Maria Bonomi homenageia vítimas da Covid-19 com obra inédita no Memorial da América Latina

Maria Bonomi - Foto: Lena Peres/Divulgação - Blog do Arcanjo
Maria Bonomi – Foto: Lena Peres/Divulgação – Blog do Arcanjo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

O Memorial da América Latina, no coração da Barra Funda, em São Paulo, foi o local escolhido para a instalação da obra Réquiem para os tombados pela Covid-19 na América Latina, da artista Maria Bonomi, em homenagem às vítimas da Covid nos países latino-americanos. A instalação da obra será dia 27 de outubro, às 15h. A artista é autora também de Etnias – Do Primeiro e Sempre Brasil, que fica na entrada do Memorial e retrata as culturas indígenas.

A ideia da obra surgiu de uma conversa entre a artista, o presidente do Memorial, Jorge Damião e Helena Peres Oliveira, produtora da obra “Etnias”, também de Maria Bonomi. “Registrar o sofrimento que a América Latina e o mundo estão vivendo em função da Covid-19 é fundamental”, afirma Bonomi.

O trabalhoem forma de triângulo, com duas mãos postas em oração, contêm em suas superfícies 23 mapas vazados dos países: Antilhas Holandesas, Argentina, Aruba, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, Haiti, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Suriname, Uruguai e Venezuela.

A obra é composta por duas placas com alturas de 6m e 4m por 2,40m de comprimento, abrangendo uma área de mais de 5m, e representa a cicatriz e dor das famílias que perderam seus entes queridos para a Covid-19.

A autoria da obra é do Atelier Maria Bonomi, arquitetura de Rodrigo Velasco e realização de Diran Garabed Topalian e contou com o apoio do Governo do Estado de São Paulo.

A escolha do Memorial para a instalação da obra se deve a necessidade da instituição sinalizar também as questões da contemporaneidade, como a pandemia da Covid-19, uma vez que o painel Etnias aborda o passado dos indígenas e o aculturamento que esta população sofreu e ainda sofre ao longo do processo de colonização brasileiro.

Maria Bonomi, artista plástica

A instalação Etnias – Do Primeiro e Sempre Brasil, de Maria Bonomi, está localizada na passagem de nível que liga o metrô ao conjunto arquitetônico. Nesse corredor espelhos em toda a extensão das duas paredes e a iluminação cenográfica emolduram painéis e totens que recontam de forma estilizada a história dos povos originários brasileiros. Nas escadas, estão gravados nomes de indígenas de diversas etnias.

Serviço:
Réquiem em homenagem às vítimas da Covid-19
Instalação: Dia 27 de outubro, às 15h
Em frente ao auditório Simón Bolívar – Memorial da América Latina, na Barra Funda

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico de artes Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, Folha, Abril, Band e UOL. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo na OLA Podcasts. Foto: Edson Lopes Jr.

© Blog do Arcanjo – Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados | Proibida reprodução sem citação com link.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *