Crítica: Depois Daquela Noite iguala casais gays e héteros

Renato Scarpin, Carol Hubner, Eduardo Martini e Théo Hoffman estão em Depois Daquela Noite, de Carlos Fernando Barros: última sessão na quinta, dia 31/10, às 21h, no antigo Teatro Décio de Almeida Prado no Itaim Bibi, em SP – Foto: Jeronimo Gomes/Divulgação – @miguel.arcanjo UOL

Há diferenças entre casais heterossexuais e homossexuais quando o assunto são os problemas de relacionamento?

A leve comédia “Depois Daquela Noite” mostra justamente que as relações humanas, independentemente do gênero em questão, costumam repetir velhos erros, mas também acertos, quando existe o amor como elo para superar fortes crises.

O envolvente texto folhetinesco de Carlos Fernando Barros aprisiona em um quarto de hotel em uma noite de chuva dois casais, o hétero, interpretado por Carol Hubner e Renato Scarpin, e o homossexual, vivido pelos atores Eduardo Martini e Théo Hoffmann.

Neste encontro, entre confusões e conflitos, os personagens, defendidos por um elenco afinado, revelam suas expectativas e frustrações, colocando seus respectivos laços à prova nesta produção de Valdir Archanjo.

A peça deve ser vista tanto por casais héteros quanto homossexuais (ou outra variações, inclusive aqueles ainda no armário, mostrando assim que a diversidade só pode ser celebrada quando todos puderem ocupar os mesmos espaços com o mesmo nível de respeito. Afinal, o amor é igual para todos.

“Depois Daquela Noite”
Crítica por Miguel Arcanjo Prado
Avaliação: Muito Bom ✪✪✪✪
Teatro Décio de Almeida Prado – Centro Cultural da Diversidade – R. Lopes Neto, 206 – Itaim Bibi, São Paulo. Última apresentação dia 31/10/2019, quinta, às 21h. R$ 20 e R$ 40. 70 min. 16 anos.

Siga @miguel.arcanjo

Você pode gostar...