Atriz trans é premiada em Tiradentes: veja os ganhadores

Julia Katharine recebe o Troféu Helena Ignez em Tiradentes das mãos da própria Helena Ignez – Foto: Beto Staino/Universo Produção/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado
Enviado especial a Tiradentes (MG)*

A atriz transexual Julia Katharine, roteirista e protagonista do filme “Lembro Mais dos Corvos”, de Gustavo Vinagre, levou o Prêmio Helena Ignez 2018 na 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes, no encerramento do festival, neste sábado (27). O prêmio foi entregue pela própria atriz e cineasta Helena Ignez, ícone do cinema brasileiro e homenageada pelo festival em 2017.

O prêmio é oferecido pelo Júri da Crítica a um destaque feminino em qualquer função nos filmes das mostras Aurora e Foco. Julia se emocionou ao subir ao palco para receber a honraria e dedicou o troféu a todas as mulheres que lutam por seu espaço na vida e no trabalho.

A premiação de Julia Katharine é emblemática, sobretudo neste momento em que as artes no país vivem efervescente discussão sobre a representatividade trans, com o movimento TransFake, que reivindica que personagens transexuais nas artes sejam representados apenas por atores e atrizes trans, capitaneado pela Monart (Movimento Nacional de Artistas Trans).

Equipe do filme mineiro “Baixo Centro” celebra o Troféu Barroco em Tiradentes – Foto: Beto Staino/Universo Produção/Divulgação

O longa-metragem mineiro “Baixo Centro”, de Ewerton Belico e Samuel Marotta, ganhou o Troféu Barroco de melhor filme do Júri da Crítica da Mostra Aurora.

No palco, a dupla de cineastas agradeceu a toda a equipe e aproveitou a ocasião para ler uma carta da Associação de Trabalhadoras e Trabalhadores do Cinema Independente de Minas Gerais.

O texto solicita ao governo do estado uma maior participação da classe audiovisual nos processos de elaboração de editais de financiamento e distribuição de verba para produção.

“Entendemos que tais transformações só serão possíveis com um instrumento permanente, regulado por lei e criado com a participação de toda a sociedade. Acreditamos que o maior desafio do Brasil atual é devolver ao povo o seu poder de participação”, discursou Ewerton Belico.

A vitória de “Baixo Centro” marca o segundo ano consecutivo de um filme mineiro premiado pelo Júri da Crítica da Mostra Aurora. Em 2017, “Baronesa”, de Juliana Antunes, ganhou o Troféu Barroco. Minas tem sido um estado constantemente reconhecido na Mostra, com prêmios para “Os Residentes” (2011) e “A Vizinhança do Tigre” (2014).

Premiados na 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Beto Staino/Universo Produção/Divulgação

Pela Mostra Foco, o Júri da Crítica escolheu o curta-metragem “Calma”, produção do Rio de Janeiro dirigida por Rafael Simões. O Prêmio Aquisição Canal Brasil, que oferece R$ 15 mil a um curta também da Foco, foi para “Estamos Todos Aqui” (SP), de Chico Santos e Rafael Mellim.

Na Mostra Olhos Livres, o Júri Jovem escolheu o filme paulista “Inaudito”, de Gregorio Gananian. O diretor agradeceu o reconhecimento especialmente ao músico Lanny Gordin, que ele documenta no filme, apontando-o como um nome de vanguarda na produção musical brasileira.

O Júri Popular escolheu o curta-metragem mineiro “A Retirada para um Coração Bruto”, de Marco Antônio Pereira, e o longa “Escolas em Luta”, documentário paulista de Eduardo Consonni, Rodrigo T. Marques e Tiago Tambelli.

O músico Sérgio Pererê se apresenta no encerramento de Tiradentes – Foto: Beto Staino/Universo Produção/Divulgação

A 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes durou nove dias e exibiu gratuitamente 102 filmes brasileiros na cidade histórica mineira. O público final foi de 35 mil pessoas.

