Crítica | Cães de Rua é um retrato cru de uma geração à deriva ✪✪✪

A atriz Marci Taques, um dos destaques do elenco de Cães de Rua, de Patrícia Vilela e Cola Atores – Foto: Annelize Tozetto – Blog do Arcanjo

Cães de Rua
Avaliação: Bom ✪✪✪
Crítica por Miguel Arcanjo Prado

O mundo contemporâneo está em constante ebulição, sobretudo quando o assunto são identidades, visões políticas e uma diferente percepção das novas gerações sobre a opressão ao seu redor.

A dramaturga estreante e diretora longeva Patrícia Vilela conseguiu capturar no espetáculo Cães de Rua uma epécie de zeitgeist, ou espírito deste tempo em em que vivemos. A atriz gaúcha tem trabalhos relevantes na história do teatro brasileiro contemporâneo e também com presença premiada no cinema e na TV.

O espetáculo vem cumprindo temporada de sucesso aos domingos, 18h, na SP Escola de Teatro da Praça Roosevelt, no centro paulistano, onde caminha para sua reta final.

É bem capaz que essa percepção que a artista condensou em sua obra seja fruto de sua vivência direta e efervescente com o mundo artístsico e, sobretudo, com os jovens, já que ela é renomada professora de teatro, tendo lapidado inúmeros talentos na Escola de Atores Wolf Maya, e agora também em sua Cola Atores. É com seu grupo que realiza este espetáculo, exemplo do seu olhar generoso ao outro em tão delicado ofício.

Francine Mello é destaque em Cães de Rua ao imprimir poesia à dor e fragilidade de sua personagem – Foto: Annelize Tozetto – Blog do Arcanjo

Ajudam a instaurar o clima de desabafos que culminam em confronto a trilha assinada pela autora e diretora e traz beleza à cena o figurino propositivo de Rosângela Ribeiro, também responsável pelo visagismo e sutil cenografia. A encenação conta ainda com participação especial de Marcelo Tas, com sua inconfundível voz em off, e com elegante arte gráfica de Emerson Brandt.

A direção de Vilela, com assistência de Karina Kiss, coloca público e atores em um mesmo plano, com todos participando de uma grande roda de terapia coletiva, na qual os problemas vão se desabrochando e convergindo para uma situação limite de tensão ao final da obra.

Mas, antes de tudo, trata-se de uma peça de atores, no qual todos os olhares convergem para a atuação.

Pablo Perosa: dosagem sob medida de seu frio personagem em Cães de Rua – Foto: Annelize Tozetto – Blog do Arcanjo

O espetáculo conta com elenco dedicado e de perceptível e real presença. É evidente a gana e a garra desses artistas. São eles Silvio Eduardo — ator que retorna à praça Roosevelt, onde marcou história por anos em peças emblemáticas da Cia. de Teatro Os Satyros, como Os 120 Dias de Sodoma, de Marquês de Sade —, Carolina Cardinale, Fabiano Issas, Fabiano Oliver — comovente com o preterimento que seu personagem sofre —, Francine Mello — que imprime poesia à dor de sua frágil personagem —, Guilherme Lage, Karina Kiss, Luana Zaparoli, Marci Taques — com uma atuação deliciosamente debochada que se destaca no conjunto —, Mike Albuquerque, Pablo Perosa — com a dosagem sob medida de seu frio personagem —, Pamela Otero — com uma atuação precisa e segura — ,Vera Campos e Junia Haliski.

Este conjunto forma um time de diferentes matizes, mas que cumpre bem a função de, juntos, funcionarem como uma metáfora polifônica de uma geração à deriva em um mundo tão complicado.

Cães de Rua
Avaliação: Bom ✪✪✪
Crítica por Miguel Arcanjo Prado

Domingos, 18h, na SP Escola de Teatro (Praça Roosevelt, 210)
Retire seu ingresso!

Fabiano Oliver comove o público com o preterimento cotidiano de seu personagem em Cães de Rua – Foto: Annelize Tozetto – Blog do Arcanjo

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

Um dos mais influentes e respeitados jornalistas e críticos culturais do Brasil, Miguel Arcanjo Prado dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. É mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação Social pela UFMG e crítico da APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, da qual foi vice-presidente. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo. Foi eleito entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se e Prêmio Governador do Estado de São Paulo. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Contigo, Superinteressante, Band, Gazeta, UOL, Uma, Rede TV!, TV UFMG e O Pasquim 21. É jurado das premiações Prêmio Arcanjo, Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Digital, Melhores do Ano Guia da Folha, Prêmios ANCEC e Prêmio Canal Brasil de Curtas. É vencedor do Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã e Prêmio África Brasil.
Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento e Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Morre pai do Padre Marcelo: “Até a eternidade” Colplay cancela shows no Brasil por doença de Chris Martin Marilyn Monroe, Blonde: Curiosidades do filme Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Arlete Salles brilha no Teatro das Artes