Olhar de Cinema tem destaque para cinema queer no mês da diversidade

Diversidade na Telona: Olhar de Cinema terá o filme Salão de Baile em seu encerramento © Divulgação Blog do Arcanjo 2024

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

Neste junho, mês da diversidade, filmes queers ganham destaque de 12 a 20 de junho na 13ª edição do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba. O evento ocupará as salas do Cine Passeio e do Cinemark Mueller na capital do Paraná com mais de 80 longas e curtas-metragens de todo o mundo. É claro que não faltam filmes na temática queer, termo que celebra a diversidade e complexidade das experiências humanas relacionadas à identidade de gênero e orientação sexual. 

Eu Não Sou Tudo Aquilo que Queria Ser é destaque no Olhar de Cinema © Divulgação Blog do Arcanjo 2024

Presente em diversas mostras do festival, é possível traçar paralelos entre  obras que lidam de diferentes maneiras com o tema, seja pela apresentação de personagens, cenários ou em suas abordagens cinematográficas, como nos filmes “Caminhos Cruzados” (Dir. Levan Akin | Suécia, Dinamarca, França | 2024 | 105’) e o curta “Mamántula” (Dir. Ion de Sosa | Espanha, Alemanha | 2023 | 45’), que integram a Mostra Competitiva Internacional;  “Se eu Tô Aqui é Por Mistério” (Dir. Clari Ribeiro | Brasil | 2024 | 21’), curta da Mostra Competitiva Brasileira; e “Salão de Baile” (Dir. Juru e Vitã | Brasil | 2024 | 92’), filme de encerramento da edição de 2024. É possível também encontrar retratos de personagens queer ou ainda maneiras queer de lidar com o cinema em filmes espalhados por toda a programação, como “Entre Vênus e Marte”(Dir. Cris Ventura | Brasil | 2022 | 61’), e “Jean Genet Agora” (Dir. Miguel Zeballos | Argentina | 2023 | 75’), da Mostra Novos Olhares; e “Eu Não Sou Tudo Aquilo Que Quero Ser” (Dir Klára Tasovská | República Tcheca, Eslováquia, Áustria | 2024 | 90 ‘), da Mostra Competitiva Internacional.

Salão de Baile é destaque no Olhar de Cinema © Divulgação Blog do Arcanjo 2024

Destaque para o filme “Salão de Baile”, que, pela primeira vez, aborda a cultura ballroom dentro do Olhar de Cinema. Dirigido por Juru e Vitã, o documentário nos conduz pelas houses fluminenses, que se apropriam de influências estrangeiras e de elementos reconhecidamente brasileiros para construir um universo que combina dança, música, moda e performance a partir das experiências queer periféricas e racializadas. A cena ballroom, que ficou muito conhecida com o destaque dado a cultura por artistas como Madonna, Beyoncé e Ryan Murphy (“Pose”), foi criada por mulheres trans negras e latinas de Nova York nos anos 1970 como ambiente de lazer, experimentação artística e resistência contra a violência e a discriminação. 

Outra produção de destaque é “Caminhos Cruzados”, do cineasta sueco Levan Akin, filme com distribuição da plataforma MUBI, em que vemos uma personagem queer essencial para a narrativa. Na trama, uma professora aposentada parte rumo a Istambul em busca de sua sobrinha, há muito tempo perdida. Com a ajuda do seu jovem vizinho e de uma advogada dedicada à luta por direitos de pessoas trans, eles tentarão encontrar a garota em meio às ruas da cidade. 

positive young black guy laughing near graffiti wall with rainbow flag
Photo by Anete Lusina on Pexels.com

Evolução queer nos cinemas

Se em um passado recente, o cinema marginalizava e estereotipava pessoas queer, atualmente a indústria cinematográfica já começa a reconhecer e destacar a importância das tramas e personagens, mesmo ainda em uma sociedade não igualitária. Neste ano, assim como em edições anteriores do Olhar de Cinema, a irreverência, as diferentes formas de ver e a disposição antinormalizadora da teoria queer será abordada nas telonas, com produções que navegam em diferentes vertentes da temática seja na forma de fazer cinema, pelos personagens ou como um cenário da comunidade. 

