Após Caetano, Gilberto Gil faz tributo ao amigo assassinado Môa do Katendê

Môa do Katendê ao lado de Gilberto Gil: homenagem ao amigo assassinado por ter opinião política – Foto: Reprodução – Instagram @gilbertogil – Blog do Arcanjo – UOL

O cantor e compositor baiano Gilberto Gil prestou homenagem para Môa do Katendê, seu amigo e fundador do histórico bloco afro Afoxé Badauê em Salvador. Katendê foi assassinado de forma covarde e brutal com 12 facadas nas costas, após criticar o candidato que ficou em primeiro lugar na corrida à Presidência no primeiro turno por um apoiador deste político em Salvador.

“Mestre Moa do Katendê foi morto ontem, em Salvador, por um homem tomado de fúria assassina em meio a uma discussão sobre as eleições que acabavam de acontecer. Com ele um sobrinho seu que se encontra num hospital em estado grave. Ele, homem de dedicada atuação entre as comunidades da cultura popular da cidade, foi o idealizador do bloco Afoxé Badauê que encantou os carnavais de rua da Bahia, alguns anos atrás. Torna-se uma das primeiras vítimas fatais dessa devastadora onda de ódio e intolerância que nos assalta nesses dias de hoje. Nosso luto e nossa esperança de que a sua imolação não tenho sido em vão e que nos ajude a encontrar a pacificação logo ali adiante!”, pediu Gilberto Gil, que gravou a canção “Afoxé Badauê” em homenagem ao bloco fundado por Môa do Katendê no fim dos anos 1970 em Salvador.

Além de Gil, Caetano Veloso também prestou tributo a Môa do Katendê, de quem gravou a música “Badauê” no disco “Cinema Transcendental”.

Visualizar esta foto no Instagram.

“Mestre Moa do Catendê foi morto ontem, em Salvador, por um homem tomado de fúria assassina em meio a uma discussão sobre as eleições que acabavam de acontecer. Com ele um sobrinho seu que se encontra num hospital em estado grave. Ele, homem de dedicada atuação entre as comunidades da cultura popular da cidade, foi o idealizador do bloco Afoxé Badauê que encantou os carnavais de rua da Bahia, alguns anos atrás. Torna-se uma das primeiras vítimas fatais dessa devastadora onda de ódio e intolerância que nos assalta nesses dias de hoje. Nosso luto e nossa esperança de que a sua imolação não tenho sido em vão e que nos ajude a encontrar a pacificação logo ali adiante!" #GilbertoGil

Uma publicação compartilhada por Gilberto Gil (@gilbertogil) em

Please follow and like us:
Morre pai do Padre Marcelo: “Até a eternidade” Colplay cancela shows no Brasil por doença de Chris Martin Marilyn Monroe, Blonde: Curiosidades do filme Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Arlete Salles brilha no Teatro das Artes