Prêmio do Humor será entregue dia 30 de junho em cerimônia digital

O Prêmio do Humor, idealizado por Fábio Porchat, informou ao Blog do Arcanjo que terá sua entrega em cerimônia digital na próxima terça, 30 de junho, a partir das 20h30, no Canal do Fábio Porchat no YouTube.

Por conta da pandemia, a cerimônia, que aconteceria no último mês de março, precisou ser adiada. Após conversar com os jurados e a equipe do Prêmio do Humor, Porchat decidiu realizá-la de forma virtual, como forma de celebrar os artistas neste momento tão delicado.

O Prêmio do Humor foi criado para valorizar artistas e espetáculos de humor e de comédia, muitas vezes deixados de lado em outras premiações. Serão conhecidos os vencedores de São Paulo e também do Rio de Janeiro, que atuaram em espetáculos ao longo do ano de 2019.

Em São Paulo, o júri é composto por Ary França, Bete Dorgam, Fabiana Seragusa (que a partir deste ano passa a ser substituída por Agnes Zuliani), Miguel Arcanjo Prado (autor deste blog) e Paulo Bonfá. Já no Rio de Janeiro os jurados são Aloisio de Abreu, Carmen Frenzel, Éber Inácio, Rafael Teixeira e Sura Berditchevsky.

Indicados ao Prêmio do Humor 2020

São Paulo

MELHOR TEXTO
Alvaro Assad, Newton Moreno e LaMínima, por “Ordinários”
Fernanda Maia, por “Chaves – Um Tributo Musical”
Mauricio Meirelles, por “Mauricio Meirelles – Stand-up”
Raphael Gama, por “Uma Lágrima para Alfredo”
Renato Modesto, por “O Martelo”

MELHOR DIREÇÃO
Alvaro Assad, por “Ordinários”
Jorge Farjalla, por “O Mistério de Irma Vap”
Rafael Primot, por “Como Ter uma Vida Quase Normal”
Zé Henrique de Paula, por “Chaves – Um Tributo Musical”

MELHOR ESPETÁCULO
“Chaves – Um Tributo Musical”
“Mauricio Meirelles – Stand-up”
“Ordinários”
“Uma Lágrima para Alfredo”

MELHOR PERFORMANCE
Angela Dippe, por “As Atrizes”
Carol Costa, por “Chaves – Um Tributo Musical”
Diego Velloso, por “Chaves, Um Tributo Musical”
Eduardo Martini, por “Uma Lágrima para Alfredo”
Edwin Luisi, por “O Martelo”
Luís Miranda, por “O Mistério de Irma Vap”
Mateus Ribeiro, por “Chaves – Um Tributo Musical”
Mauricio Meirelles, por “Mauricio Meirelles – Stand-up”
Monique Alfradique, por “Como Ter uma Vida Quase Normal”
Rodrigo Fagundes, por “Sylvia”

PRÊMIO ESPECIAL
Centro de Memória do Circo, por há dez anos preservar a história do humor circense
Cia. Barbixas, pelos 15 anos de humor inteligente e propositivo
Elenco de “Ordinários” (Fernando Paz, Fernando Sampaio, Filipe Bregantim), pela excelente sintonia no jogo cênico
Fábio Namatame, pela impecável caracterização de “Chaves – Um Tributo Musical” (figurino e visagismo)
Hugo Possolo, por colocar o humor no tradicional palco do Theatro Municipal de São Paulo
Pedro Cardoso e Graziella Moretto, pela vibrante ocupação do Teatro MorumbiShopping, que fez o público rir e refletir

Rio de Janeiro

MELHOR TEXTO
Felipe Cabral, por “40 Anos Esta Noite”
Regina Casé e Hermano Vianna, por “Recital da Onça”
Cláudia Gomes, por “Mãe Fora da Caixa”
Cia. Bagagem Ilimitada, por “Furdunço no Fiofó do Judas”

MELHOR DIREÇÃO
Marcus Alvisi, por “A Verdade”
Joana Lebreiro, por “Mãe Fora da Caixa”
Ana Carolina Sauwen, Florencia Santángelo, Nara Menezes e Natascha Falcão, por “Las Panamericanas – Grandes Sucessos de Ontem, Hoje e Sempre”
Luiz Fernando Lobo, por “A Mandrágora”

MELHOR ESPETÁCULO
“A Verdade”
“As Comadres”
“Recital da Onça”
“Mãe Fora da Caixa”
“Las Panamericanas – Grandes Sucessos de Ontem, Hoje e Sempre”
“Furdunço no Fiofó do Judas”
“A Mandrágora”

MELHOR PERFORMANCE
Felipe Cabral, por “40 Anos Esta Noite”
Diogo Vilela, por “A Verdade”
Sirlea Aleixo, por “As Comadres”
Regina Casé, por “Recital da Onça”
Miá Mello, por “Mãe Fora da Caixa”
Miguel Falabella, por “A Mentira”
Cleber Tolini, por “O Subnormal – Uma História de Baixa Visão”
Zezé Polessa, por “A Mentira”

PRÊMIO ESPECIAL
Elenco de “As Comadres”, pela qualidade do trabalho coletivo e brilho na alternância de papéis
Ana Carolina Sauwen, Florencia Santángelo, Nara Menezes e Natascha Falcão, pela pesquisa de palhaçaria e burlesco cômico feminino em “Las Panamericanas- Grandes Sucessos de Ontem, Hoje e Sempre”
Cia. Bagagem Ilimitada, pela incorporação do repertório da cantora Marinês à dramaturgia teatral de “Furdunço no Fiofó do Judas”
Sônia Dummont e Wladimir Pinheiro, pela tradução das canções de “As Comadres”

Siga @miguel.arcanjo

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *