Crítica: Bárbara Paz transforma dor do fim de Babenco em poético recomeço

Bárbara Paz na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes, na qual exibiu seu filme Babenco, Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou – Foto: Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Bárbara Paz conseguiu transformar a dor do fim em poesia. Assim poderia ser definido o filme “Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”. A atriz e agora também cineasta exibiu o longa no último sábado (1º) em sessão lotada e bastante aplaudida na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes, em Minas Gerais, na qual afirmou que fazer o filme ser assistido é como tornar vivo outra vez Héctor Babenco (1946-2016). Verdadeira ode ao amor, o filme narra os últimos momentos da vida do grande cineasta argentino radicado no Brasil e com quem ela foi casada, autor de filmes como “Pixote, A Lei do Mais Fraco”, clássico do cinema brasileiro de 1980, e “O Beijo da Mulher Aranha”, que lhe rendeu indicação ao Oscar de melhor direção em 1986. Com a sensibilidade de quem teve em sua trajetória grandes mestres da arte e da comunicação, como Zé Celso e Silvio Santos, sempre sabendo reinventar-se, Bárbara constrói sua narrativa de forma intimista, performando não só a parceria na luta do cineasta pela sobrevivência a um câncer agressivo como também oferecendo ao público a visão deste artista sobre si próprio e o mundo ao seu redor. Estão no filme o sentimento do forasteiro, com Babenco dizendo que era chamado de brasileiro na Argentina e de argentino no Brasil, e também do menino de Mar del Plata de origem imigrante judaica, que afirma não se sentir completamente inserido na sociedade, e ainda seu descortinar das desigualdades sociais que castigam o Brasil e a América Latina. A visão sagaz de Babenco se sobressai em comentários pinçados em seu cotidiano e também em entrevistas concedidas ao longo de sua carreira, em uma montagem sensível que pega o público pelo coração com sua fotografia em preto e branco. Não à toa, o filme levou o prêmio de melhor documentário no 76º Festival Internacional de Cinema de Veneza na Mostra Venice Classics, que reúne produções sobre cinema e seus realizadores, e também de melhor documentário no Festival Internacional de Cinema de Mumbai, na Índia. Porque, afinal, mais do que documentar o fim de um grande artista do cinema de nosso tempo, o filme de Bárbara transforma delicadamente este fim em um poético recomeço.
Avaliação por Miguel Arcanjo Prado: Ótimo 

Bárbara Paz na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes, na qual exibiu seu filme Babenco, Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou – Foto: Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Please follow and like us:
Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso