Crítica: Eduardo Martini domina o riso em Papo com o Diabo

Eduardo Martini em “Papo com o Diabo”: última sessão nesta quarta (29) e torcida para que comédia volte em 2018 – Foto: Erik Almeida/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

Eduardo Martini é um ótimo ator de comédia. Tem domínio do tempo do riso alheio, o que o faz um dos melhores de sua geração.

Prova disso é o que ele faz em “Papo com o Diabo”, monólogo com o qual celebra seus 40 anos de carreira.

Trajetória que conta com participações lendárias no programa de Hebe Camargo e atuação no célebre musical “A Chorus Line”, produzido por Walter Clark em 1983 e no qual dividiu palco com a então novata Claudia Raia.

Primeiro texto teatral do jornalista Bruno Cavalcanti, agora também dramaturgo, “Papo com o Diabo” tem como mote uma conversa franca do capeta com o público.

No desabafo, o tinhoso expõe sua insatisfação com o mundo e com as pessoas. Sobretudo com as inverdades que dizem sobre ele, justo o pai da mentira.

Cavalcanti faz um texto simples e divertido, repleto de anedotas e pilhérias, estabelecendo comunicação imediata com o público, que se identifica com muitas das situações apresentadas.

É claro que Eduardo Martini é daquele tipo de ator que vira coautor de qualquer coisa que faça no palco, já que é dono de farta personalidade cênica. E assim o faz também na montagem comemorativa.

Elias Andreato, diretor consagrado da cena paulistana, está no comando do monólogo cômico. Ele deixa Martini à vontade para fazer o que gosta: seu público rir. Para isso, não se impõe, mas ampara seu ator de forma sutil.

A encenação traz deixas para interação entre o ator e o público — ponto forte de Martini. Este improvisa de forma ágil e consegue extrair sonoras gargalhadas dos espectadores, ávidos por ver o Diabo fazer mais um deboche repleto de maldade.

Afinal, de santo ele não tem nada.

Papo com o Diabo ✪✪✪✪
Avaliação: Muito bom
Quando: Quarta, 21h. Última apresentação em 29/11/2017
Onde: Teatro Itália (av. Ipiranga, 344, República, São Paulo, tel. 11 3255-1979)
Quanto: R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia)
Classificação etária: 14 anos

Please follow and like us:
Morre pai do Padre Marcelo: “Até a eternidade” Colplay cancela shows no Brasil por doença de Chris Martin Marilyn Monroe, Blonde: Curiosidades do filme Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Arlete Salles brilha no Teatro das Artes