Maradona jamais se esqueceu do povo, que chora sua morte

Por Miguel Arcanjo Prado

O jogador argentino Diego Armando Maradona vivenciou todas as glórias e também todas as ruínas. Foi considerado o melhor do mundo de seu tempo e alçado ao panteão dos maiores astros do futebol da história ao lado do brasileiro Pelé. Sua morte, precoce, aos 60 anos, nesta triste quarta (25), em sua casa de Tigre, nos arredores de Buenos Aires, vítima de uma parada cardiorrespiratória, comove não só os argentinos como a todo o mundo; e especialmente a nós, latino-americanos.

Leia: Globo faz especial para homenagear Maradona

Afinal, Diego, o gênio do futebol que nasceu em Lanús e foi criado na Villa Fiorito, na periferia de Buenos Aires até ser revelado pelo Boca Juniors, está entre os melhores personagens de nossa história e poderia muito bem ter sido inventado por algum de nossos escritores do realismo fantástico, gênero tão nosso. Sua escalada meteórica, o apogeu da fama com a conquista do título mundial de 1986 (com ajuda da Mano de Dios) e a queda por conta do dopping, bem como as recaídas e internações fazem dele um ídolo apaixonante.

“Diego foi um homem imenso. Quem pode recriminá-lo, se ele só nos deu alegria? Quem tem autoridade moral para julgá-lo?”, lembrou o presidente argentino Alberto Fernández. “Os momentos mais gloriosos do futebol argentino foram com Diego. Maradona é uma referência inevitável pelo futebol. E ele não irá, porque sua memória seguirá presente. Ele é uma pessoa inapagável da história argentina, como Gardel. Um grande personagem da memória coletiva. É uma perda enorme e só temos que agradecê-lo”.

Contudo, o fundamental quando falamos de Maradona é que ele jamais se esqueceu do povo e de sua origem humilde. E pagou o preço por isso, sobretudo sendo ridicularizado e atacado por uma mídia que odiava suas ideias. Mesmo tendo se tornado um homem rico, graças a seu talento, Maradona defendeu ao longo de toda a sua vida os ideais de justiça e igualdade social e por isso foi atacado por muita gente mesquinha.

Aos locutores de partidas que quiseram transformar Diego em nosso inimigo junto de seu país, só para ganharem ibope por conta de uma rivalidade inventada entre povos irmãos, ele saiu-se vitorioso. Afinal, muitos brasileiros andam pelas ruas com a camisa 10 da seleção da Argentina que ele eternizou. E até hoje é a camiseta argentina mais vendida no Brasil, no mercado oficial e no das ruas. Porque o povo ama Maradona. Porque Maradona é o próprio povo.

A arte, o talento e o carisma deste homem ímpar são insuperáveis. Por isso, hoje, junto da Argentina, o Brasil chora copiosamente a partida do nosso Dieguito, El Pibe de Oro.

Miguel Arcanjo Prado é jornalista, mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela ECA-USP e bacharel em Comunicação Social pela UFMG. Eleito três vezes pelo Prêmio Comunique-se um dos melhores jornalistas de Cultura do Brasil. Nascido em Belo Horizonte, vive em São Paulo desde 2007. É crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Passou por Globo, Record, Folha, Contigo, Editora Abril, Gazeta, Band, Rede TV e UOL, entre outros. Desde 2012, faz o Blog do Arcanjo, referência no jornalismo cultural. Em 2019 criou o Prêmio Arcanjo de Cultura no Theatro Municipal de SP. Em 2020, passou a ser Coordenador de Extensão Cultural e Projetos Especiais da SP Escola de Teatro e começou o Podcast do Arcanjo em parceria com a OLA Podcasts. Foto: Bob Sousa.

Siga @miguel.arcanjo

Ouça o Podcast do Arcanjo

Please follow and like us:

1 Resultado

  1. 25/11/2020

    […] Um gênio indomável. Craque reverenciado pelos momentos mágicos que proporcionou com a bola nos pés. Diego Armando Maradona era uma autêntica exposição da alma humana, com todas as suas belezas e defeitos. Um baixinho genioso, combativo, que não escondia suas fraquezas nem seu imenso amor por sua Argentina. O ex-jogador morreu nesta quarta-feira, dia 25, aos 60 anos, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória. Em homenagem à lenda do esporte, a TV Globo exibe um especial sobre Maradona na noite desta quarta (25), logo após o Segue o Jogo. Para muitos argentinos, Maradona extrapolava os limites do esporte. No especial, a TV Globo traz depoimentos de personalidades e revisita momentos históricos e polêmicos de El Pibe de Oro. Como sua participação na Copa de 1986, vencida pela Argentina, uma das mais fantásticas performances individuais de uma edição de Mundial. Segundo a Globo, trata-se de “uma justa homenagem a quem transformou a bola em um pincel e deixou seus traços por todos os cantos do mundo. Um artista intenso e explosivo, que saboreou a vida como um tango, com seus altos e baixos, transitando de forma nada peculiar entre dramas e paixões”. Leia também: Maradona jamais se esqueceu do povo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *