump, ex-presidente dos EUA], o cara do Brasil [Jair Bolsonaro] e Putin [presidente da Rússia]. Eles são gângsters e farão o que quiserem. Eles não têm moral nem escrúpulos. E temos que falar abertamente contra gângsters como esses”, pontuou.

Se a representatividade negra é foco, a feminina parece um pouco esquecida. Dos 24 filmes que concorrem à Palma de Ouro, apenas quatro são dirigidos por mulheres. Para compensar, a grande homenageada pelo conjunto da obra é Jodie Foster, 58, que está no evento acompanhada da namorada, a fotógrafa Alexandra Hedison, com quem trocou apaixonados beijos na cerimônia de abertura, mostrando que armário não existe mais para grandes estrelas.

O Marinheiro das Montanhas, de Karim Aïnouz, representa o Brasil no 74º Festival de Cannes - Foto: Divulgação - Blog do Arcanjo
O Marinheiro das Montanhas, de Karim Aïnouz, representa o Brasil no 74º Festival de Cannes – Foto: Divulgação – Blog do Arcanjo

O Brasil está representado na festa com O Marinheiro das Montanhas, do cineasta cearense Karim Aïnouz, 55, que já venceu a mostra Um Certo Olhar no passado com A Vida Invisível. No longa, ele busca as origens do pai na Argélia, país que foi colônia francesa. Nosso país também tem um dos nove jurados de Cannes 2021, o cineasta pernambucano Kleber Mendonça Filho, 52, vencedor em 2019 do prêmio do júri com Bacurau.

O Brasil ainda marca presença nas coproduções O Empregado e o Patrão, na Quinzena dos Realizadores, e Noche de Fuego, na mostra Um Certo Olhar. E a série Sintomas, da atriz paulistana Marjorie Gerardi, foi selecionada no Côte d’Azur WebFest, a extensão de projetos para web do 74º Festival de Cannes. Viva a retomada do cinema.

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico de artes Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, Folha, Abril, Band e UOL. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo. Foto: Edson Lopes Jr.

© Blog do Arcanjo – Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados | Proibida reprodução sem citação com link.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *