Oscar Filho: ‘Criamos pessoas harmonizadas ou dançarinas do TikTok’ | Podcast do Arcanjo

Oscar Filho - Foto: Willian Abreu/Divulgação - Blog do Arcanjo
Oscar Filho – Foto: Willian Abreu/Divulgação – Blog do Arcanjo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

“Hoje estamos criando um padrão de pessoas harmonizadas e dançarinas de TikTok”, afirma o humorista Oscar Filho ao Podcast do Arcanjo. Ele está em cartaz todas as sextas-feiras, às 21h, no Teatro MorumbiShopping com o espetáculo Alto Biografia Não Autorizada, solo que nasceu antes da pandemia, mas que teve que ser interrompido e voltou agora nesse momento de retomada do teatro. Retire seu ingresso!

Ouça Oscar Filho no Podcast do Arcanjo!

O solo nasceu a partir do livro escrito pelo ator em 2014. Entre idas e vindas e algumas adaptações, teve sua primeira apresentação no Teatro Itália, à qual compareceu a apresentadora Maisa Silva, com quem ele trabalhou no Programa da Maisa, no SBT.

No papo com Miguel Arcanjo, feito em parceria com a OLA Podcasts, o artista revela que refletiu muito na quarentena. “Não fiz nada, ficava na varanda olhando para o céu e falando ai? Não vai acontecer alguma coisa?”.

O humorista declara alívio com esse retorno. “Foi meio que uma sorte minha ter essa liberação. Se eu fosse ficar em casa eu iria enlouquecer”. E ainda destaca a segurança que o teatro oferece nessa retomada, operando com todas normas sanitárias e 50% da capacidade para manter um distanciamento seguro.

‘Já pensei em usar o sapato do Zezé Di Camargo, mas acho que não precisa’, diz Oscar Filho

O humorista teve responder sobre a sua altura, tema de piadas no CQC na Band, no qual foi repórter. “Eu acho que tenho a mesma altura da Maisa, depende do sapato que ela está usando”, brinca. “Já pensei em usar o sapato do Zezé Di Camargo, mas acho que não precisa”, avisou.

Oscar ainda conta que seu apelido na infância não tinha nada a ver com sua baixa estatura. ”Eu nunca tive trabalho com isso e nunca fui chamado de baixinho. Eu sofria mais com Oscar Alho, nos lindos tempos de Atibaia”, diz, fazendo menção à sua cidade montanhosa.

E afirma que “nem é tão baixo assim”, e que foi só que por trabalhar ao lado de pessoas altas, passava essa impressão. “Como eu fiz o CQC e vivia do lado do Rafinha [Bastos] e do Danilo [Gentili], dava a impressão de ser menor, mas as pessoas se surpreendem quando me veem”, conta.

‘Antes a gente era mais inocente’, diz Oscar Filho

Na entrevista, ele conta que ainda teve espaço para uma reflexão sobre essa onda conservadora e do politicamente correto. “Eu acho que a gente tá num momento muito esquisito. Acho que nunca vivi isso na vida. Estou falando agora, eu nem elaborei isso. A minha impressão é que antes a gente era mais inocente. Como criança. De receber o humor e não saber que não tinha nada por trás; Mas claro que é importante, homofobia é muito grave”, pontua.

E ainda estende essa reflexão para o momento político e de polarização do país. “Não é porque eu faço piadas com Lula que eu sou bolsonarista e vice-versa. Ele revela que lhe interessa mais o impacto que a tensão que esses assuntos geram em seu show. “Eu faço isso de propósito. Mas tem um porquê eu fazer aquilo, não é só piada pela piada. Eu sinto isso e eu vejo outros colegas sentirem”.

Ouça Oscar Filho no Podcast do Arcanjo!

‘Estamos ficando infantiloides’, criando padrão de pessoas harmonizadas e dançarinas de TikTok, diz Oscar Filho

Com o papo se aprofundando, Oscar refletiu sobre o momento de nossa sociedade, que sai de um momento de inocência e segue para comportamentos infantis e de pessoas padronizadas até fisicamente. “Eu acho que nós estamos regredindo. Agora estamos ficando não só infantil, mas infantiloide. Hoje estamos criando um padrão de pessoas harmonizadas e dançarinas de TikTok”, alfineta.

Aproveitando o assunto, o papo volta para seu solo, onde ele fala sobre como o humor trabalha com o patético e ri de si mesmo. “No solo eu falo de mim, eu falo como cheguei até aqui sendo ridículo e patético, que é uma saída também. Até para evitar essa problematização que existe em tudo”.

E volta a refletir sobre o politicamente correto e que muitas vezes é disfarçado de má fé. “A coisa tá tão padronizada que as pessoas perderam a noção do ato artístico. O humorista tá em cena, com microfone na mão, as pessoas estão rindo, tudo evidencia uma cena e o que me leva a crer que as pessoas estão malucas. Já meu amigo Danilo acha que são desonestas [falando sobre o episódio em que o humorista Murilo Couto foi cancelado por fazer piada com ciclistas, com sua fala no palco sendo jogada nas redes fora de contexto]”.

Produtor e redator: Rodrigo Barros

Retire seu ingresso para ver Oscar Filho no teatro!

Ouça Oscar Filho no Podcast do Arcanjo!

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

O jornalista e crítico de artes Miguel Arcanjo Prado é mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação pela UFMG e crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Está entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, Folha, Abril, Band e UOL. Dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo na OLA Podcasts. Foto: Edson Lopes Jr.

© Blog do Arcanjo – Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados | Proibida reprodução sem citação com link.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *