Lava Jato vira musical: Assistam e depois julguem, diz autor

Detalhe do primeiro cartaz de “Lava Jato – O Musical”: estreia prevista para 2018 – Foto: Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

Depois de inspirar o filme “Polícia Federal, A Lei É para Todos”, que estreia em 7 de setembro, chegou a hora de a operação Lava Jato virar enredo também ao teatro e em forma de musical.

“Lava Jato, O Musical” está previsto para estrear em 2018 no Rio e em São Paulo, com orçamento de R$ 700 mil e ares de superprodução. Entre as cenas já anunciadas, está a da chegada do ex-governador fluminense Sérgio Cabral à prisão de Bangu.

O Blog do Arcanjo do UOL conversou com o produtor carioca e autor do espetáculo Judson Feitosa sobre esta obra que já causa polêmica antes mesmo da estreia. Leia com toda a calma do mundo.

Miguel Arcanjo Prado – Como surgiu a ideia de Lava Jato – O Musical?
Judson Feitosa – Eu sempre gostei de conversar sobre política. Então, pensei: “Por que não escrever um musical sobre o período histórico no qual estamos vivendo?” Daí sentei, escrevi compulsivamente e registrei o texto. Assim nasceu o “Lava Jato – O Musical”.

Miguel Arcanjo Prado – Qual o posicionamento político da equipe do musical?
Judson Feitosa – Variados. Eu prezo pela convivência das diferentes formas de pensar e ver a vida. Isso é ser democrático na vida diária.

Miguel Arcanjo Prado – Tem gente acusando o musical de ser utilizado para fazer política, sobretudo tão próximo das eleições de 2018. O que você responde a quem diz isso?
Judson Feitosa – Que estão “julgando o livro pela capa”. Assistam e depois julguem.

Judson Feitosa, autor e produtor de “Lava Jato – O Musical”: sem medo de polêmica – Foto: Divulgação

Miguel Arcanjo Prado – Quanto a produção vai custar? De onde virá esse dinheiro?
Judson Feitosa – Fomos aprovados no fim do mês de julho a captarmos R$ 706 mil pela Lei do ISS do município do Rio de Janeiro. Portanto, ele virá desta captação. Também estamos inscrevendo na [Lei] Rouanet e no ICMS.

Miguel Arcanjo Prado – Já tem previsão de estreia? Em qual cidade e teatro? Pretendem viajar?
Judson Feitosa – Estrearemos no primeiro semestre de 2018. Realizaremos temporadas no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Miguel Arcanjo Prado – Como será escolhido o elenco do musical? Já pensa ou tem algum nome?
Judson Feitosa – Realizaremos audições, mas também estamos pensando em alguns nomes. Precisaremos de ótimos comediantes, além de saberem cantar e dançar.

Miguel Arcanjo Prado – A equipe do musical terá quantas pessoas em cena e quantas nos bastidores? Terá música ao vivo, orquestra ou banda?
Judson Feitosa – Será uma equipe bem grande, tanto no palco quanto nos bastidores. Teremos músicos acompanhando as cenas, sim.

Miguel Arcanjo Prado – Você tem medo de o musical ser acusado de ser petista ou tucano? O musical terá personagens reais como Moro, Lula e Aécio?
Judson Feitosa – Como eu já afirmei em outra entrevista, o musical é apartidário. Quanto aos personagens, todos terão que conferir assistindo ao espetáculo [risos].

Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Please follow and like us:
Surra de estilo: Prêmio Bibi Ferreira 2022 Grammy Latino 2022: Veja brasileiros indicados! Travessia estreia em 10 de outubro na Globo Fred Raposo é destaque no Mirada Maitê Proença estreia O Pior de Mim em SP