Após pressão, FIT-BH fica mais negro, feminista e LGBTQ+ e conquista 25 mil

Representatividade ganhou força no evento: cena de Isto É um Negro, de São Paulo, no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Com público de mais de 25 mil pessoas entre 13 e 23 de setembro, o 14º FIT-BH (Festival Internacional de Teatro, Palco e Rua de Belo Horizonte) mostrou-se mais negro, feminista e LGBTQ+.

Isso é resultado da pressão popular na última edição do festival bienal, realizada em 2016, quando o evento foi acusado por artistas locais de ser excludente, elitista e colonialista em sua programação histórica desde 1994, quando começou.

Após essa turbulência, e a tal da autocrítica  que resultou em um edital público inédito no Brasil para a formação da atual curadoria, o FIT-BH 2018 investiu na palavra de ordem do momento junto à classe artística mineira: representatividade, dando palco e voz não só a artistas negros, como também a mulheres e corpos LGBTQ+.

Tal fato é inegável recado político de determinada parcela de artistas mineiros, sobretudo diante das eleições presidenciais que serão realizadas daqui a duas semanas e cujas pesquisas são lideradas por um candidato que faz discurso de ódio que ataca justamente tais grupos sociais agora priorizados no FIT-BH, realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte em parceria com o Ministério da Cultura.

Após 11 dias com 30 espetáculos de 12 países apresentados em 37 espaços no centro e em alguns lugares da periferia de Belo Horizonte, o evento chega ao fim neste domingo (23) com seu recado dado.

Se alguns discursos ganharam espaço generoso, como o étnico, o que ficou evidente pelo grande número de artistas negros nos palcos, o evento acabou, por outro lado, esquecendo-se de uma importante conquista histórica do FIT-BH: grandes espetáculos lúdicos que aproximam a toda uma população do evento, transformando a própria cidade em sua cenografia, como ocorreu em 2016 com a belíssima e impactante peça francesa “Les Girafes”.

Isso sempre foi ponto forte, por exemplo, em edições passadas, sob forma de uma abertura impactante, poética e lúdica, que sempre envolveu mineiros de todas as idades e matizes políticas no mesmo espaço público, sendo porta de entrada para muitos deles no campo das artes cênicas.

Isso é fundamental para que um evento de tal porte e realizado com verba pública conquiste o carinho e a sensação de pertencimento da população da cidade. Neste ano, tal característica marcante do FIT-BH parece ter sido deixada de lado, justamente quando se conclama tanto a pluralidade e a representatividade.

Assim, incorporar um olhar mais inclusivo para o evento não pode significar abandonar seu caráter popular, como de ter também peças com linguagens mais abrangentes, e não só as “peças cabeçudas” e de linguajar para iniciados acadêmicos, que também devem existir e provocar. Isso é fundamental se o FIT-BH deseja se comunicar com um público maior, não ficando circunscrito a um pensamento de parte da classe teatral local.

Além das 25 mil pessoas atraídas pelo festival em seus 37 espaços de realização, foram 208 artistas envolvidos e cem profissionais da cultura de BH contratados neste FIT-BH, somando 59 apresentações artísticas e 49 ações paralelas.

Outro dado divulgado pela organização é que até a edição de 2016 a média histórica da Mostra Nacional era de 66% de espetáculos do eixo São Paulo-Rio. Este ano, esse número se inverte, com 66% de trabalhos da cena nordestina, além da forte presença do teatro mineiro na programação.

A programação da curadoria foi assinada por três mulheres, sendo duas delas negras, Soraya Martins e Grace Passô (que já foi curadora do FIT em 2012, ao lado de Marcelo Bones e Yara de Novaes, quando o recorte étnico era menos evidente do que nesta edição).

O tema “Sobre Vivências”, presente nos cartazes do festival, priorizou, segundo o festival, um teatro “como um gesto do nosso tempo”, com histórias recontadas a partir de novas perspectivas, sobretudo aquelas silenciadas no histórico brasileiro.

Convidado a acompanhar de perto o FIT-BH, o Blog do Arcanjo no UOL apresenta a seguir uma seleção de imagens do que foi destaque nos teatros, palcos e ruas de Belo Horizonte nos últimos dias.

Por Miguel Arcanjo Prado
Enviado especial a Belo Horizonte*

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do 14º FIT-BH.

