Cinema brasileiro conquista 35 mil em Tiradentes

35 mil pessoas de olho no cinema brasileiro: público vê filme ao ar livre na 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Leo Lara/Universo Produção/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado
Enviado especial a Tiradentes (MG)*

Após nove dias e 102 filmes exibidos com a nova safra do cinema brasileiro, chega ao fim neste sábado (27), a 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes, em Minas Gerais. O evento inaugura o calendário anual da sétima arte no Brasil.

Raquel Hallak, da Universo Produção, responsável pelo mais charmoso festival cinematográfico do país, diz ao Blog do Arcanjo do UOL que “a sensação é de missão cumprida”.

Afinal, cerca de 35 mil pessoas participaram das atividades, número cinco vezes maior que a população de Tiradentes, atualmente em 7.000 habitantes.

Se o festival celebrou sua maioridade homenageando nesta edição o ator Babu Santana, a festa também aconteceu em cada esquina da cidade barroca, que completou 300 anos durante o evento.

“Hoje é impossível falar de Tiradentes e não falar de cinema. A Mostra surgiu para ser o evento comemorativo do aniversário da cidade, no começo ainda regional, inaugurando o Centro Cultural Yves Alvas [onde até hoje funciona o QG do festival], na época do começo das leis de incentivo à cultura. Depois da Mostra de Cinema de Tiradentes, a cidade foi projetada nacionalmente e internacionalmente. Hoje, Tiradentes é uma cidade de eventos, com vários outros festivais”, lembra Hallak.

A produtora cultural mineira Raquel Hallak, que está à frente da Mostra de Cinema de Tiradentes: 21 anos de olho no cinema nacional – Foto: Leo Lara/Universo Produção/Divulgação

Para a produtora cultural, a longevidade da Mostra é fruto do que chama de “coerência conceitual”.

“Tiradentes é um espaço de encontro do cinema, de debates, onde podemos falar sobre os filmes, estar atentos a novas linguagens e também com quem está começando”, aponta.

“Não deixaremos Tiradentes se perder. Tanto que, quando sentimos necessidade de outras discussões, criamos em 2006 a CineOP, em Ouro Preto, e em 2007 a CineBH, em Belo Horizonte, para manter a coerência e o foco de Tiradentes: de ser este grande aliado do cinema brasileiro. Um lugar de exibição, de encontro, de debates e de formação e fomento à nossa indústria cinematográfica. A Mostra de Cinema de Tiradentes é um evento que as pessoas se sentem pertencentes a ele”, afirma.

O ator Babu Santana foi o homenageado na 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Leo Lara/Universo Produção/Divulgação

Raquel ressalta que quase cem profissionais do cinema brasileiro e da imprensa foram convidados para acompanhar o evento, que contou com 34 debates.

“O cinema em Tiradentes gera uma reflexão sobre as questões sociais, políticas e de representatividade”, diz, reforçando o tema deste ano: “Chamado Realista”.

“É um chamado para a vida, afinal 2018 é um ano de eleições e temos de ficar cada vez mais atentos”, pondera.

Cinema maduro

“Ano passado em Tiradentes o foco foi a mulher no cinema. Em Ouro Preto, discutimos a questão do negro e do indígena. Em Belo Horizonte, foi a vez do cinema de urgência. Então, chegamos a 2018 com uma maturidade nas discussões, inclusive vemos essa maturidade nos próprios filmes, saímos da política tradicional para falarmos de questões políticas de representatividades das ditas minorias como um todo”, diz.

“Este é um momento de amadurecimento de questões que foram colocadas e que ganharam as ruas em 2017. Abrimos 2018 com um cinema brasileiro amadurecido”, conclui Raquel Hallak.

Equipe da 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto: Leo Lara/Universo Produção/Divulgação

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes.

Siga Miguel Arcanjo no Instagram
Curta Miguel Arcanjo no Facebook
Siga Miguel Arcanjo no Twitter

Please follow and like us:
Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Surra de estilo: Prêmio Bibi Ferreira 2022 Grammy Latino 2022: Veja brasileiros indicados! Travessia estreia em 10 de outubro na Globo Fred Raposo é destaque no Mirada