Musical sobre Cartola busca atores negros para seu elenco

Cartola (1908-1980) - Foto: Cynthia Brito/Divulgação

Cartola (1908-1980) – Foto: Cynthia Brito/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

O musical “Cartola – O Mundo É um Moinho”, sobre a vida do lendário sambista da Mangueira, está em busca de atores negros para seu elenco. As audições já foram marcadas para acontecer entre 26 a 29 de maio, no Itaú Cultural (av. Paulista, 149), em São Paulo. Segundo a produção, “atores negros comporão a quase totalidade do conjunto de intérpretes”.

Serão avaliados atrizes entre 20 e 50 anos e atores entre 20 e 70 anos. Os interessados devem mandar currículo, foto e áudio para o seguinte e-mail: producao@musicalcartola.com.br. É preciso aguardar a resposta para participar das audições.

A previsão de estreia do musical é para setembro deste ano, no Teatro Sérgio Cardoso. No mesmo mês, também ocorre a “Ocupação Cartola”, uma grande exposição sobre a trajetória do artista, no Itaú Cultural, e que faz parte das comemorações dos cem anos do samba.

O projeto do musical tem idealização de Jô Santana e direção de Roberto Lage, com dramaturgia de Artur Xexéo, direção musical de Rildo Hora e produção da Fato Produções. Nilcemar Nogueira, neta de Cartola e diretora do Museu do Samba, no Rio, assina a pesquisa. A previsão é que, depois de dois meses em cartaz na capital paulista, o musical “Cartola – O Mundo É um Moinho” siga para o Rio de Janeiro.

Agenor de Oliveira, o Cartola, nasceu no Rio, em 1908 e morreu na mesma cidade em 1980. É um dos fundadores da Estação Primeira de Mangueira e compôs clássicos como “As Rosas Não Falam” e “O Mundo É um Moinho”, que dá nome ao musical.

Fundador da Mangueira, Cartola é um dos grandes sambistas da MPB - Foto: Funarte/Divulgação

Fundador da Mangueira, Cartola é um dos grandes sambistas da MPB – Foto: Funarte/Divulgação

Please follow and like us:
Jô Soares sofre censura após morte Diário de Pilar na Grécia faz temporada no Teatro das Artes em SP O Deus de Spinoza estreia no Teatro Itália Bandeirantes Teatro nos Parques percorre SP e Brasil ‘Se fosse homem, teria mais visibilidade’, diz Eloisa Vitz