Que tal deixar pra lá quem critica Beyoncé e ouvir 6 artistas negros do Imune?

Por Miguel Arcanjo Prado

Enquanto colunista quer ensinar Beyoncé como representar negros e artistas milionários fazem lives regadas a muito álcool e aglomeração, artistas independentes negros estão aí na batalha para fazer sua música chegar aos ouvidos do grande público. O Coletivo Imune – Instante da Música Negra quer justamente revolucionar este cenário e impulsionar artistas negros e negras talentosos que se reúnem em torno do projeto que busca dar visibilidade às suas vozes e discursos artísticos.

Reunindo seis artistas, a ação idealizada pela cantora e compositora Bia Nogueira e apoiada pelo edital Natura Musical conta também com os cantores e compositores Cleópatra, Maíra Baldaia, Gui Ventura, Raphael Sales e Rodrigo Negão.

Para abrir o projeto com chave de ouro, essa turma sacudida acaba de lançar o single-clipe-manifesto Movimento É Poder. Os seis artistas falaram sobre as filmagens em plena quarentena com exclusividade ao Blog do Arcanjo, que, ao contrário de outros veículos por aí, conhece e acompanha com atenção a trajetória dessa turma. E há um bom tempo.

Assista ao vídeo e veja a seguir o que eles nos contaram. E, claro, apoie os seis artistas negros repletos de talento, porque eles merecem! A ação conta com edital Imunidade Sonora, que distribuirá bolsas de R$ 300 a artistas negros, rede de trocas digitais e um festival em 12 de setembro reunindo os seis em um grande show conjunto que será transmitido digitalmente e conta com financiamento coletivo. Se puder, não deixe de colaborar.

Fotografias por Léo Leles (Coletivo Imune) e Leticia Sousa (artistas individualmente)

Bia Nogueira

“Foi desafiador gravar o clipe e a música, porque fizemos tudo sem nos reunir presencialmente. Da composição à captação das vozes e gravação das imagens, tudo feito à distância. E acho que esse é o espírito que essa música quer transmitir, que mesmo isolados, não estamos sozinhos, somos, ainda assim, potência transformadora.” @bianogueiraoficial

Cleópatra

“Gravar o clipe de Movimento É Poder significou para mim reinventar minha perspectiva para que nosso trabalho se adequa à nova realidade, onde expectativas e planejamos são secundários à realidade imposta. Fiquei surpreendida com o nosso resultado e desempenho, levamos tão a sério o precisa ser dito que adequamos nossa casa para acolher esse trabalho. Foi uma experiência individual e coletiva ao mesmo tempo, onde percebi de maneira mais ampla como sou parte do coletivo, como ele é completo e diverso. Em um momento como esse vejo esse trabalho como um híbrido onde desafiamos as pessoas a ter esperança, a emanar alegria e força.” @cleopatrapper

Maíra Baldaia

“Produzir nesses novos tempos é desafiador, redescobrir como trazer a pulsão criativa que a presença nos traz nos novos meios de encontros e reuniões online é um processo que nos pede desapego, cabeça aberta, adaptação. É um momento de transformação no mundo e a arte não está apartada disso. Pelo contrário, a arte nos ajuda a redirecionar os caminhos e redescobrir novos meios. Com o processo de criação, composição e gravação do nosso single Movimento É Poder foi assim… Já tínhamos um planejamento de lançar outras músicas, mas sentimos a necessidade de trazer algo pertinente a esse momento. Todo o processo foi à distância e virtual, gravamos com nossos celulares e nossas casas as cenas internas e as externas foram feitas com drone nas janelas… novos tempos, novos meios, novas formas de aquilombar e de seguir juntos!” @mairabaldaia

Gui Ventura

“É uma experiência muito interessante e desafiadora fazer do problema, uma oportunidade. E entendendo que estamos a maioria em isolamento, esse clipe foi a chance poder convidar um número grandioso de pessoas a tomarem café com a gente, nosso cantinho.” @guiventuraoficial

Raphael Sales

“Ter composto e gravado essa canção (movimento é poder) significou me conectar com as artimanhas dos nossos antepassados. Eles tiveram que se reinventar no canto e na dança para driblarem os efeitos do banzo. Essa canção reafirma pra mim mesmo que o poder vem do movimento e que as possibilidades de alegria e saúde podem estar mais próximas do que pensamos.” @raphaelsalescantautor

Rodrigo Negão

“O processo de composição e gravação da música Movimento É Poder foi pra mim um alento. O trabalho no Coletivo IMuNe se torna, a cada dia, um encorajador e essa música retrata exatamente esse sentimento. Me fez sentir vivo, forte e ativo, mesmo diante de uma pandemia. Acredito de verdade que o pensamento é força criadora, e acredito também que o movimento coletivo pode nos levar a conquistas inimagináveis de se realizar sozinhos. A junção dos artistas dentro do coletivo IMuNe atua em minha vida como uma micro revolução e essa música expressa exatamente este movimento. Uma micro revolução que acontece dentro de mim.” @rodrigonegao

Movimento É Poder

Se inscreva no canal do Imune!

FICHA TÉCNICA:
VÍDEO
Argumento e Roteiro: Bia Nogueira, Cleopátra, Gabriel TX, Maíra Baldaia e Rodrigo Negão
Direção: IMuNe e Gabriel TX
Imagens Aéreas: Fly Slander Drones (Captação: Marcelo Islander/Assistente: Neusa Almeida)
Imagens Internas: IMuNe
Edição e Finalização: Gabriel TX
Colorização: Gabrieu Algusto
Coordenação de Produção Audiovisual: Maíra Baldaia
Produção Coletivo IMuNe: Cleopátra, Gui
Ventura, Rodrigo Negão
Coordenação de Produção IMuNe: Fabiana Bergamini
Coordenação Geral e Artística IMuNe: Bia Nogueira
Gestão: Estação Criativa
Realização: Governo de Minas | Lei Estadual de Incentivo à Cultura
Patrocínio: Natura Musical
Produção: Coletivo Imune
Apoio: Cemig
Vendas: Gofree

Siga @miguel.arcanjo

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. 04/08/2020

    […] Que tal deixar pra lá quem critica Beyoncé e ouvir 6 artistas negros do Coletivo Imune? […]

  2. 05/08/2020

    […] Colunista ‘ensina’ Beyoncé como representar negrosConheça 6 novos artistas negros da música brasileira […]

  3. 06/09/2020

    […] do sexteto mineiro faz parte do projeto apoiado pelo Edital Natura Musical — o primeiro clipe foi Movimento É Poder, com mais de 20 mil visualizações. A faixa com sonoridade urbana afromineira tem produção de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *