Cruella revisita rivalidade entre mulheres em Hollywood | Por Átila Moreno

Emma Stone como Cruella - Foto: Divulgação Disney - Blog do Arcanjo
Emma Stone é Cruella – Foto: Divulgação Disney – Blog do Arcanjo

Por Átila Moreno
@atilaouno
Especial para o Blog do Arcanjo

Uma saga com uma afiada sátira pop, musical e visual sobre uma das vilãs mais icônicas da Disney. Assim pode-se resumir o filme Cruella, que está nos cinemas brasileiros e já se tornou um fenômeno de bilheteria em vários países. 

Por aqui o longa-metragem, dirigido pelo australiano Craig Gillespie, segue disputando o pódio com outros blockbusters de sucesso como Velozes e Furiosos 9 e o terror sobrenatural A invocação do Mal 3′, de acordo com o Comscore

E segundo o Rotten Tomatoes, já pode-se afirmar que é sucesso de público e crítica. Mas o que será que chama tanta atenção na história que narra a origem da vilã dos dálmatas mais adorados do cinema?

Anti-heroínas em alta

A Disney não é boba mesmo. Vem notando que a fórmula de apostar em anti-heroínas tem dado certo. As duas sequências de Malévola não deixam mentir, inclusive seu sucesso na época pela América do Sul é de dar inveja. Bateu, aliás, um filme de outro clássico vilão: o Coringa

De certa forma, Cruella bebe na fonte do desenvolvimento dos personagens desses filmes citados. Párias da sociedade que são colocadas na fogueira do julgamento das instituições e do seu sistema opressor.  

No entanto, o filme tem a proeza de despejar uma crítica ácida à indústria de Hollywood em alimentar as rivalidades entre mulheres talentosas e que estão em ascensão. 

Graig já tinha tocado nesse tema e revelado um manejo ímpar ao dirigir atrizes vivendo personagens anti-heroínas, como Margot Robbie em “Eu, Tonya” e, recentemente, Rose Byrne em “Physical” na hilariante e imperdível série da Apple TV. 

Anne Baxter e Bette Davis em A Malvada, filme de 1950 - Foto: Divulgação - Blog do Arcanjo
Anne Baxter e Bette Davis em A Malvada, filme de 1950 – Foto: Divulgação – Blog do Arcanjo

Mulheres rivais

Em Cruella, Emma Stone encarna, de maneira impecável, a anti-heroína principal que irá disputar um lugar na indústria da moda (uma analogia à Hollywood) com uma rival de peso e com uma longínqua carreira solidificada: Baronesa, interpretada pela estonteante Emma Thompson.

Claro que esse enredo não é novo na indústria do cinema. O clássico A Malvada (1950), de Joseph L. Mankiewicz, já tinha tocado nessa ferida indigesta ao narrar, com detalhes cavalares e diálogos primorosos, a rivalidade, nos palcos da Broadway, entre Margot Channing (iconicamente vivida por Bette Davis) e Eve Harrington (Anne Baxter). Não é à toa que foi indicado a 14 Oscars.

Cruella revisita todos elementos e dialoga com temáticas da geração atual (preste atenção na questão da sustentabilidade nas performances artísticas da protagonista) e enfeitiça ao reciclar o clássico e o novo numa trilha sonora impecável. 

Das crises existenciais à luta incessante pelo lugar ao sol, Cruella é a vilã que todos aprendem a amar no final. 

*Átila Moreno é jornalista e apaixonado por cultura, sobretudo filmes, séries e peças de teatro. É diretor e editor-chefe do site atilaouno.com.br e cofundador do canal Mooveola. Bacharel em Comunicação Social – Jornalismo pelo UNI-BH, é pós-graduado em Produção e Crítica Cultural pela PUC-Minas. Colabora com o Blog do Arcanjo desde 2012.
Siga @atilaouno.

Siga @miguel.arcanjo

Inscreva-se no canal Blog do Arcanjo

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

Um dos mais influentes e respeitados jornalistas e críticos culturais do Brasil, Miguel Arcanjo Prado dirige o Blog do Arcanjo e o Prêmio Arcanjo. É mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, bacharel em Comunicação Social pela UFMG e crítico da APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, da qual foi vice-presidente. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e faz o Podcast do Arcanjo. Foi eleito entre os melhores jornalistas de Cultura do Brasil pelo Prêmio Comunique-se e Prêmio Governador do Estado de São Paulo. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Huffpost Brasil, Notícias da TV, Contigo, Superinteressante, Band, Gazeta, UOL, Uma, Rede TV!, Rede Brasil, TV UFMG e O Pasquim 21. É jurado das premiações Prêmio Arcanjo, Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Digital, Melhores do Ano Guia da Folha, Prêmios ANCEC e Prêmio Canal Brasil de Curtas. É vencedor do Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã e Prêmio África Brasil.
Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento e Cultura por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é podcast-do-arcanjo.jpg
Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso