Reconheçam o valor de Denise Assunção, pede Zé Celso

Denise Assunção como a Madame de “As Criadas” – Foto: Jorge Etecheber/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado
Fotos Bob Sousa

Após a publicação da crítica deste colunista para a peça “As Criadas”, dirigida pelo polonês Radosław Rychcik, ressaltando o destaque da atriz Denise Assunção na obra que encerrou temporada neste domingo (13) no Sesc Santana, em São Paulo, e também da crítica de Viviane Angélica Pistache e do Retrato do Bob com a atriz, o diretor José Celso Martinez Corrêa, o Zé Celso, enviou a mensagem abaixo, que pediu que fosse divulgada aqui no Blog do Arcanjo do UOL.

Leia também: 
Miguel Arcanjo: Público torce por patroa negra contra empregadas brancas
Viviane Angélica: Madame negra causa terremoto social em “As Criadas”
Retrato do Bob: Patroa, Denise Assunção rouba a cena em “As Criadas”

Apesar do destaque na peça, na qual é a Madame negra que entra em embate com as duas criadas brancas vividas por Magali Biff e Bete Coelho, fazendo o público torcer pela patroa na versão inovadora para o texto clássico de Jean Genet, Denise Assunção enfrenta atualmente graves problemas financeiros, inclusive não tendo onde morar. Está vivendo de favor no apartamento de uma amiga atriz, que precisará deixar no fim de agosto, ainda sem destino certo.

Ela quase fez a mesma personagem no começo dos anos 1990, mas, segundo a própria contou a este colunista, perdeu o papel antes da estreia para Raul Cortez. Na época, segundo seu relato, ela conta que chegou a ouvir de Catherine Hirsch que a sociedade brasileira ainda não estaria preparado para uma patroa negra no texto clássico. Quase 30 anos depois, Denise pôde, finalmente, assumir sua Madame nos palcos. E roubou a cena.

Zé Celso, que foi ver “As Criadas”, reitera o talento da cantora e atriz e pede que todos invistam na atriz, dizendo que “nenhuma atriz-cantora dos musicais enlatados da Broadway chegam aos pés de Denise Assunção”.

Leia o texto enviado por Zé Celso na íntegra. Foi mantida a forma de escrita do diretor do Teat(r)o Oficina:

“Amado Miguel Arcanjo,

Não foi preciso um diretor polonês para revelar a Grande Atriz Cantora Denise Assunção no papel da Madame de Jean Genet.

Esta mesma peça foi ensaiada primeiramente com Marcelo Drummond – Clara / Vera Barreto Leite- Solange y com Denise Assunção como MADAME.

Não conseguimos produzir a peça.

Só quando Raul Cortez quis fazer Madame a convite das Empregadinhas: Marcelo Drummond: Clara y eu Solange conseguimos o aval dado pela Celebridade d’Ele, pra produzirmos y estrearmos a peça de Genet, com o nome de As Boas, no Aquário do Centro Cultural São Paulo.

Quando Raul saiu do Espetáculo, Denise faria seu papel q já tinha ensaiado, justamente, o de MADAME.

Mas não conseguimos dinheiro pra pagar Denise.

Então entrei eu em Cena de Madame.

Denise Assunção teve atuações brilhantes no Oficina Uzyna Uzona: em Ham-Let fazendo a Rainha Hecuba, Rozencrantz, a Rainha do Teatro em q tive o privilégio de contracenar com Ela cantando também, no papel de Rei do Teatro y Extasiante como “O Coveiro” com Pascoal Conceição, seu Colega também Coveiro, enterrando Ofélia; arrasou protagonizando Agave em Bacantes, um dos papéis mais intensos da História Mundial do Teatro.

Tive o prazer de compor para a Voz Fenômeno d’Ela, as Músicas de Bacantes. Aliás ela escreveu esta peça com o Núcleo do Oficina. Cantou a Mãe Coragem de Brecht em Cacilda! y na mesma peça interpretou nada mais nada menos q Tonia Carrero; Libertas a dona da Chácara do Bixiga na nossa Montagem de Os Sertões de Euclides da Cunha; a Puta Lulu Titica em Mistérios Gozosos de Oswald d Andrade;
fez o Mestre da Barca de São Pedro numa histórica leitura de “O Homem e o Cavalo”, Obra Prima de Oswald lida y encenada no Teatro Sergio Cardoso, de Oswald, em 1985 com um Elenco All Star de todo Teatro Brasileiro: 150 Artistas.

Denise no Brasil atual canta tanto quanto a também Fenomenal Elza Soares.

Poderiam fazer um Disco y um Show de Enorme Sucesso Juntas!

Pra mim foi y será sempre Inspiradora das Óperas de Carnaval do Oficina Uzyna Uzona.

Fez com o diretor alemão Frank Castorf : “O Anjo Negro”, de Nelson Rodrigues.

Ela adorava Grace Jones mas sinto q por ser além de Cantora uma Atriz Extraordinária, q me comove muito mais q a Grace.

Escrevo este texto pra você Miguel por q acho q chegou o momento do Brasil y o Mundo reconhecerem esta Mulher Fabulosa Atriz y Cantora. Não há nenhuma Atriz Cantora nos Musicais Enlatados da Broadway q chegue a seus pés.

Ontem depois q vi As Criadas, Ela ligou pra mim, pedindo q eu abençoasse sua Carreira! Imagina!!!!!!!!

Mas com a autoridade q me dá meus quase 60 anos vivendo Teatro, cá dos dos meus 80 completados este ano, declaro q o Brasil, sobretudo o dos 5% d bilionários q apoiam os Golpistas no Poder, é o país mais escroto do mundo com seus Artistas q não fazem novela na Globo.

Quem sou eu pra abençoar .

Mas ELA me pediu, eu peço então mais q isso pra esta Grande Artista: q reconheçam o VALOR INCOMENSURÁVEL DESTE TESOURO HUMANO.

y q nossos colegas GRANDE ARTISTAS q conseguiram Poder Financeiro q dirijam seus produtores pra q invistam já no próximo Show q Ela quer fazer.

POR Q O PÚBLICO: AMA ESTA MULHER EM CENA.

ELA TEM EM SI O INCONSCIENTE MATERIALIZADO DOS GRANDES ARTISTAS, FARÓIS DAS TRANSFIGURAÇÕES Q O BRASIL Y O MUNDO PRECIZAM JÁ. AGÓRA.

Zé Celso
Artista Orgulhoso do Teatro Oficina Uzyna Uzona”

Zé Celso – Foto: Bob Sousa

 


Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Please follow and like us:
Vingança, O Musical é aplaudido por estrelas Longa Jornada Noite Adentro é aplaudida por famosos Marina Sena fala do 2º álbum Orgulho LGBT+ 5 peças em São Paulo Parada do Orgulho LGBT+ bate recorde com 4 milhões de pessoas