Conheça 5 nomes que se destacam ao criar pontes latinas com o Brasil

Eles unem Brasil ao restante da América Latina: o produtor argentino Hernan Halak, o ator argentino Juan Manuel Tellategui, a peruana DJ CecYza, o músico mexicano-brasileiro Mateo Piracés-Ugarte e o produtor peruano Ives Berger – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

O Brasil avançou neste começo de século 21 ao reconhecer-se como país latino-americano que é. Na cosmopolita São Paulo, onde escutar gente falando espanhol é comum, essa proximidade com nossos hermanos é evidente também na cena artística. O Blog do Arcanjo reúne nesta reportagem especial, feita no Memorial da América Latina, cinco nomes que criam pontes culturais que ligam ainda mais o Brasil ao restante do continente. Conheça, a seguir, a peruana DJ CecYza, o produtor cultural argentino Hernan Halak, o ator argentino Juan Manuel Tellategui, o produtor cultural peruano Ives Berger e o cantor mexicano-brasileiro Mateo Piracés-Ugarte, da banda Francisco, el Hombre. Cada um deles contribui, diariamente e a seu modo, para que o Brasil tenha cada vez mais orgulho de sua latinidade.

Por Miguel Arcanjo Prado 
Fotos Edson Lopes Jr.

A peruana DJ CecYza: “Música latina não é só cumbia ou Perez Prado” – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

DJ CecYza

Quando chegou ao Brasil vinda de Lima dez anos atrás, a peruana Cecilia Yzarra mal podia imaginar que se tornaria importante DJ na maior cidade das Américas. “Quis morar em São Paulo por minha conta, sem depender de ninguém”, lembra. Mas, foi por volta de 2013 que ela começou a criar coragem para circular na noite paulistana. Foi quando conheceu o Boteco Prato do Dia, na Barra Funda, e ficou encantada ao ver DJs tocando vinil, sua paixão. Logo, foi se enturmando e conhecendo a música do Brasil e do mundo. Contudo, notou uma ausência: “Não tinha espaço para música latina. Cadê a salsa, cadê a cumbia?”, questionou. “A música latina é muito ampla e ainda não estava representada na noite paulistana”, recorda. Nas primeiras férias, foi a Lima e voltou repleta de vinis na mala. Aos poucos, foi conquistando seu espaço. Sua primeira discotecagem foi em 2014, quando nasceu a DJ CecYza. Daí não parou mais. “O que eu tocava ninguém nunca tinha ouvido. E o melhor: as pessoas curtiram. Fico feliz em mostrar a diversidade da música latina. Não é só cumbia ou Perez Prado, tem uma variedade ampla. Não é só música dos anos 60 ou 70, tem muita coisa nova que faço questão de apresentar aos brasileiros que, afinal, são latinos também”, conclui. Siga @djcecyza

O argentino Hernan Halak, da produtora cultural argentino da Mundo Giras: “O maior streaming do mundo é de música latino-americana”- Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

Hernan Halak

Dono da produtora cultural Mundo Giras, o argentino Hernan Halak chegou ao Brasil 11 anos atrás para trabalhar em televisão, mas logo foi fisgado pela música. “Vim para fazer o ‘CQC’ na Band, mas em paralelo já tinha minha produtora cultural”, lembra. A primeira turnê internacional que produziu foi em 2008, quando levou Marcelo D2 para o Uruguai e a Argentina com sucesso. “Aí não parei, trabalho com música, circo, teatro, dança, exposições”, conta ele, que produziu a lotada exposição “O Mundo Segundo Mafalda” em São Paulo, para onde trouxe ainda artistas como Kevin Johansen, Escalandrum e Sofia Viola. “Muito da música brasileira ouvida na Argentina hoje chega pelo turismo. Já no Brasil, se conhece pouco da música latina. Quando eu coloco o artista na frente das pessoas, elas gostam muito, o problema é que não investigam depois, não correm atrás”, reflete. Para o produtor, é preciso derrubar essa coisa de “música latina”. “Música latina não existe como gênero. É o mesmo que falar ‘música brasileira’ como se fosse uma coisa só. É uma sacola não qual não cabem tantas opções. Na América Latina tem rock, tem folclore, tem jazz, tem cumbia, tem de tudo”, ensina. Seu desejo é ampliar o repertório por aqui. “Quero continuar trazendo coisas novas. Hoje, o maior streaming no mundo é para música latino-americana, temos peso no mercado musical internacional”, fala. Vice-presidente da MMF Latam (Associação Latino-Americana de Manegers Musicais), que reúne mais de 90 produtores de 16 países, Hernan busca conectar o Brasil ao restante do continente. “É só querer trabalhar junto. E eu ainda tenho uma felicidade: faço o que gosto”, comemora. Siga @mundogiras

O produtor cultural peruano Ives Berger, do festival Soy Latino: “Quero integrar as particularidades de cada povo da América Latina em São Paulo” – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

Ives Berger

O produtor cultural e escritor peruano Ives Berger se define como um “apaixonado pelo nosso continente latino-americano”. Especialista em juntar gente de diferentes cantos, ele mora em São Paulo há dez anos, após uma década vivendo no continente europeu. Logo que aqui chegou, buscou “integrar a rica cultura latina em terras brasileiras”. Para isso, começou a fazer o portal El Guia Latino, espaço que hoje é referência na difusão de eventos culturais que integram a comunidade latina. Logo em seguida, criou seu grande evento: o Soy Latino, maior festival da cultura latino-americana da metrópole. Ele chega à sétima edição no dia 15 de junho, um sábado, das 12h às 21h, no Memorial da América Latina, com entrada gratuita e atrações artísticas e gastronômicas dos povos hermanos. “Quando cheguei a São Paulo, percebi que a comunidade de imigrantes latino-americanos não era assimilada à realidade social da metrópole. Por isso, resolvi criar o Soy Latino, como forma de integrar as particularidades de cada povo do continente”, diz. Hoje o festival faz parte do calendário cultural da capital paulista, abraçado pelos paulistanos, nativos ou de coração. Siga @elguialatino

O ator argentino Juan Manuel Tellategui: “São Paulo é uma cidade imigrante. Como falar de São Paulo sem incluir as narrativas, histórias e corpos daqueles imigrantes que fazem parte da história da cidade ontem e e hoje?” – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

Juan Manuel Tellategui

Quando ouvia a trilha de Vinicius de Moraes enquanto atuava na peça portenha “Eventualmente”, o ator argentino Juan Manuel Tellategui jamais imaginaria que 18 anos depois faria parte do cinema, teatro e televisão do Brasil. O artista vive em São Paulo há oito anos, para onde se mudou após 15 anos de dedicação ao teatro e ao cinema em Buenos Aires, onde foi chamado de “ator potente e generoso” pelo jornal La Nación. Hoje atuando em português e espanhol, criou seu próprio espaço em terras brasileiras. “Quando cheguei a São Paulo não era comum ter atores estrangeiros em peças, filmes e na TV”, recorda. Aos poucos, ajudou a mudar este cenário. “Comecei com uma pesquisa aprofundada sobre o teatro no Brasil. Conheci muitas pessoas atuantes no circuito artístico que, aos poucos, começaram a olhar para meu trabalho e para mim”, conta. Sua trajetória se confunde com a história da maior metrópole brasileira. “São Paulo é uma cidade imigrante. Como falar de São Paulo sem incluir as narrativas, histórias e corpos daqueles imigrantes que fazem parte da história da cidade ontem e hoje?”, reflete. No segundo semestre, estreia a série “Chuteira Preta” e, em 2020, estará no filme “Águas Selvagens”, coprodução Brasil-Argentina, além de integrar outros dois longas em fase de finalização. No teatro, tem novos projetos, entre eles o espetáculo sobre a diva cubana Phedra D. Córdoba do grupo Satyros. “Creio que o intercâmbio entre artistas representantes de países latinos é fundamental para que exista um olhar regional sobre as nossas histórias, as nossas questões e a nossa própria forma de fazer arte. As trocas são muito enriquecedoras para todos os lados”, avalia. “Sinto que estou em um excelente momento da minha carreira, pronto para encarar novas parcerias e novos desafios”, avisa. Siga @juantellategui

