Caetano Veloso se emociona com assassinato político do amigo Môa do Katendê

Môa do Katendê: artista foi morto com 12 facadas nas costas por pensar diferente – Foto: Reprodução – Instagram @moadokatende – Blog do Arcanjo – UOL

O cantor e compositor baiano Caetano Veloso se emocionou ao saber que seu amigo, o capoeirista, percussionista e compositor Môa do Katendê, fundador do Afoxé Badauê, foi assassinado, por motivos políticos, em Salvador.

Baluarte da cultura baiana e brasileira, Môa do Katendê foi violentamente assassinado aos 63 anos com 12 facadas nas costas após tecer críticas ao político que ficou em primeiro lugar na corrida presidencial no primeiro turno e declarar seu voto no segundo turno.

“Môa do Katendê, a quem devo a revelação que foi ver e ouvir o grupo de pessoas na rua cantando ‘Misteriosamente o Badauê surgiu’, foi morto a facadas por ter dito que votará em Haddad. O assassino, um bolsonarista apaixonado, foi encontrado quando tentava fugir. É o que acabo de ler no Yahoo!News”, postou Caetano, ainda abalado, em seu Instagram.

Leia: Facadas nas costas que mataram Môa do Katendê ferem democracia

“Môa era meu amigo e foi uma das figuras centrais na história do crescimento dos blocos afro de Salvador. Estou de luto por ele. Não olho redes sociais. Abri o Yahoo! pra chegar ao email e vi a foto de Moa, sorrindo, o que me fez parar, meio alegre de vê-lo, e ter a terrível notícia que contei aqui resumidamente”, escreveu o compositor.

“A descrição da cena está no Yahoo! As informações vieram da Secretaria de Segurança Pública da Bahia. Fundador do Badauê, compositor, mestre de capoeira, Moa vive na história real da cidade e deste país”, declarou Caetano.

Caetano gravou em seu disco “Cinema Transcendental” a música “Badauê”, com letra de Môa do Katendê, que foi fundador do histórico Afoxé Badauê, em Salvador, e que dizia: “Misteriosamente o Badauê surgiu, sua expressão cultural o povo aplaudiu”. Gilberto Gil também gravou a canção-homenagem ao bloco “Afoxé Badauê”.

Caetano ainda cita o Afoxê Badauê fundado por Môa do Katendê em “Beleza Pura” (“Moço lindo do Badauê, beleza pura…”) e em “Sim Não” (“No Badauê, vira menina, macumba, beleza, escravidão…”).

Veja participação de Caetano no “Projeto Mestre Môa e Amigos do Katendê Cantam Badauê”, em 2011 em reportagem da Band Bahia, na qual ele surge ao lado do amigo Môa do Katendê.

Visualizar esta foto no Instagram.

Moa do Catendê, a quem devo a revelação que foi ver e ouvir o grupo de pessoas na rua cantando "Misteriosamente o Badauê surgiu", foi morto a facadas por ter dito que votara em Haddad. O assassino, um bolsonarista apaixonado, foi encontrado quando tentava fugir. É o que acabo de ler no Yahoo!News. Moa era meu amigo e foi uma das figuras centrais na história do crescimento dos blocos afro de Salvador. Estou de luto por ele. Não olho redes sociais. Abri o Yahoo! pra chegar ao email e vi a foto de Moa, sorrindo, o que me fez parar, meio alegre de vê-lo, e ter a terrível notícia que contei aqui resumidamente. A descrição da cena está no Yahoo! As informações vieram da Secretaria de Segurança Pública da Bahia. Fundador do Badauê, compositor, mestre de capoeira, Moa vive na história real da cidade e deste país. Link da matéria: https://glo.bo/2PlAnrT | Gravei “Badauê”, ouça a canção no @spotify https://spoti.fi/2E6mm0b . : Entrevista para a @tvbahiaoficial em 2011, sobre minha participação no Projeto "Mestre Moa e Amigos do Catendê cantam Badauê". . #CaetanoVeloso #MestreMoa #MestreMoaDoKatende #RIP #Luto

Uma publicação compartilhada por Caetano Veloso (@caetanoveloso) em

Please follow and like us: