Cinema goiano se destaca entre vencedores da Mostra de Cinema de Tiradentes

Premiados na 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Beto Staino – Universo Produção – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Chegou ao fim neste sábado (26) após nove dias de exibições de 108 filmes e público de 37 mil pessoas a 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes. Ela é realizada com programação gratuita na cidade histórica mineira, que celebrou seus 301 anos de vida durante o evento, no qual esteve o Blog do Arcanjo no UOL.

Goiás foi o maior vencedor no anúncio dos premiados em noite de festa cinematográfica no Cine-Tenda. O Estado vizinho a Minas Gerais, onde o festival é realizado, abocanhou o Troféu Barroco para o filmes “Vermelha”, de Getúlio Ribeiro, na Mostra Aurora, e o Troféu Carlos Reichenbach, na Mostra Olhos Livres, para o filme “Parque Oeste”, de Fabiana Assis.

Getúlio Ribeiro, diretor de “Vermelha”, filme vencedor na Mostra Aurora pelo Júri da Crítica na 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Beto Staino – Universo Produção – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

“Levamos esse prêmio sem nenhuma pretensão!”, comemorou Gaúcho, pai do diretor de “Vermelha” e ator principal do filme de Getúlio Ribeiro. “Que saudade da minha cachorra Vermelha!”, em referência ao animal que titula o longa.

Fabiana Assis, diretora de “Parque Oeste”, filme vencedor da Mostra Olhos Livres pelo Júri da Crítica na 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Beto Staino – Universo Produção – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Já Fabiana Assis, ao receber o prêmio para “Parque Oeste”, filme que mostra enfrentamento entre Polícia Militar e moradores de uma ocupação, definiu seu trabalho como “um filme que, acima de tudo, fala de esperança”, homenageando Eronilde Nascimento, protagonista do documentário.

Daniel Gonçalves (de vermelho) recebe o prêmio de melhor filme pelo Júri Popular para “Meu Nome É Daniel” na 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Beto Staino – Universo Produção – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Já o melhor longa eleito pela votação do público foi o carioca “Meu nome é Daniel”, de Daniel Gonçalves. “Deve ser a primeira vez que uma pessoa com deficiência conta a sua própria história no cinema”, declarou o cineasta, emocionado.

Diego Paulino, diretor do curta “Negrum3”, vencedor no Júri Popular e também ganhador do Prêmio Canal Brasil na 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Beto Staino – Universo Produção – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Na categoria de curta-metragem venceu o Júri Popular o filme paulista “Negrum3”, de Diego Paulino, ganhando ainda o Prêmio Canal Brasil de Curtas.

Caio Bernardo, diretor do curta “Caetana”, vencedor pelo Júri da Crítica na 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Beto Staino – Universo Produção – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Já no Júri da Crítica quem levou na categoria curta-metragem foi o paraibano “Caetana”, de Caio Bernardo.

Premiados na 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Beto Staino – Universo Produção – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Por Marcelo Gonçalves*
Enviado especial do Blog do Arcanjo a Tiradentes (MG)

*Mestre em Linguística pela Universidade de Potsdam, na Alemanha, e graduado em Letras Português/Alemão pela UFMG. Viajou a convite da 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes.

 

 

Please follow and like us:
Vingança, O Musical é aplaudido por estrelas Longa Jornada Noite Adentro é aplaudida por famosos Marina Sena fala do 2º álbum Orgulho LGBT+ 5 peças em São Paulo Parada do Orgulho LGBT+ bate recorde com 4 milhões de pessoas