Selim Nigri celebra sucesso de sua volta ao teatro após 35 anos com a peça Tradutor de Silêncios

Por Michele Marreira
@michelemarreira
Fotos Rafa Marques

@rafamarquesfotografo_jpg
Colaboração para o Blog do Arcanjo

A noite desta sexta-feira, 13 de maio, ficará eternizada no coração do ator Selim Nigri. Após 35 anos distante dos palcos, o artista pôde finalmente sentir o frescor da plateia que compareceu em peso à estreia de sua peça Tradutor de Silêncios, que ocorreu no Espaço Cultural Rudolf Steiner, em Santo Amaro, região sul da capital paulista. O Blog do Arcanjo esteve presente no evento com exclusividade.  

Selim Nigri em Tradutor de Silêncios, peça que marca sua volta aos palcos após 35 anos – Foto: Rafa Marques – Blog do Arcanjo

A montagem traz uma pequena coletânea de poemas e contos do autor moçambicano Mia Couto, expoente da literatura africana, já traduzida para mais de 24 países no mundo inteiro. Os contos abordam temas contemporâneos como as relações humanas, o racismo e o machismo.

“Há uns seis anos eu tive acesso à literatura do Mia Couto, por meio dos textos dele. Eu começava a dobrar as páginas dos livros, das poesias que eu gostava. Tempos depois eu percebi que o volume estava grande. E agora, o que fazer? Nessa época eu era diretor executivo deste centro cultural e decidi montar uma peça. Sobrou muita coisa desse conteúdo! Pode ser que tenha Tradutor de Silêncio 2, 3, 4… Esses que foram escolhidos tem um tom especial. A palavra silêncio é bem presente nos vários textos que compõe o espetáculo. E a questão de vida e morte também está presente o tempo inteiro”, destaca Selim Nigri.   

Após 35 anos longe dos tablados, Selim Nigri volta ao teatro com a peça Tradutor de Silêncios – Foto: Rafa Marques – Blog do Arcanjo

Dos palcos para o universo corporativo

Selim Nigri é Engenheiro de Produção formado pela UFRJ, com especialização em Marketing, Teatro, Aconselhamento Biográfico, Terapia Artística e Coaching (Co-Active Coaching, CTI, EUA).

Atualmente é um dos mais competentes e bem sucedidos consultores empresariais do país. Contudo, a paixão ardente pelas artes dramáticas o consome desde as décadas 1980 e 1990. Ele, que já trabalhou com diretores renomados do meio artístico, à época decidiu trocar o tablado pelo universo corporativo.

Voltar ao teatro é reviver uma série de emoções que deixei há 35 anos. Na época, eu queria minha independência financeira, me sustentar adequadamente. Naquele momento, eu não encontrava no teatro uma manifestação que pudesse me dar essa segurança. Agora, aos 58 anos, eu me vi na possibilidade de retomar esse sonho, que não envelheceu, pois desde criança eu navego pela arte.

Selim Nigri
ator

O desafio do roteiro coube ao ator e diretor Marco Miranda para que o texto trouxesse as reflexões com leveza e humor.

A proposta de fazer esse espetáculo com textos, poemas e contos de Mia Couto veio do Selim. Quando ele me fez a proposta fiquei muito surpreso pelo tamanho do desafio. É um dos autores mais badalados da atualidade. No decorrer dos ensaios, percebemos que os personagens do espetáculo iam se fazendo naturalmente. As histórias são tão fantásticas que eles mesmos foram se conduzindo.

Marco Miranda
diretor

Cenário e figurino levam assinatura de Augusto Pessôa, amigo de Selim desde os tempos de teatro.

O cenário é uma ambientação das memórias do personagem. Tentei fazer algo com muita leveza a partir do texto do Mia Couto. A interpretação do Selim Nigri junto à direção do Marco Miranda também trazem essa sutileza, atrelado ao simples, que resulta em um requinte muito grande.

