Crítica | Peça Maria Thereza e Dener recupera com delicadeza história de primeira-dama e estilista icônicos

Thiago Carreira e Angela Dippe em Maria Thereza e Dener: uma aula sensível de história do Brasil – Foto: Priscila Prade/Divulgação – Blog do Arcanjo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

Recuperar a história é fundamental para que não se cometam erros do passado, o que, em se tratando do Brasil, é caso recorrente.

Assim, é louvável o esforço do jornalista Wagner William em contar a vida da primeira-dama mais bela que o Brasil já teve, Maria Thereza Goulart, esposa do presidente João Goulart (1919-1976), eleito democraticamente e cassado pela ditadura civil-militar (1964-1985).

Se o livro já é um trabalho primoroso, o espetáculo que nele se inspira, Maria Thereza e Dener, é para ser visto com cuidado e aplaudido de pé.

De forma sensível, o experiente dramaturgo José Eduardo Vendramini cria um roteiro que navega pela amizade entre a primeira-dama e seu costureiro, no caso o homem que praticamente inventou o conceito da alta costura no Brasil, Dener Pamplona de Abreu (1937-1978).

Angela Dippe e Thiago Carreira brilham na peça Maria Thereza e Dener – Foto: Priscila Prade/Divulgação – Blog do Arcanjo

O artista da moda reinventou a imagem da pacata Maria Thereza Goulart, a alçando ao posto de celebridade internacional ao lado de outra primeira-dama igualmente bela, a norte-americana Jacqueline Kennedy (1929-1994), cujo marido também foi outra vítima da história.

O feito desta montagem foi ter a própria Maria Thereza Goulart na noite histórica de sua estreia, com a primeira-dama deposta emocionada, assistindo detalhes de sua vida diante de seus olhos, na plateia do charmoso Teatro Eva Herz, sob curadoria de André Acioli, onde a peça pode ser vista às quartas e quintas, 20h, até 28 de abril (retire seu ingresso).

O diretor Ricardo Grasson conduz com maestria este encontro de dois personagens icônicos brasileiros e que andavam esquecidos da nossa dramaturgia. Ele ainda assina a cenografia eficiente e sutil, na qual se destaca uma antiga TV com peso de nosso passado.

Angela Dippe como a elegante primeira-dama Maria Thereza Goulart – Foto: Priscila Prade/Divulgação – Blog do Arcanjo

O diretor tem a seu dispor elenco talentoso e entregue para dar vida a estes dois amigos e seus dilemas. Angela Dippe faz uma Maria Thereza Goulart refinada e ao mesmo tempo simples, ainda surpresa com os holofotes advindos de seu casamento com um político que viveu um dos momentos históricos mais dramáticos do Brasil.

Com a segurança de quem é a idealizadora do projeto, a atriz conduz o público por diversos sentimentos, demonstrando domínio absoluto de sua personagem.

Thiago Carreira vive o estilista Dener na peça Maria Thereza e Dener – Foto: Priscila Prade/Divulgação – Blog do Arcanjo

Thiago Carreira constrói um Dener seguro de si, levemente debochado e certeiro dos traços desenhados entre sua tesoura e alfinete, tornando-se rapidamente a âncora solar do espetáculo, com o copo de uísque sempre em punho.

A direção conduz a montagem de forma delicada, fazendo-a navegar entre a leveza glamorosa que o estilista busca imprimir na primeira-dama e o dramático da situação política que vive seu marido e o país, à beira de um golpe de estado.

Os figurinos e adereços de Rosangela Ribeiro respeitam a mescla de comedimento e elegância que Dener desenhou para a primeira-dama, cumprindo sua função histórica, no que ganham reforço do visagismo de época criado por Dicko Lorenzo.

O desenho de som de Chuck Hipolitho e Thiago Guerra também contribuem para as diferentes atmosferas criadas pelo espetáculo, assim como a sutil iluminação de Gabriele Souza.

E é na humanidade destes dois personagens tão fundamentais ao Brasil, do século 20 e de hoje, que mora o trunfo desta peça sucinta e certeira. Maria Thereza Goulart e Dener Pamplona de Abreu ganham reconhecimento merecido neste país ingrato com suas figuras históricas.

O espetáculo Maria Thereza e Dener nos mostra que, mesmo nos mais turbulentos tempos, o bastidor do poder e da história é feito apenas de gente.

Maria Thereza e Dener

Avaliação: Muito Bom ✪✪✪
Crítica por Miguel Arcanjo Prado

Quando e onde ver: Quarta e quinta às 20h (no dia 21/4 às 18h), no Teatro Eva Herz da Livraria Cultura do Conjunto Nacional (av. Paulista, 2073, metrô Consolação). R$ 50 e R$ 25. 70 min. 12 anos. Até 28/4/2022.
Retire seu ingresso!

Leia também: Maria Thereza Goulart aplaude peça Maria Thereza e Dener em noite histórica

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação Social pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se e Prêmio Governador do Estado de São Paulo. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Contigo, Superinteressante, Band, Gazeta, UOL, Uma, Rede TV!, TV UFMG e O Pasquim 21. É jurado das premiações Prêmio Arcanjo de Cultura, Melhores do Ano Blog do Arcanjo, Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Digital, Melhores do Ano Guia da Folha e Prêmio Canal Brasil de Curtas. É vencedor dos Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã e Prêmio África Brasil. Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento e Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.