“Políticos não têm coração”, diz cantora argentina Sofía Viola no Brasil

A cantora argentina Sofía Viola, que faz três shows em São Paulo, dos quais dois são grátis – Foto: Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Um dos nomes mais potentes surgidos recentemente na cena musical alternativa de Buenos Aires, a cantora argentina Sofía Viola retorna a São Paulo, onde se apresentou pela primeira vez em 2016, para fazer três shows nos próximos dias, dos quais dois são gratuitos.

Acompanhada de seu violão e seu charango, em diálogo intenso com o folclore e o tango do seu país, ela se apresenta no Festival SIM São Paulo 2018.

Toca nesta sexta (7), na Noite Crua e Nua da Casa Clube Rosa Flamingo (r. Vargem do Cedro, 140, Perdizes, R$ 15). Já no sábado (8), se apresenta às 14h30, no show A Argentina É Delas, no Centro Cultural São Paulo (r. Vergueiro, 1.000, Grátis). A turnê brasileira se encerra no domingo (9), às 16h, no Palco Aberto do Sesi (av. Paulsita, 1.313, Grátis).

Trilhando pelo mundo com sua música que já lhe rendeu cinco discos independentes, Sofía Viola conversou com o Blog do Arcanjo no UOL nesta entrevista exclusiva, na qual fala de sua música, seu perambular pelo mundo e ainda comenta como enxerga a atual situação política no Brasil, na Argentina e na América Latina como um todo: “Políticos não têm coração”, define.

Leia com toda a calma do mundo.

Miguel Arcanjo Prado – Conheci sua música quando fez um show intimista no alto do Edifício Martinelli em 2016, quando você tocou acompanhada de seu violão em uma noite fria com a cidade ao fundo. Como é voltar agora para fazer três diferentes apresentações?
Sofía Viola –
Adoro voltar a lugares onde semeei minha cação. Isto de ser cantora errante me tem trabalhando e passeando por todos os lados e me parece maravilhoso apresentar-me com minhas canções novas. Trago muito para compartilhar.

Miguel Arcanjo Prado – Você toca na avenida Paulista aberta neste domingo, que seria algo igual à avenida Correntes aberta para pedestres em Buenos Aires. O que está preparando para este show popular?
Sofía Viola – Não preparo muito meus shows, gosto que o lugar me sugira o repertório. Possivelmente, cantarei canções de todos os meus discos e canções inéditas.

Miguel Arcanjo Prado – Como você define a música que faz?
Sofía Viola – Defino meu trabalho como canção popular, canção latino-americana, mas sinto influências que vão além do continente latino-americano. Por isso, não posso definir. Poderia etiquetá-la como música do mundo.

Leia também: Festival Mucho! traz estrelas da música latina a SP

Miguel Arcanjo Prado – Quem são seus referentes na música?
Sofía Viola – Minha referente número um é a infinita Violeta Parra; el Chango Rodríguez também (não é tão conhecido, mas me parece um dos melhores folcloristas do meu país). E, hoje em dia, tenho referentes contemporâneos, colegas que admiro muitíssimo como José Luis Aguirre, Evelyn Cornejo, Maxi Prietto, Los Bichunos, Luciana Jury, só para nomear alguns.

Cantora argentina que perambula pelo mundo com seu violão, Sofía Viola diz que faz “música do mundo” – Foto: Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Miguel Arcanjo Prado – Qual é sua relação com o Brasil e a música brasileira? O que você escuta e gosta?
Sofía Viola – Quando criança, soava um compilado de música brasileira que adorava. A música do Brasil sempre me acompanhou. Maravilhas brasileiras para mim são Caetano Veloso, Chico Buarque, Vinicius de Moraes, Os Mutantes, Milton Nascimento… Tom Zé é dos meus preferidos, Cartola… A música do Brasil é amada no mundo, tem um encanto distinto, grandes letristas e músicos alucinantes. Sinto que conheço muito pouco. É um país grandes e sua música deve ser igual, difícil de se conhecer em sua totalidade.

Miguel Arcanjo Prado – Fito Páez [ícone do rock argentino] veio ao Brasil esta semana também. Agora, você. O que acha de fazer parte de uma onda argentina neste dezembro?
Sofía Viola – Mas além dos tangos e do folclore argentino que ando trazendo comigo, não me sinto tão identificada com a cultura musical do meu país. Venho viajando há muito tempo; esse nomadismo de trabalho me leva a todas as partes e é bonito passar pelo Brasil sempre.

Leia também: Fito Páez levanta SP com amor e rock

Miguel Arcanjo Prado – Qual sua opinião sobre a atual situação política brasileira? Você acompanhou noticias das eleições? E no seu país, a Argentina, gosta de como estão as coisas agora?
Sofía Viola – Sinto uma profunda pena com respeito às políticas que são maioria em nosso continente agora. É muito delicado o assunto, porque parece que a gente está sendo manipulada pelos meios de comunicação e as merdas que eles nos vendem. É espantosa essa falsa democracia, os políticos não têm coração e os interesses deles sobrepassam as necessidades básicas do povo. É um espanto o que estão fazendo ao mundo com essas políticas neoliberais e militares. As notícias do meu país me angustiam, não posso crer como o povo se deixa enganar e cai em um automatismo na hora de votar ou pensar. Não quero estar no meu país, me sinto esgotada da maldade e da ignorância dos governantes, não acredito em nada deles e só fazem as coisas mal. Não sei como isso vai terminar, mas não vejo um bom fim. Cresci e vi crescer o meu país com as políticas populistas, agora vejo como saqueiam e arruínam tudo que foi construído. Parece um pesadelo, tudo se repete estupidamente: perseguição midiática, censura, militares, etc. A humanidade é preguiçosa na hora de evoluir. O individualismo que semearam nos separa cada dia mais, mas também existe a resistência e a autonomia que nos hão de librar desse sistema opressor e mercantilista.

Leia também: Fito Páez promete perguntar a Caetano sobre fake news

Siga Miguel Arcanjo Prado 

“Parece um pesadelo”, diz Sofía Viola sobre situação política atual na América Latina: cantora argentina faz três shows em São Paulo – Foto: Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Please follow and like us:
Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Arlete Salles brilha no Teatro das Artes Surra de estilo: Prêmio Bibi Ferreira 2022 Grammy Latino 2022: Veja brasileiros indicados! Travessia estreia em 10 de outubro na Globo