Augusto Pessôa
cenógrafo

Já a música da montagem é assinada por Bruno Gomes, produção de Aline de Moraes e produção executiva de Marcelo Tomé. “As pessoas dizem que sou muito corajoso por retomar esse espaço do palco. Ao mesmo tempo, eu veio atuando como consultor, então sempre tem um pouco desse palco, mas não o palco teatral”, pondera Selim.

Noite de celebração

O evento foi marcado por uma atmosfera festiva – e não é para menos – com a presença de amigos, familiares e equipe técnica do projeto, que ao final da sessão, recebeu uma calorosa chuva de aplausos pela apresentação de Selim Nigri nesta sua retomada à cena cultural.

Vale ressaltar que sua vasta experiência há mais de 30 anos no mundo corporativo, fez com que ele tivesse reconhecimento profissional. Ao longo das décadas também esteve em palcos corporativos e educacionais, na condução de processos de desenvolvimento organizacional e de identidade estratégica, formação de consultores, coaching, desenvolvimento, mobilização de times e lideranças.

“Os meus clientes vieram me prestigiar [risos]. Eles querem que eu apresente o espetáculo na empresa. A gente não planejou uma temporada. Trabalhamos o projeto para essas cinco primeiras apresentações. Mas outras coisas já estão surgindo! Hoje eu consigo conciliar, porque adoro também o que faço como consultor, adoro meus clientes e adoro o palco”, diz Selim, com imensa empolgação.

À reportagem, o artista multifacetado explica que nunca se manteve longe das artes em geral.

Eu me satisfazia muito em ver os meus amigos no palco. E tem outras artes nas quais eu também sou fã: sou terapeuta artístico, mexo com pintura, arrisco no piano, fiz um curso de roteiro para cinema. Eu deixei o palco, mas artes não me deixaram. Eu acabei completando essa lacuna me ocupando com outros tipos de artes.

Selim Nigri

Por fim, Selim Nigri demonstra tamanha gratidão ao diretor da peça, Marco Miranda, que o conduziu cenicamente em Tradutor de Silêncios.

“Sem ele não existiria espetáculo. Ele teve uma sensibilidade incrível. Começamos os ensaios virtualmente porque ele está morando fora do país. E ao pegar os textos, ele criou um fio vermelho, criando uma história que amarasse esses contos. Ele teve essa sensibilidade de criar um universo ao redor da obra do Mia Couto. Eu não saberia fazer. Marco é uma pessoa delicada, gentil, paciente. É muito gostoso trabalhar com ele!”, finaliza Selim, com a certeza de que nunca mais se afastará do tablado.

Tradutor de Silêncios

Quando: 13 de maio até 10 de junho de 2022. 13/05: 20h | 15/5: 18h | 27 e 28/05: 20h | 10/6: 20h
Onde: Espaço Cultural Rudolf Steiner – Rua da Fraternidade, 156, Santo Amaro, SP.
Quanto: Grátis – Retire seu ingresso!

Blog do Arcanjo mostra a estreia de Tradutor de Silêncios pelas lentes do fotógrafo Rafa Marques

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

Um dos mais influentes e respeitados jornalistas e críticos culturais do Brasil, Miguel Arcanjo Prado dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. É mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação Social pela UFMG e crítico da APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, da qual foi vice-presidente. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo. Foi eleito entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se e Prêmio Governador do Estado de São Paulo. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Contigo, Superinteressante, Band, Gazeta, UOL, Uma, Rede TV!, TV UFMG e O Pasquim 21. É jurado das premiações Prêmio Arcanjo, Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Digital, Melhores do Ano Guia da Folha, Prêmios ANCEC e Prêmio Canal Brasil de Curtas. É vencedor do Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã e Prêmio África Brasil.
Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento e Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Morre pai do Padre Marcelo: “Até a eternidade” Colplay cancela shows no Brasil por doença de Chris Martin Marilyn Monroe, Blonde: Curiosidades do filme Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Arlete Salles brilha no Teatro das Artes