Crítica | João Suplicy abraça sofisticada brasilidade em Samblues

João Suplicy no show Samblues no Blue Note São Paulo: diálogo musical potente – Foto: Silvana Garzaro – Blog do Arcanjo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

O cantor e compositor João Suplicy sempre foi um músico habilidoso em criar diálogos com sonoridades distintas, criando sua música sempre com uma camada de fina sofisticação. Em seu novo show e álbum, Samblues, ele fusiona o que se convencionou chamar de música brasileira com elementos do blues. O concerto foi visto por este crítico em um comportado Blue Note São Paulo, na noite da última sexta, 4 de fevereiro.

É preciso ressaltar que ambos sons bebem de uma fonte inesgotável de ritmo e suingue: a ancestralidade africana, presente de forma seminal tanto na música brasileira quanto na estadunidense, e agora evocada com o devido respeito por João Suplicy. Afinal, ele é brasileiro e, neste show, presta nobre reverência à música que seu país produziu e que figura entre as melhores do mundo.

E João Suplicy busca esse diálogo de forma autêntica, tal qual no passado buscou Vinicius de Moraes quando se uniu a Baden Powell para criar os lendários Afro-sambas em 1966, até hoje no topo do mais sofisticado que a música brasileira conseguiu experimentar, na criação que é até os dias atuais a simbiose perfeita entre o samba, a bossa nova e o jazz.

O percussionista Vítor da Candelária: destaque na banda do show Samblues de João Suplicy – Foto: Silvana Garzaro – Blog do Arcanjo

O músico paulistano faz a costura musical entre o samba e o blues tendo como aliada uma potente banda, formada pela delicadeza de Cesar Augusto no piano, Ingrid Cavalcanti em seu suntuoso contrabaixo, Diego Pereira com sua precisa bateria e Vitor da Candelária com sua eloquente percussão.

Trilhando caminho novo, João Suplicy presta reverência a nomes importantes do samba, como Cartola, Paulinho da Viola e Leci Brandão, não deixando também de dialogar com ícones internacionais, sobretudo do blues criado na parte sul dos Estados Unidos.

Em Samblues, João Suplicy cria uma antropofagia sonora que é típica desta metrópole chamada São Paulo desde os tempos da Tropicália de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Rita Lee, Nara Leão e turma, movimento que, por sua vez, foi uma evolução natural do pensamento da agora centenária Semana de Arte Moderna de 1922.

João Suplicy no show Samblues: sofisticação repleta de ritmo – Foto: Silvana Garzaro – Blog do Arcanjo

Se a tristeza e o lamento típico do blues rondam certa parte do show, é na alegria do samba que ele reside de fato. Afinal, o ritmo brasileiro por excelência sublima a dor do racismo e da pobreza extrema em um ritmo que pulsa no compasso da felicidade que é forma de resistir, de seguir vivendo.

E o Brasil explodiu ao fim do show visto por este crítico, quando o artista convidou ao palco músicos de seu bloco de Carnaval, Tins e Bens e Tais, que pega o nome emprestado de letra de Podres Poderes, de Caetano Veloso.

Aliado à sua virtuosa banda, fizeram a folia acontecer neste fevereiro de Carnaval proibido na elegante sala da Avenida Paulista os ritmistas Tiago dos Anjos, Antonio Carlos AC de Sousa e Danilo Buiu. Juntos eles provaram que o blues de João Suplicy tem samba de sobra e com mais do que uma nota só.

Samblues, de João Suplicy
Avaliação: Muito Bom ✪✪✪
Crítica por Miguel Arcanjo Prado

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista Miguel Arcanjo Prado é CEO do Blog do Arcanjo, fundado em 2012, e do Prêmio Arcanjo, criado em 2019. É mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação Social pela UFMG e crítico da APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, da qual foi vice-presidente. Coordena a Extensão Cultural e Projetos Especiais da SP Escola de Teatro e apresenta o Podcast do Arcanjo na OLA Podcasts. Eleito um dos melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se por três vezes e recebeu a Medalha Mário de Andrade, maior honraria nas letras do Governo do Estado de São Paulo. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Huffpost Brasil, Notícias da TV, Contigo, Superinteressante, Band, CBN, Gazeta, UOL, Uma, OFuxico, Rede TV!, Rede Brasil, Versatille, TV UFMG e O Pasquim 21. É jurado das premiações Prêmio Arcanjo, Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Imprensa Digital, Melhores do Ano Guia da Folha, Prêmios ANCEC e Prêmio Canal Brasil de Curtas. É vencedor do Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã, Prêmio África Brasil, Prêmio Leda Maria Martins e Prêmio Governo do Estado de São Paulo – Medalha Mário de Andrade.
Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento e Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Morre Glória Maria Harry e Meghan na Netflix Michael Jackson: Thriller faz 40 anos Marina Sena lança música com Gal Costa Crítica | Anitta maceta sons do Brasil no álbum À Procura da Anitta Perfeita e supera críticas com hits do verão