Casa Vogue valoriza trajetória de 4 artistas negras: conheça os nomes

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

Representatividade aliada ao farto talento é o tom da revista Casa Vogue de julho. A publicação apresenta a trajetória de quatro artistas contemporâneas que integram a exposição Enciclopédia Negra, em cartaz na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Na reportagem Verbetes Femininos, Lidia Lisboa, Juliana Dos Santos, Heloisa Hariadne e Panmela Castro abrem as portas de seus ateliês à equipe da revista e revelam suas rotinas, inspirações e perspectivas. O Blog do Arcanjo conta um pouco mais sobre cada uma delas.

Lidia Lisboa

A artista plástica, ceramista e performer autodidata Lidia Lisboa, 50, natural do Paraná, traz em suas obras questões delicadas (como aborto, violência contra a mulher e sua condição no mundo) de maneira surpreendentemente poética e lúdica. Desde sua primeira experiência profissional, aos 19 anos, no ateliê-casa de alta-costura de Demi Queiroz, as fronteiras entre espaço de trabalho e de moradia se sobrepõem em seu universo.

Juliana dos Santos

Doutoranda no Instituto de Artes da Unesp e atualmente em cartaz na coletiva Imagens que Não se Conformam, no Museu de Arte do Rio, Juliana Dos Santos reformou, com as próprias mãos, um quarto de 3,5 x 4 m na casa da mãe a fim de transformá-lo em estúdio. “Foi um momento muito importante de introspecção e de mergulho no meu processo criativo. Consegui construir meu mundo aqui”, conta a artista visual de 34 anos.

Heloisa Hariadne

Aos 23 anos, recém-formada na faculdade Belas Artes de São Paulo, Heloisa Hariadne, está a todo vapor para sua primeira individual, a ser inaugurada na Galeria Leme em agosto. A exposição, com curadoria de Carollina Lauriano, inaugura na Galeria Leme em agosto, quando a pintora completa um ano na região central da capital paulista.

Panmela Castro

Já Panmela Castro norteia sua arte e seu espaço por conceitos como alteridade e pertencimento, para lidar com o fato de que sempre se sentiu ocupando um não lugar. “Nem branca, nem negra retinta, nem gorda, nem magra, da academia e da rua.” A solução? Abrir seu processo criativo autobiográfico. “Quando o outro se identifica com as minhas experiências, o ciclo se completa e eu pertenço a algum lugar”, revela a artista na reportagem, que ganha vida em quatro páginas da publicação.

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico de artes Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, Folha, Abril, Band e UOL. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo na OLA Podcasts. Foto: Edson Lopes Jr.

© Blog do Arcanjo – Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados | Proibida reprodução sem citação com link.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *