Melhor banda pop mineira desde Pato Fu, Rosa Neon conquista a SIM São Paulo

Rosa Neon é destaque na SIM São Paulo: melhor coisa no pop mineiro desde Pato Fu – Foto: Igor Marotti Dumont – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O grupo musical Rosa Neon é a melhor coisa surgida no pop feito em Minas Gerais desde a aparição do Pato Fu no já longínquo começo dos anos 1990. Pelo menos esta é a modesta opinião deste humilde colunista.

A atualíssima banda jovem mineira, com produção de João Cabral Akerman, mostrou sua potência em duas frenéticas apresentações na SIM São Paulo. Com direito a eufóricos fãs entoando os vários hits-clipes-chicletes e até dançando coreografia, como testemunhou o Blog do Miguel Arcanjo no show nesta sexta (6), que abriu a Noite Sensacional, no Z Largo da Batata.

Na apresentação paulistana, mesmo com o desfalque da integrante Mariana Cavanellas, grávida de sete meses, o que se viu foi uma banda com personalidade própria e segurança musical de sobra para fazer um pop interessante e repleto de vivacidade — reforçada pelos excelentes figurinos-kitsch do grupo belo-horizontino.

O quarto elemento no show acabou sendo o produtor musical do grupo, Baka D. Kai, que deveria se tornar um integrante de fato do Rosa Neon, já que boa parte dos hits têm seu dedo mágico — e o rapaz tem presença de palco de sobra para isso.

Marina Sena rouba a cena no show do Rosa Neon no Z Largo da Batata na Noite Sensacional na SIM São Paulo: ela é fogo puro! – Foto: Igor Marotti Dumont – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Contudo, falando de presença cênica, nada se compara a Marina Sena. Única mulher no palco, ela roubou para si todos os olhares e desejos, com uma performance que pareceu um fogaréu sem fim. A moça é uma espécie de mistura de Nara Leão, Maria Bethânia, Gal Costa e o que mais couber em seu liquidificador psicodélico, aliando uma brejeirice do norte mineiro a uma segurança no palco pouco comum às insossas novas gerações. Mas, ainda bem que comedimento não faz parte do repertório de Marina, que se deleita ao se oferecer de corpo e alma a seu público. Para completar, Marina ainda toca atabaque divinamente.

Rosa Neon conquista a SIM São Paulo: pop potente e interessantíssimo; Luiz Gabriel Lopes, Marina Sena, Marcelo Tofani e Baka D. Kai (ao fundo) – Foto: Igor Marotti Dumont – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

A ela se somou a segurança de Luiz Gabriel Lopes, músico experiente em variadas vertentes e matizes musicais e que empresta sua farta trajetória como espécie de baluarte do Rosa Neon, trazendo ao pop grudento do grupo o refinamento da boa e velha música popular brasileira que ele domina como ninguém.

Marcelo Tofani, por sua vez, também demonstra fôlego farto no palco, dialogando com sua figura com boa parte dos fãs do grupo, que só tendem a aumentar assim como os views dos clipes no YouTube. Afinal, Rosa Neon é sem dúvida a melhor novidade do pop nacional forjado nas Minas Gerais, imprimindo fôlego novo ao gênero musical.

Rosa Neon na SIM São Paulo
Crítica por Miguel Arcanjo Prado
Avaliação: Ótimo 

Fotos Igor Marotti Dumont

Nossa, que calor: a efervescente Marina Sena canta o hit Ombrim, do Rosa Neon, no show do grupo pop mineiro que incendiou a SIM São Paulo – Foto: Igor Marotti Dumont – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Siga @miguel.arcanjo

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por ROSA NEON (@neonrosaneon) em

Você pode gostar...