Dia da Visibilidade Trans: Conheça 16 artistas trans que fazem a diferença

Dia da Visibilidade Trans: 16 artistas que fazem a diferença - Fotos: Arquivo Blog do Arcanjo
Dia da Visibilidade Trans: 16 artistas que fazem a diferença – Fotos: Arquivo Blog do Arcanjo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

Este sábado, 29 de janeiro, é o Dia da Visibilidade Trans. Para celebrar a data e lembrar a importância da representatividade em todos os setores sociais, o Blog do Arcanjo, , que desde sempre colocou em evidência esta importante parcela da população, apresenta 16 artistas trans que fazem a diferença no mundo da cultura e do entretenimento. Veja só quanto talento!

Clodd Dias

A atriz trans Clodd Dias despontou na cena paulistana na peça Luz Negra, do Pessoal do Faroeste. Ela ainda brilhou na peça Entrega para Jezebel. Estreou no streaming na série Manhãs de Setembro e é vencedora do Prêmio Arcanjo de Cultura.

Cristal Lopes

A dançarina e performer trans Cristal Lopes é a rainha absoluta do Carnaval de Rua de Belo Horizonte, cidade na qual já foi candidata à vereadora e foi pioneira como assessora parlamentar trans. Também esteve em peças como Nossa Senhora (do Horto) e Gaymada, da Toda Deseo, com a qual brilhou no Festival de Teatro de Curitiba.

Daniel Veiga

Dramaturgo e ator trans, Daniel Veiga vem trilhando carreira de feitos no teatro e no audiovisual brasileiro. Venceu o Kikito de Melhor Ator de Curta no Festival de Gramado com o filme Você Tem Olhos Tristes e deu aulas na SP Escola de Teatro.

Divina Nubia

Ícone da noite LGBTQIA+ e do visagismo, Divina Nubia também é atriz t. e performer. Fez história na representatividade na TV no Show de Calouros do SBT e estreou em séries com Manhãs de Setembro, na Amazon Prime Vídeo, pela qual ganhou o Prêmio Arcanjo de Cultura.

Dodi Leal

Professora universitária e pesquisadora trans pioneira, Dodi Leal também é atriz, dramaturga e escritora. Sua mais recente peça, Traved, foi um passo avançado no diálogo das artes cênicas com as novas tecnologias.

Eloina dos Leopardos

Dançarina trans lendária do Carnaval, Eloina dos Leopardos foi a primeira rainha de bateria da história, na Beija-Flor de Nilópolis. Também comandou a inesquecível Noite dos Leopardos, celeiro de galãs da TV. Atualmente, é hostess e senhora absoluta do Bar da Dona Onça, de Jefferson e Janaina Rueda, no Copan, centro de São Paulo.

Guttervil Santos

Pioneiro na comunidade artística a se declarar agênero não-binário, Guttervil Santos fundou com a atriz travesti Fernanda Kawani Custódio a Translúdica, primeira loja colaborativa trans da América Latina e realiza ação solidária na SP Transvisão em parceria com a SP Escola de Teatro no Dia da Visibilidade Trans para as pessoas LGBTQIA+ em situação de vulnerabilidade social.

Leo Moreira Sá

Premiado iluminador e ator trans, Leo Moreira Sá integrou a icônica banda de punk rock As Mercenárias. No teatro, se destacou na Cia. de Teatro Os Satyros e partiu em carreira solo com a efervescente peça Lou & Leo. Depois foi para o audiovisual, no qual é pioneiro da representatividade trans nos elencos de séries e filmes.

Leona Jhovs

A atriz trans Leona Jhovs ficou conhecida pelo trabalho junto à Cia. Pessoal do Faroeste. Também colaborou com a Cia. de Teatro Os Satyros e foi eleita Garota Satyrianas. Foi a primeira apresentadora trans a comandar uma premiação no Theatro Municipal de São Paulo, no Prêmio APCA e depois no Prêmio Arcanjo de Cultura. Premiada no cinema, tem se dedicado cada vez mais às séries.