“O Olhar de Cinema sempre teve espaço para obras com a temática LGBTQIAPN+. Na última edição, por exemplo, tivemos como filme de abertura o longa-metragem paranaense ‘Casa Izabel’, dirigido por Gil Baroni e roteiro de Luiz Bertazzo, e Anhell69, dirigido por Theo Montoya, que teve sua estreia brasileira no festival e foi premiado na edição”, comenta Gabriel Borges, curador de longas-metragens do Olhar de Cinema. 

As exibições ocorrem no Cine Passeio, no Cinemark Mueller, na Ópera de Arame e também no Teatro da Vila, no CIC – Cidade Industrial de Curitiba. Os ingressos já estão disponíveis pelo site oficial com valores que vão de R$8 (meia-entrada) a R$16. Todas as sessões no Teatro da Vila são gratuitas. Além disso, de 18 de junho a 7 de julho, os curtas-metragens brasileiros que compõem o festival estarão disponíveis gratuitamente na plataforma de streaming Itaú Cultural Play para todo o Brasil. 

Acompanhe a programação e as novidades pelo site www.olhardecinema.com.br e pelas redes sociais oficiais: Instagram @olhardecinema e Facebook.com.br/Olhardecinema. A 13ª edição do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba é realizada por meio do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba, sendo também o projeto aprovado pela Secretaria de Estado da Cultura – Governo do Paraná, com recursos da Lei Paulo Gustavo, e pelo Ministério da Cultura – Governo Federal, com patrocínio do Itaú e Peróxidos do Brasil, apoio do Instituto de Oncologia do Paraná, Sanepar, Cimento Itambé, Favretto Mídia Exterior, e apoio cultural de Projeto Paradiso, Cine Passeio, Instituto Curitiba de Arte e Cultura. Verifique a classificação indicativa de cada filme e sessões com acessibilidade de audiodescrição.

13º Olhar de CInema – Festival Internacional de Curitiba
Data
: 12 a 20 de junho de 2024
Locais: Cine Passeio (R. Riachuelo, 410 – Centro)
            Cinemark Mueller (Av. Cândido de Abreu, 127, Centro)
            Teatro da Vila (R. Davi Xavier da Silva, 451, Cidade Industrial de Curitiba)
            Ópera de Arame (R. João Gava, 920, bairro Abranches)
Site oficial: www.olhardecinema.com.br.
Redes Sociais: Instagram: www.instagram.com/Olhardecinema
                          Facebook: www.facebook.com.br/Olhardecinema
Patrocínio:  Itaú e Peróxidos do Brasil
Apoio:  Instituto de Oncologia do Paraná, Sanepar, Cimento Itambé e Favretto Mídia Exterior
Produção: Grafo Audiovisual
Promoção: RPC
Apoio Cultural: Projeto Paradiso, Cine Passeio, Instituto Curitiba de Arte e Cultura, Taiwan Film & Audiovisual Institute, Cinemark
Realização: Programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. Projeto aprovado pela Secretaria de Estado da Cultura – Governo do Paraná, com recursos da Lei Paulo Gustavo, Ministério da Cultura – Governo Federal. Lei de incentivo à cultura, Ministério da Cultura, Governo Federal.

+ Olhar de Cinema no Blog do Arcanjo!

Siga @miguel.arcanjo no Instagram

Ouça Arcanjo Pod no Spotify

Blog do Arcanjo no YouTube

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

Jornalista cultural influente e respeitado no Brasil, Miguel Arcanjo Prado é CEO do Blog do Arcanjo, fundado em 2012, e do Prêmio Arcanjo, desde 2019. É Mestre em Artes pela UNESP, Pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, Bacharel em Comunicação pela UFMG e Crítico da APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, da qual foi vice-presidente. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e apresenta o Arcanjo Pod. Eleito três vezes um dos melhores jornalistas culturais do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Huffpost Brasil, Notícias da TV, Contigo, Superinteressante, Band, CBN, Gazeta, UOL, UMA, OFuxico, Rede TV!, Rede Brasil, Versatille, TV UFMG e O Pasquim 21. Integra o júri de Prêmio Arcanjo, Prêmio Jabuti, Prêmio Governador do Estado de São Paulo, Prêmio Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Imprensa Digital, Prêmio Guia da Folha e Prêmio Canal Brasil de Curtas. Vencedor do Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã, Prêmio África Brasil, Prêmio Leda Maria Martins e Medalha Mário de Andrade do Prêmio Governador do Estado, maior honraria na área de Letras de São Paulo.
Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *