Peças que duram mais que o informado cansam o público no Festival de Curitiba e no teatro como um todo

person holding compass
Peças duram mais do que informado e deixam público incomodado com a falta de honestidade – Photo by Valentin Antonucci on Pexels.com © Blog do Arcanjo 2023

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

ENVIADO ESPECIAL AO FESTIVAL DE CURITIBA*

Um fenômeno, infelizmente, está cada vez mais comum no teatro brasileiro: peças que informam a duração de tempo errada ao público.

Assim, o pobre coitado do espectador que se programou para ver uma peça de uma hora, de respente vê uma hora e meia; o que se programou para 90 minutos se vê aprisionado no teatro por duas horas, duas horas e meia…

Isso é falta de respeito com o público. Afinal de contas, para que mentir? É medo de contar a duração exata e o público não ir? Se for isso, por que então durar tanto?

Quem começa uma relação de forma desonesta já no primeiro encontro tende a perder o interlocutor. E isso é prejudical ao teatro como um todo.

O diálogo no teatro, antes de tudo, precisa de honestidade.

woman underwater holding round gray clock
Photo by Engin Akyurt on Pexels.com

No 31º Festival de Curitiba, não tem sido diferente. Este jornalista e crítico averigou presencialmente que diversas peças duraram bem mais do que foi informado ao público nos materiais de divulgação do evento, duração esta que foi fornecida pelos artistas.

Passar cinco, dez minutos do informado é algo tolerável. Mas, meia hora, quarenta e cinco minutos, uma hora? É demais.

Os espectadores têm todo o direito de planejar sua vida pós-peça, mesmo uma carona ou horário do último ônibus para voltar para casa (nem todo espectador tem transporte próprio).

Para isso, saber de antemão a duração é fundamental. Uma peça que dura mais que o anunciado prejudica toda uma programação que o espectador possa ter feito em um festival com 350 atrações em 14 dias.

Prolongar mais que o necessário é prejudicar os colegas das outras peças.

person holding a alarm clock
Photo by Ola Dapo on Pexels.com

Por fim: o teatro precisa perceber que o mundo está mais dinâmico. Não vivemos mais nos tempos de Shakespeare ou do teatro grego.

As artes cênicas precisam de uma maior capacidade da síntese.

Porque, quando o público começa a olhar impacientemente para o relógio ou dorme profundamente durante um espetáculo, é porque a comunicação deste já foi perdida.

E teatro, assim como o jornalismo, também é comunicação.

standing man looking his watch
Photo by Jeffrey Paa Kwesi Opare on Pexels.com

Diretores e produtores teatrais precisam ter sensibilidade para observar em qual tempo vivem, se realmente desejam comunicar.

Porque o teatro não pode ser só um exercício de ego, não é mesmo?

*O jornalista e crítico Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Festival de Curitiba.

+ Festival de Curitiba no Blog do Arcanjo!

Veja a programação do Festival de Curitiba e reserve seu ingresso!

Siga @miguel.arcanjo

Siga @miguel.arcanjo no Instagram

Ouça Arcanjo Pod no Spotify

Blog do Arcanjo no YouTube

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

Jornalista cultural influente e respeitado no Brasil, Miguel Arcanjo Prado é CEO do Blog do Arcanjo, fundado em 2012, e do Prêmio Arcanjo, desde 2019. É Mestre em Artes pela UNESP, Pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, Bacharel em Comunicação pela UFMG e Crítico da APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, da qual foi vice-presidente. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e apresenta o Arcanjo Pod. Eleito três vezes um dos melhores jornalistas culturais do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Huffpost Brasil, Notícias da TV, Contigo, Superinteressante, Band, CBN, Gazeta, UOL, UMA, OFuxico, Rede TV!, Rede Brasil, Versatille, TV UFMG e O Pasquim 21. Integra o júri de Prêmio Arcanjo, Prêmio Jabuti, Prêmio Governador do Estado de São Paulo, Prêmio Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Imprensa Digital, Prêmio Guia da Folha e Prêmio Canal Brasil de Curtas. Vencedor do Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã, Prêmio África Brasil, Prêmio Leda Maria Martins e Medalha Mário de Andrade do Prêmio Governador do Estado, maior honraria na área de Letras de São Paulo.
Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *