Crítica: Edgar apresenta homem perdido, sem rumo

Ricardo Corrêa (à esquerda) vive Edgar: homem perdido em seus devaneios – Foto: Kevin David

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Fazer peça à meia-noite é tarefa árdua. Sobretudo no sábado. É difícil trazer o público, já solto na noite, para dentro da história. Por isso, tal horário, para funcionar, costuma exigir boa pitada de ousadia.

O espetáculo Edgar, do Grupo Eco Teatral, o mesmo de Sala de Espera, tenta a façanha no horário chamado de maldito. Encerra temporada no próximo sábado (31), à meia-noite, no Espaço dos Parlapatões, na praça Roosevelt, centro de São Paulo.

A obra é baseada em textos de Samuel Beckett, ícone do teatro do absurdo. O autor foi um dos últimos suspiros do modernismo, em seu afã de criar uma nova cultura. E precursor do pós-modernismo que nos tirou as bases de tudo.

O enredo conta a história de um homem que sofre uma enxaqueca terrível que não passa. Para conseguir sobreviver, precisa ser lobotomizado em uma mesa cirúrgica — apresentada em cena sem metáfora sobreposta.

O elenco, encabeçado por Ricardo Corrêa no papel-título, é talentoso e demonstra coerência com a proposta de encenação. Há trabalho, isso é evidente. Mas, o tom muitas vezes infantil imposto aos atores faz a peça perder força. Seria interessante ver as mesmas frases ditas sem tanto maneirismo. Talvez ganhassem mais peso.

A metáfora do inconformismo do homem moderno está presente. O vazio do palco, onde os atores estão em foco desprovidos de cenografia, representa esse sentimento de inquietação constante e não aceitação do tradicional. É uma briga cerebral tudo que se vê. Uma luta sem fim de tentativa de resistência ao sistema.

Ricardo Corrêa e Roberto Rezende em performance da peça Edgar – Foto: Tico Dias

Se consegue explicitar o sentimento presente na era moderna, a montagem, para dialogar melhor com os tempos atuais, poderia ter ressignificado o texto, tentando aproximá-lo do presente, trazendo para a encenação elementos da contemporaneidade. Uma timeline de Facebook atualizada constantemente por alguém frente a um celular ou computador não é um exemplo de lobotomia dos tempos de hoje?

É por não explicitar mais o seu tempo no palco que, muitas vezes, a direção de Thiago Franco Balieiro soa por demais formal e literal nas imagens sugeridas pelo texto. Falta ousadia.

Apesar de ser pungente, o discurso da obra já é sabido; não representa novidade. Sobretudo para quem frequenta a sessão maldita no Espaço dos Parlapatões. Gente já descolada há muito tempo na vida; e que talvez colecione expulsões do sistema.

Os espectadores estão fartos de saber que está tudo ficando insuportável. Nisso não há novidade. Nem que o mergulho cerebral em algum tipo de alívio muitas vezes soa como necessidade gritante.

Por isso, uma boa dose de deboche teria feito bem a Edgar. Porque, quanto tudo se anuvia em um tradicionalismo que coloca as manguinhas de fora, é preciso reinventar os cânones e rir deles.

Edgar
Avaliação: Regular
Quando: Sábado, à meia-noite. 60 min. Até 31/5/2014
Onde: Espaço dos Parlapatões (pça. Roosevelt, 158, metrô República, São Paulo, tel. 0/xx/11 3258-4449)
Quanto: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada)
Classificação etária: 14 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Please follow and like us:

2 Resultados

  1. Phillipe disse:

    O homem moderno está perdido mesmo, em múltiplos sentidos. Daí porque esse tipo de temática anda soando como “mais do mesmo”. Mas desejo boa sorte a essa galera, até pela disposição de encenar nesse horário!

    • Miguel Arcanjo Prado disse:

      Phillipe, é isso aí. A galera é cheia de garra. E vai se superando com o tempo. Abraços!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso