Crítica | Sede busca sentido da vida ao navegar por sonhos perdidos

Luna Martinelli e Felipe de Carolis na peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo
Fotos EDSON LOPES JR.
@edson_lopes_jr

O que a gente faz com os sonhos da juventude que, muitas vezes, os caminhos da vida interrompem com a imposição da realidade e, sobretudo, da necessidade de sobrevivência em um mundo cada vez mais feroz e menos poético? E como dar marcha à ré quando nos vemos, mesmo sem querer, em um caminho de dor?

Estas perguntas retóricas parece pairar sobre o espetáculo Sede, produção do ator Felipe de Carolis, em cena ao lado de Marcelo Várzea e Luna Martinelli, sob direção de Zé Henrique de Paula com colaboração de Junior Docini. A obra pode ser vista no Tucarena, em São Paulo, às sextas e aos sábados às 20h, e aos domingos, às 18h, até 12 de dezembro (retire seu ingresso). A montagem retoma sua temporada que foi interrompida pela pandemia, em março de 2020.

O espetáculo foi escrito em 2007 pelo libanês-canadense Wajdi Mouawad (1968), com colaboração de Benoit Vermeulen. O título original foi Assoiffés (em francês, “com sede”) e a tradução para o português é de Angela Leite Lopes. Desde 2016 diretor do Théâtre National de la Colline, em Paris, ele é o dramaturgo da aclamada Incêndios (2003). O texto foi sucesso no Brasil em 2014 com Marieta Severo encabeçando o elenco ao lado de Felipe de Carolis, produtor tanto de Incêndios quanto também de Céus (2016) e de Sede, trilogia de Mouawad montada por Carolis no Brasil.

Marcelo Várzea na peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
Marcelo Várzea na peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo

Sede traz o antropólogo forense Boone (Marcelo Várzea). Este é incumbido de determinar a causa da morte do jovem estudante Sylvain Murdoch (Felipe de Carolis). O rapaz não encontra mais razão de viver, e o antropólogo o conheceu no passado.

O corpo do jovem é encontrado no fundo de um lago, abraçado à sua jovem musa Noruega (Luna Martinelli), outra cujo sentido da vida parece ter sucumbido.

Teria Murdoch morrido por acidente ao patinar no gelo e cair nas gélidas águas ou foi um suicídio? Nesta difícil missão de estabelecer o fato, o investigador acaba indo ao encontro das expectativas frustradas de seu próprio passado juvenil e passando sua própria vida a limpo.

A obra é uma grande metáfora sobre não deixar a feiúra emergir de dentro de nós,. Ela coloca em perspectiva o que fazemos com aquilo que fomos ou sonhamos um dia. É óbvio que a existência impõe seu ritmo e suas necessidades, mas, a questão parece ser: como não nos violentarmos por completo diante do jogo da vida?

O texto de Mouawad aposta em monólogos narrativos dos três personagens e praticamente ignora a ação, o que pode fazer em alguns momentos que a atenção do espectador se disperse durante os quase 100 minutos de espetáculo. Afinal, não trata-se de um espetáculo fácil de ser digerido. Muito pelo contrário. É uma peça densa.

A atriz Luna Martinelli na peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A atriz Luna Martinelli na peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo

O diretor Zé Henrique de Paula, com colaboração de Junior Docini — que assumiu a montagem nesta retomada —, busca algumas soluções para sacudir um pouco o excesso de narração e despertar o público. Como na escolha da cenografia circular movediça de Bruno Anselmo e com projeções de um polvo gigante, representando a feiúra à espreita. Outro respiro são as belas canções interpretadas por Felipe de Carolis. Aliás, o ator demonstra evidente estudo técnico de colocação de voz, com Jonatan Harold tocando composições de Fernanda Maia em um delicado piano.

Mas, o fato é que a melancolia paira irremediavelmente sobre os personagens. Eles já não conseguem encontrar a beleza desta vida. Cada vez mais, são tragados pela metáfora da feiúra — aquelas nossas frustrações que vamos despejando em um quarto interno que, quando lotado, ocupa tudo. A fria iluminação de Fran Barros reforça este estado letárgico.

Há ainda uma crítica feroz à sociedade automatizada, mergulhada no vazio tecnológico que leva à ansiedade e à depressão e onde, na falta da beleza do novo e do improvável, tudo se funde em um marasmo de repetições. Tudo isso com pitadas de metalinguagem que homenageia o próprio teatro.

Por mais que não haja muito jogo de cena entre os personagens, os atores estão entregues — e não deve ser nada fácil encarar uma peça com tal estado melancólico após tudo que vivemos nos últimos tempos.

O ator Felipe de Carolis na peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator Felipe de Carolis na peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo

Felipe de Carolis mergulha no vazio de seu verborrágico Murdoch. É como se o personagem, na ânsia de tanto dizer, acabasse tragado pelas próprias palavras, rumando ao seu triste e precipitado fim. Marcelo Várzea também abraça seu analítico antropólogo, construindo uma bela alegoria das negociações que precisamos fazer para seguir em frente e não desistir. Para completar o trio, Luna Martinelli brilha em seu retorno aos palcos, atriz de camadas profundas como um lago turvo — é sempre um alento vê-la em cena.

