Maria Padilha flerta com a loucura para celebrar 40 anos de carreira

A atriz Maria Padilha está no monólogo “Diários do Abismo”, com o qual celebra 40 anos de carreira – Foto: Fernando Young/Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Com mais de 30 trabalhos na televisão, onde fez personagens marcantes como a Dinorá de “O Cravo e a Rosa” e a Stela de “Anjo Mau”, a atriz carioca Maria Padilha celebra seus 40 anos de carreira nos palcos, onde já atuou em mais de 25 montagens.

Aos 58 anos de idade, ela encara seu primeiro monólogo, a peça “Diários do Abismo”. A obra estreia em São Paulo nesta sexta (15) no Sesc 24 de Maio, na República.

O texto original “Hospício de Deus”, de Maura Lopes Cançado, autora mineira diagnosticada com esquizofrenia e que escreveu a obra enquanto estava internada, foi adaptado para os palcos por Pedro Brício sob direção de Sergio Módena.

A curta temporada vai até 7 de abril, com sessões de quinta a sábado, 21h, e domingo, 18h, e ingresso a R$ 40 a inteira.

A atriz Maria Padilha estreia monólogo “Diários do Abismo”, com o qual celebra 40 anos de carreira – Foto: Fernando Young/Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Maria Padilha revela que foi um amigo que originou a ideia do espetáculo: “Ganhei o livro de presente do Ney Latorraca, que disse: aqui tem uma grande personagem”, conta. E foi isso que a atriz constatou durante a ávida leitura.

O diretor da peça também confirma a intensidade do texto: “O que Maura escreve sobre a natureza humana, loucura, sanidade e religiosidade impressiona pela assustadora lucidez com que aborda os temas”, afirma Módena.

O time criativo ainda é composto por André Cortez, responsável pela cenografia; Marcelo Pies, pelo figurino; Marcelo H, pela trilha; e Paulo César Medeiros, que criou a luz.

A escritora Maura Lopes Cançado (1929-1993) – Foto: Divulgação/Reprodução – Blog do Arcanjo – UOL

Quem foi Maura Lopes Cançado?

Filha de uma tradicional família de Minas Gerais nascida em 1929 em São Gonçalo do Abaeté, aos 7 anos de idade Maura Lopes Cançado já criava personagens em sua cabeça. Foi nesta época que os ataques epiléticos começaram.

Diagnosticada como psicótica, passou por diversos sanatórios e clínicas psiquiátricas. Em seu diário contava fatos determinantes de sua vida antes e durante sua internação, denunciando os terríveis métodos de tratamento praticados.

Estreou em 1959 como escritora no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil. Em 1965 foi publicado “Hospício é Deus”. Em 1968, “O Sofredor do Ver”. Os títulos foram reeditados pela editora Autêntica em 2015.

Teve seu nome maculado na história da literatura ao matar por estrangulamento uma interna grávida. Após o episódio, Maura parou de escrever e foi esquecida por formadores de opinião e escritores. Solta em 1980, ainda passou por outras clínicas nos últimos anos de sua vida. Morreu em 19 de dezembro de 1993, no Rio, vítima de um infarto.

Siga Miguel Arcanjo Prado no Instagram

A atriz Maria Padilha está no monólogo “Diários do Abismo”, com o qual celebra 40 anos de carreira – Foto: Fernando Young/Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Please follow and like us:
Surra de estilo: Prêmio Bibi Ferreira 2022 Grammy Latino 2022: Veja brasileiros indicados! Travessia estreia em 10 de outubro na Globo Fred Raposo é destaque no Mirada Maitê Proença estreia O Pior de Mim em SP