Siga Miguel Arcanjo Prado no Instagram

Kombi do FIT-BH 2018 diverte crianças em bairro de Belo Horizonte – Foto: Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena de A Santa do Capital, de Belo Horizonte, no FIT-BH 2018 – Foto: Alexandre Guzanshe – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

O cantor Veronez durante show da Banda Viada no FIT-BH 2018 – Foto: Dila Puccini – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena de A Invenção do Nordeste, do Rio Grande do Norte, no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Show da Banda Viada no FIT-BH 2018 – Foto: Dila Puccini – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena de Batucada, do Piauí, montada com artistas de Belo Horizonte no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Igor Leal em cena da performance Espécie no FIT-BH 2018 – Foto: Igor Cerqueira – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Marcelo Bones, curador de edições passadas do FIT-BH, participa do FIT-BH 2018 – Foto: Denilson Cardoso – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

A atriz mineira Marina Viana no Varejão no FIT-BH 2018 – Foto: Alexandre Guzanshe – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Musa Michelle Mattiuzzi, de São Paulo/Bahia, faz a performance Merci Beaucoup, Blanco! no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena da peça Simón El Topo, do Peru, no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

O ator e cantor mineiro Mauricio Tizumba durante lançamento de sua biografia no FIT-BH 2018 – Foto: Dila Puccini – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Bia Nogueira e Maíra Baldaia cantam juntas em show no Ponto de Encontro no FIT-BH 2018 – Foto: Denilson Cardoso – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Ntando Cele contracena com o ator mineiro Denilson Tourinho em Black Off, da África do Sul e Suíça no FIT-BH 2018 – Foto: Alexandre Guzanshe – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Alessandra Seutin em Ceci N’est pas Noire, da Inglaterra/Bélgica/Zimbábue no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

DJ Vinni toca no Ponto de Encontro no Parque Municipal no FIT-BH 2018 – Foto: Denilson Cardoso – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena de Donde Viven los Barbaros, do Chile, no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

A escocesa Jo Clifford em cena de Eve no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Ludmilla Ramalho faz a perfromance Fuck Her, de Belo Horizonte, no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

A cantora Josi Lopes observa a convidada de seu show Tamara Franklin no FIT-BH 2018 – Foto: Dila Puccini – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

O cantor Leo Richard faz o show Música Preta pra Balançar no Ponto de Encontro do FIT-BH 2018 – Foto: Denilson Cardoso – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena de A Libertação, peça de Portugal, no FIT-BH 2018 – Foto: Alexandre Guzanshe – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena de Rua das Camélias, peça de Belo Horizonte, no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena de Rua das Camélias, peça de Belo Horizonte, no FIT-BH 2018 – Foto: Maíra Cabral – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Dorothée Munyaneza em cena de Unwanted, espetáculo da França/Ruanda no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

X Varejão no FIT-BH 2018 – Foto: Alexandre Guzanshe – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Escocesa Jo Clifford agradece o aplauso de pé do público mineiro para “Eve” no 14º FIT-BH – Foto: Denilson Cardoso – Divulgação FIT-BH – Blog do Arcanjo – UOL

A atriz e curadora Soraya Martins no 14º FIT-BH – Foto: Denilson Cardoso – Divulgação FIT-BH – Blog do Arcanjo – UOL

Público se mistura aos artistas de Looping Bahia Overdub, do Piauí, na abertura do FIT-BH 2018 – Foto: Alexandre Guzanshe – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena da performance Deformação, de Belo Horizonte, no FIT-BH 2018 – Foto: Maíra Cabral – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena de Chapeuzinho Vermelho, do Rio Grande do Sul, no FIT-BH 2018 – Foto: Alexandre Guzanshe – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Batucada, do Piauí, que abriu o FIT-BH 2018 no Parque Municipal no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Público acompanha show da Banda Viada no Ponto de Encontro do FIT-BH 2018 – Foto: Dila Puccini – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Moradora da Ocupação Vitória, na periferia de BH, participa da peça Assembleia Comum, no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena da peça Arde Brillante en los Bosques de la Noche, da Argentina, no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

A cantora Anelis Assumpção se apresenta na abertura do FIT-BH 2018 – Foto: Fred Tonucci – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Cena da performance A Gente Combinamos de Não Morrer no FIT-BH 2018 – Foto: Guto Muniz – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Show de Linn da Quebrada, de São Paulo, na abertura do FIT-BH 2018 – Foto: Fred Tonucci – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Você pode gostar...