O cantor e compositor brasileiro-mexicano Mateo Piracés-Ugarte, da banda Francisco, el Hombre: “Estamos conectados. E assim vamos permanecer” – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

Mateo Piracés-Ugarte

Nome potente da nova música brasileira junto de sua banda, a Francisco, el Hombre, o cantor mexicano-brasileiro Mateo Piracés-Ugarte adora criar pontes musicais. O grupo, surgido há seis anos, nasceu para “cantar para o público que está aqui”. E esse aqui, ele faz questão de ressaltar, é a América Latina. Pensando nisso, logo atravessou fronteiras. “Botamos as coisas no carro e tocamos no Brasil, Uruguai, Argentina e Chile, cantando em português e em espanhol”. O que não foi difícil para ele. “Nasci no México e cresci entre Brasil e Estados Unidos, depois passei a adolescência entre Chile, México, Brasil, Argentina e Uruguai. Nunca parei de viajar. A música começou como uma brincadeira entre meu irmão Sebastián [também integrante da Francisco, el Hombre] e eu, mas depois foi tomando proporções maiores com a chegada de amigos”, conta o músico filho de mãe mexicana e pai chileno. “Em casa só falamos espanhol”, revela. A banda contribuiu no avanço do mercado musical brasileiro, hoje mais aberto à sonoridades latinas. “Hoje temos uma acolhida grande por cantar em português e em espanhol, mas nem sempre foi assim. No começo, produtores de casas e festivais falavam que não sabiam onde nos encaixar”, lembra. “Antes, uma música em espanhol era vista aqui só como romântico-brega, hoje é diferente”, pontua. Sua banda acaba de lançar o disco “Rasgacabeza”, com turnê que vai passar por países latinos como Equador, Chile, Argentina, México e Uruguai, além da Europa. Para ele, estar perto dos hermanos é preciso. “O grande triunfo dos governos latino-americano nos primeiros 15 anos do século 21 foi fortalecer o contato interno na América Latina. E isso se comprovou ser bom economicamente e socialmente. Querer voltar atrás é um erro. É necessário termos a sabedoria de enxergar que temos muito mais quando somos unidos. Não temos de brigar entre nós. Hoje, mesmo que não queiram, estamos conectados. E assim vamos permanecer”, avisa. Siga @eusoumateo

O produtor argentino Hernan Halak, o ator argentino Juan Manuel Tellategui, a peruana DJ CecYza, o músico mexicano-brasileiro Mateo Piracés-Ugarte e o produtor peruano Ives Berger posam no Memorial da América Latina, em São Paulo: criadores de pontes latinas com o Brasil – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

A peruana DJ CecYza @djcecyza – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

Hernan Halak, produtor cultural argentino da Mundo Giras @mundogiras – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

O produtor cultural peruano Ives Berger, do festival Soy Latino @elguialatino – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

O ator argentino Juan Manuel Tellategui @juantellategui – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

O cantor e compositor brasileiro-mexicano Mateo Piracés-Ugarte, da banda Francisco, el Hombre @eusoumateo – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

Os artistas latinos em São Paulo posam na Mão da América Latina, criada por Oscar Niemeyer, no Memorial da América Latina, em São Paulo – Foto: Edson Lopes Jr. – Blog do @miguel.arcanjo – UOL

Siga Miguel Arcanjo no Instagram

Please follow and like us:
Teatro nos Parques percorre SP e Brasil ‘Se fosse homem, teria mais visibilidade’, diz Eloisa Vitz Musical A Pequena Sereia encanta família inteira no Teatro Santander Capital Inicial lança Natasha com feat de Marina Sena Evita Open Air conquista o público no Parque Villa-Lobos