É incontestável que grandes catástrofes afetam o modo como a humanidade se relaciona com a vida, com a morte e com a própria arte. Foi também perceptível nos últimos tempos a importância da arte em nossas vidas como motor de saúde mental. E, diante do dilúvio fúnebre que nos assolou nos últimos dois anos, tudo foi realocado em nova perspectiva. Inclusive a falta de relevância para certos conflitos burgueses.

Os atores Luna Martinelli e Felipe de Carolis na peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
Os atores Luna Martinelli e Felipe de Carolis na peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo

Assim, ver Sede ao fim de 2021 é uma nova experiência. Afinal, vimos milhares lutando para sobreviver nos últimos tempos, muitos dos quais, infelizmente, sem sucesso. Deste modo, os conflitos apresentados na obra são encarados a partir de um novo ângulo. E uma conclusão paira na cabeça deste crítico ao sair do espetáculo: precisamos todos encontrar o sentido da vida e seguir em frente, recuperando a poesia da vida. Inclusive o próprio teatro, pois o mergulho na dor não faz bem a ninguém. E é preciso recuperar a sede pela vida.

Sede, de Wajdi Mouawad, direção Zé Henrique de Paula
Avaliação: Bom ✪✪✪
Crítica por Miguel Arcanjo Prado
Fotos Edson Lopes Jr

Quando: Sexta e sábado, às 21h; domingo, às 18h. 95 min. 16 anos.
Onde: Tucarena – Rua Monte Alegre, 1024 (entrada pela Rua Bartira), Perdizes, São Paulo. Tel. 11 3670.8455.
Quanto: De R$ 30 a R$ 70 (retire seu ingresso)

Retire seu ingresso para ver Sede

Blog do Arcanjo entra no camarim da peça Sede

O ator Felipe de Carolis no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator Felipe de Carolis no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A atriz Luna Martinelli no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A atriz Luna Martinelli no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator Marcelo Várzea no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator Marcelo Várzea no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator Felipe de Carolis no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator Felipe de Carolis no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A atriz Luna Martinelli no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A atriz Luna Martinelli no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator Marcelo Várzea no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator Marcelo Várzea no camarim do Tucarena na estreia da peça Sede – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A camareira Anna Américo nos bastidores da estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr.  - Blog do Arcanjo
A camareira Anna Américo nos bastidores da estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A produtora Martha Lozano nos bastidores da estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr.  - Blog do Arcanjo
A produtora Martha Lozano nos bastidores da estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator e operador de luz Junior Docini nos bastidores da estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr.  - Blog do Arcanjo
O codiretor Junior Docini nos bastidores da estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O pianista e diretor musical Jonatan Harold nos bastidores da estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr.  - Blog do Arcanjo
O pianista e diretor musical Jonatan Harold nos bastidores da estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo

Blog do Arcanjo mostra quem aplaudiu estreia de Sede no Tucarena

Selma Morente e Célia Forte, da Morente Forte, prestigiaram estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
Selma Morente e Célia Forte, da Morente Forte, prestigiaram estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator Duda Mamberti aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator Duda Mamberti aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A assessora Beth Gallo aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A assessora Beth Gallo aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator e diretor Guilherme Leme aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator e diretor Guilherme Leme aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A produtora teatral Aniela Jordan aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A produtora teatral Aniela Jordan aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O psicoterapeuta Lianderson Miranda aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O psicoterapeuta Lianderson Miranda aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
Giovana Lombardo aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
Giovana Lombardo aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A atriz Thamires  aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A atriz Thamires aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator Guilherme de Rose aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator Guilherme de Rose aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A designer Camila Iaczko e o ator Rodrigo Nascimento aplaudiram estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A designer Camila Iaczko e o ator Rodrigo Nascimento aplaudiram estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator Renato Caldas aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator Renato Caldas aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
O ator e dublador Ricardo Ripa aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
O ator e dublador Ricardo Ripa aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A bailarina Fabiana de Sousa aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A bailarina Fabiana de Sousa aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A atriz Daniela Deon aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A atriz Daniela Deon aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A atriz Camila Lorenzo aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A atriz Camila Lorenzo aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A produtora Dani Angelotti e a assessora Beth Gallo aplaudiram estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A produtora Dani Angelotti e a assessora Beth Gallo aplaudiram estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
A dramaturga Célia Forte aplaudiu estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
A dramaturga Célia Forte aplaudiu estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
Estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
Estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
Estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo
Estreia de Sede no Tucarena - Foto: Edson Lopes Jr. - Blog do Arcanjo
Estreia de Sede no Tucarena – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do Arcanjo

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico de artes Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, Folha, Abril, Band e UOL. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo na OLA Podcasts. Foto: Edson Lopes Jr.

© Blog do Arcanjo – Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados | Proibida reprodução sem citação com link.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *