Crítica | João Suplicy abraça sofisticada brasilidade em Samblues

João Suplicy no show Samblues no Blue Note São Paulo: diálogo musical potente – Foto: Silvana Garzaro – Blog do Arcanjo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

O cantor e compositor João Suplicy sempre foi um músico habilidoso em criar diálogos com sonoridades distintas, criando sua música sempre com uma camada de fina sofisticação. Em seu novo show e álbum, Samblues, ele fusiona o que se convencionou chamar de música brasileira com elementos do blues. O concerto foi visto por este crítico em um comportado Blue Note São Paulo, na noite da última sexta, 4 de fevereiro.

É preciso ressaltar que ambos sons bebem de uma fonte inesgotável de ritmo e suingue: a ancestralidade africana, presente de forma seminal tanto na música brasileira quanto na estadunidense, e agora evocada com o devido respeito por João Suplicy. Afinal, ele é brasileiro e, neste show, presta nobre reverência à música que seu país produziu e que figura entre as melhores do mundo.

E João Suplicy busca esse diálogo de forma autêntica, tal qual no passado buscou Vinicius de Moraes quando se uniu a Baden Powell para criar os lendários Afro-sambas em 1966, até hoje no topo do mais sofisticado que a música brasileira conseguiu experimentar, na criação que é até os dias atuais a simbiose perfeita entre o samba, a bossa nova e o jazz.

O percussionista Vítor da Candelária: destaque na banda do show Samblues de João Suplicy – Foto: Silvana Garzaro – Blog do Arcanjo

O músico paulistano faz a costura musical entre o samba e o blues tendo como aliada uma potente banda, formada pela delicadeza de Cesar Augusto no piano, Ingrid Cavalcanti em seu suntuoso contrabaixo, Diego Pereira com sua precisa bateria e Vitor da Candelária com sua eloquente percussão.

Trilhando caminho novo, João Suplicy presta reverência a nomes importantes do samba, como Cartola, Paulinho da Viola e Leci Brandão, não deixando também de dialogar com ícones internacionais, sobretudo do blues criado na parte sul dos Estados Unidos.

Em Samblues, João Suplicy cria uma antropofagia sonora que é típica desta metrópole chamada São Paulo desde os tempos da Tropicália de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Rita Lee, Nara Leão e turma, movimento que, por sua vez, foi uma evolução natural do pensamento da agora centenária Semana de Arte Moderna de 1922.

João Suplicy no show Samblues: sofisticação repleta de ritmo – Foto: Silvana Garzaro – Blog do Arcanjo

Se a tristeza e o lamento típico do blues rondam certa parte do show, é na alegria do samba que ele reside de fato. Afinal, o ritmo brasileiro por excelência sublima a dor do racismo e da pobreza extrema em um ritmo que pulsa no compasso da felicidade que é forma de resistir, de seguir vivendo.

E o Brasil explodiu ao fim do show visto por este crítico, quando o artista convidou ao palco músicos de seu bloco de Carnaval, Tins e Bens e Tais, que pega o nome emprestado de letra de Podres Poderes, de Caetano Veloso.

Aliado à sua virtuosa banda, fizeram a folia acontecer neste fevereiro de Carnaval proibido na elegante sala da Avenida Paulista os ritmistas Tiago dos Anjos, Antonio Carlos AC de Sousa e Danilo Buiu. Juntos eles provaram que o blues de João Suplicy tem samba de sobra e com mais do que uma nota só.

Samblues, de João Suplicy
Avaliação: Muito Bom ✪✪✪
Crítica por Miguel Arcanjo Prado

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação Social pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se e Prêmio Governador do Estado de São Paulo. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Contigo, Superinteressante, Band, Gazeta, UOL, Uma, Rede TV!, TV UFMG e O Pasquim 21. É jurado das premiações Prêmio Arcanjo de Cultura, Melhores do Ano Blog do Arcanjo, Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Digital, Melhores do Ano Guia da Folha e Prêmio Canal Brasil de Curtas. É vencedor dos Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã e Prêmio África Brasil. Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento e Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.