O filme que encerrou a mostra foi o paulistano “A Garota de Calendário”, de Helena Ignez. A noite ainda contou com performance do músico Sérgio Pererê.

O festival foi aberto com “Café com Canela”, filme baiano de Ary Rosa e Glenda Nicário. O homenageado desta edição foi o ator Babu Santana.

Veja a lista completa dos filmes premiados na 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes:

Equipe do filme “Escolas em Luta” Tiradentes – Foto: Beto Staino/Universo Produção/Divulgação

– Melhor longa-metragem Júri Popular: “Escolas em Luta” (MG), de Eduardo Consonni, Rodrigo T. Marques e Tiago Tambelli
Troféu Barroco; Da Mistika: R$ 20 mil em serviços de finalização

Marco Antônio Pereira recebe o prêmio por “A Retirada de Um Coração Bruto” Tiradentes – Foto: Beto Staino/Universo Produção/Divulgação

– Melhor curta-metragem Júri Popular: “A Retirada para um Coração Bruto” (MG), de Marco Antônio Pereira
Troféu Barroco;
Da Ciario: R$ 5 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Moviecenter;
Do CTav: 20 horas de mixagem e empréstimo de câmera por duas semanas;
Da Mistika: R$ 6 mil em serviços de finalização

Equipe do filme “Calma” Tiradentes – Foto: Leo Lara/Universo Produção/Divulgação

– Melhor curta-metragem pelo Júri da Crítica, Mostra Foco: “Calma” (RJ), de Rafael Simões
Troféu Barroco;
Da Ciario: R$ 5 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Moviecenter;
Do CTav: 20 horas de mixagem e empréstimo de câmera por duas semanas;
Da DOT Cine: duas diárias de correção de cor e máster DCP para curta de até 20 minutos;
ETC Filmes: Serviço completo de acessibilidade – legenda descritiva, audiodescrição e Libras para um longa de até 20 minutos.

Equipe do filme “Inaudito” – Tiradentes – Foto: Beto Staino/Universo Produção/Divulgação

– Melhor longa-metragem pelo Júri Jovem, da Mostra Olhos Livres: Prêmio Carlos Reichenbach
Inaudito (SP), de Gregorio Gananian.
Troféu Barroco;
Da Ciario: R$ 10 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Moviecenter;
Da O2 Pós: R$ 15 mil em pós-produção
Da Dotcine: máster DCP para longa de até 120 minutos

Equipe do filme “Baixo Centro” – Foto: Jackson Romanelli/Universo Produção/Divulgação

– Melhor longa-metragem da Mostra Aurora, pelo Júri da Crítica: “Baixo Centro” (MG), de Ewerton Belico e Samuel Marotta.
Troféu Barroco;
Da Ciario: R$ 10 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Moviecenter;
ETC Filmes: Serviço completo de acessibilidade – legenda descritiva, audiodescrição e Libras para um longa de até 100 minutos
Da O2 Pós: R$ 15 mil em pós-produção
Da Dotcine: máster DCP para longa de até 120 minutos

A atriz transexual Julia Katharine, que levou o Prêmio Helena Ignez – Tiradentes – Foto: Leo Lara/Universo Produção/Divulgação

– Prêmio Helena Ignez para destaque feminino: Julia Katharine, roteirista e atriz de “Lembro Mais dos Corvos” (SP).

Equipe de “Estamos Todos Aqui” Tiradentes – Foto: Leo Lara/Universo Produção/Divulgação

– Prêmio Aquisição Canal Brasil: “Estamos Todos Aqui” (SP), de Chico Santos e Rafael Mellim.

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes.

Siga Miguel Arcanjo no Instagram
Curta Miguel Arcanjo no Facebook
Siga Miguel Arcanjo no Twitter

Please follow and like us:
Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Arlete Salles brilha no Teatro das Artes Surra de estilo: Prêmio Bibi Ferreira 2022 Grammy Latino 2022: Veja brasileiros indicados! Travessia estreia em 10 de outubro na Globo