Leonarda Glück

Atriz e dramaturga trans pioneira no teatro ganhou, Leonarda Glück relevância nacional com seu trabalho com a Selvática Ações Artísticas, em Curitiba. Após sua mudança para São Paulo tem trabalhado como roteirista e em projetos independentes, como Trava Bruta, peça com a qual celebra 25 anos de carreira no Centro Cultural São Paulo.

Liniker

A cantora trans Liniker começou estudando artes cênicas na Escola Livre de Teatro de Santo André até se encontrar na música. Pioneira na representatividade de mulher trans e preta nas artes, ela trilha uma carreira de sucesso e faz constantes parcerias com ícones da MPB.

Linn da Quebrada

A cantora trans Linn da Quebrada começou na cena musical alternativa paulistana, onde tornou-se conhecida e logo foi conquistando outros espaços, como o filme Bixa Travesty, premiado em Berlim e que a tornou vencedora do Prêmio Arcanjo de Cultura 2019, do qual foi apresentadora. Mais recentemente, faz sucesso no BBB na Globo, onde protagonizou o primeiro beijo dado por uma trans na história do reality.

Luh Maza

A dramaturga e roteirista Luh Maza começou na crítica teatral. Formada em dramaturgia na SP Escola de Teatro, tornou-se também atriz na Cia. de Teatro Os Satyros. Depois, passou a dedicar-se cada vez mais à escrita, tendo assinado contratos com importantes conglomerados do entretenimento como TV Globo e HBO.

Maitê Schneider

Atriz trans icônica na representatividade, Maitê Schneider foi uma das primeiras pessoas trans a serem entrevistadas por Jô Soares no Programa do Jô, na Globo. Após carreira de sucesso em Curitiba, mudou-se para São Paulo, onde é ativista do emprego e empreendedorismo trans com a Transempregos, o que a fez ser indicada ao importante Prêmio Claudia pela relevância de seu trabalho social.

Marcia Dailyn

A atriz Marcia Dailyn é a primeira bailarina trans da história do Theatro Municipal de São Paulo. Atualmente está na Cia. de Teatro Os Satyros e na SP Escola de Teatro, onde produz o SP Transvisão. É ainda musa do bloco Acadêmicos do Baixo Augusta e hostess do Bar da Dona Onça. Foi a primeira atriz trans indicada a um prêmio teatral paulistano por sua atuação em Entrevista com Phedra, peça de Miguel Arcanjo Prado dirigida por Juan Manuel Tellategui e Robson Catalunha sobre a diva trans cubana Phedra D. Córdoba, eleito melhor espetáculo no Prêmio Nelson Rodrigues em 2019. Também é vencedora do Prêmio Arcanjo de Cultura em 2020 e 2021.

Nany People

A atriz e humorista Nany People começou no teatro com a Cia. de Teatro Os Satyros. Mas foi na noite, como drag queen, que ela conquistou o grande público e espaço de pioneirismo na TV, como repórter do programa de Hebe Camargo no SBT. Depois, consagrou-se como atriz de teatro, brilhou no stand-up — foi a mais icônica mestre de cerimônias do Risadaria no Festival de Curitiba — e mais recentemente consagrou-se nas novelas da Globo, trajetória de respeito que a fez vencer o Prêmio Arcanjo de Cultura em 2019.

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação Social pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se e Prêmio Governador do Estado de São Paulo. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Contigo, Superinteressante, Band, Gazeta, UOL, Uma, Rede TV!, TV UFMG e O Pasquim 21. É jurado das premiações Prêmio Arcanjo de Cultura, Melhores do Ano Blog do Arcanjo, Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Digital, Melhores do Ano Guia da Folha e Prêmio Canal Brasil de Curtas. É vencedor dos Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã e Prêmio África Brasil. Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento e Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.