Léo Kildare Louback escarafuncha relação entre mãe e filho para criar Como Matar a Mãe – 3 Atos

Léo Kildare Louback: relação com a mãe passada a limpo no palco – Foto: Guto Muniz

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Ao ver os primeiros ensaios para o texto que dissecava parte da relação que tem com o filho, a mãe não gostou. Ficou um ano sem falar com o filho artista. O tempo passou, o projeto tomou corpo. Agora, só lhe resta sentar-se na primeira fila da plateia.

As nuances da relação muitas vezes difícil entre mãe e filho estarão no palco do Teatro João Ceschiatti, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, a partir desta quinta (24), em Como Matar a Mãe – 3 Atos, texto do mineiro Léo Kildare Louback.

Aos 29 anos completados no último dia 20, ele é um dos mais inquietos artistas da nova geração teatral de Minas Gerais. Na obra debutante de sua Sofisticada Companhia de Teatro, divide direção e atuação com as atrizes Fabiane Aguiar e Soraya Martins, suas colegas de grupo.

Além de ator e dramaturgo, Louback é formado em letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, e atua ainda como tradutor de alemão. Atualmente, ainda faz pós-graduação em produção cultural.

Em conversa exclusiva com o Atores & Bastidores do R7, direto de Belo Horizonte, ele conta que o processo da peça foi difícil. “Investigamos limites entre ficção e memória. Nossas mães verdadeiras são tema, bem como mães da literatura e do teatro”.

Fabiane Aguiar, Soraya Martins e Léo Kildare Louback: Sofisticada Companhia de Teatro – Foto: Guto Muniz

O grupo está em processo desde julho de 2011. “Digo que esta peça foi a partir da minha mãe e das cartas não respondidas para meu pai”, revela. Louback conta que nada foi fácil. “Minha mãe chegou a ver um esboço e ficou um ano sem conversar comigo. Mas, agora, já está mais tranquila. Tanto que ela e as mães das outras atrizes estarão na estreia”.

Nome provocante

Sobre o provocante nome da obra, o ator e dramaturgo diz que vem da necessidade de “se livrar desse cordão umbilical eterno que aprisiona muitos”. E ainda avançou em seu texto para uma visão da maternidade sem dogmas. “Queremos matar a ideia de amor romântico e humanizar essa mãe. Ela é uma pessoa e não um mito”, define.

Trabalhar com memórias foi “superdramático” segundo o artista: “Porque mexe demais na caixa de pandora de cada um de nós”. O cuidado também foi necessário na finalização, para não deixar “cenas muito fortes ou pesadas para as mães”, já que sempre tiveram em mente convidá-las. “Sempre pensamos nelas, que elas estariam no palco se vendo retratadas”, revela.

Em meio a tanto drama, a peça também guarda espaço para momentos bem-humorados, segundo Louback. “Há cenas muito cômicas, que diluem um pouco deste drama”, entrega. E diz que, após BH, quer conquistar outras plateias: “Queremos viajar todo o Brasil”.

Cena da peça Como Matar a Mãe – 3 Atos: dramaturgia mistura realidade e ficção – Foto: Guto Muniz

Peça, festival e livro

Além de Como Matar a Mae – 3 Atos, Léo Kildare Louback estreia no dia 29 de abril no Rio a peça Carolina de Lorca, com sua autoria e direção. “É um trabalho que une dança, teatro e performance. Busquei inspiração na mulher misteriosa que foi Clarice Lispector”.

Léo Kildare Louback também é autor e diretor de Carolina de Lorca, com Carolina Correa – Foto: Guto Muniz

A peça foi feita a partir de uma proposição da atriz Carolina Correa, que faz o monólogo escrito e dirigido por Louback. Esta havia sido mãe e vivia o dilema de tocar a carreira artística e cuidar do filho bebê. “Tem muita espera, dor e sofrimento desta mulher social obrigada a parir o menino, a ser mãe, atenciosa, competente e tudo o que o papel social pede, enquanto que, muitas vezes, ela gostaria de estar em algum outro lugar de existência”, define o autor.

Após o Rio, a peça será apresentada em julho na Argentina, onde Kildare dará uma oficina de dramaturgia baseada em biografias.

Em maio, ele lança o livro de contos Sobrevoo ou a Literatura Nasce com a Morte de um Pássaro, pela Editora Scriptum. O conto que dá título à obra já virou peça dirigida pelo autor e também um curta-metragem em 2009, sob direção de Cardes Amâncio.

Sobre em navegar em tantas vertentes artísticas, Louback define, de forma direta e ao mesmo tempo profunda: “Tento compreender pela arte o colapso que me habita”.

Como Matar a Mãe – 3 Atos
Quando: Quinta a sábado, às 20h30, e domingo, às 19h. De 24/04/2014 a 18/05/2014
Onde: Teatro João Ceschiatti – Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1537, Belo Horizonte, tel. 0/xx/31 3236-7400)
Quanto: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)
Classificação etária: 16 anos

Carolina de Lorca
Quando: 29/4/2014, terça – Única apresentação
Onde: Solar de Botafogo (r. General Polidoro, 180, Botafogo, Rio, tel. 0/xx/21 2543-5411)
Quanto: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada)
Classificação etária: 16 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Please follow and like us:

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Com certeza deve ser doloroso revolver memórias de embates da relação mãe e filho. Se fosse algo fácil, os consultórios de Psicologia não estariam abarrotados de tanta gente tentando compreender certas dinâmicas familiares e certos comportamentos calcados em traumas. Que bom que Léo soube fazer sua catarse através da Arte! Certamente a peça tocará no calcanhar de Aquiles de muitos presentes na plateia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil e Argentina se beijam na Copa do Mundo do Qatar 2022 Após críticas, Nômade Festival coloca negros com Erykah Badu Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana