Márcia Cabrita deu lição de coragem contra o câncer

Márcia Cabrita (1964-2017) – Foto: Divulgação/Globo

Por Miguel Arcanjo Prado

A notícia da morte de Márcia Cabrita, com apenas 53 anos, nesta sexta (10), vítima de um câncer no ovário contra o qual lutou por sete anos, deixa o Brasil triste e sem graça.

Afinal, era uma atriz e humorista de grande talento e que conquistou o estrelato como a divertida doméstica Neide Aparecida, a empregada que substituiu a Edileuza de Claudia Jimenez no “Sai de Baixo”, programa histórico da década de 1990 na Globo.

Leia também

Márcia Cabrita como Neide Aparecida em “Sai de Baixo” – Foto: Ana Luiza/Divulgação/Globo

Conheci Marcia Cabrita em 2007, quando era repórter da revista Contigo!, recém chegado em São Paulo. Fazia a coluna de teatro da publicação, então dirigida por Denise Gianoglio e Felix Fassone, quando me foi dada a missão de entrevistá-la no Teatro Gazeta, na avenida Paulista, onde ela fazia com sucesso a peça “Toalete”.

Lembro que Marcia me aguardava na plateia do teatro vazio quando cheguei, para me contar um pouco de sua trajetória.

Simples e muito carismática, me deixou à vontade para fazer qualquer pergunta e me revelou que ainda se assustava com o sucesso popular, mas reforçou que este era fruto de árduo trabalho. Trabalho este que começou com o emblemático espetáculo de comédia “Subversões”, com Luis Salém e Aloísio de Abreu, que lançou a paródia “Meu Nome É Creuza”, do sucesso “O Amor e o Poder”, de Rosana.

Márcia Cabrita na peça “Toalete”, de 2007 – Foto: Naíra Messa/Divulgação

Naquele dia, ali, naquela plateia, falando sobre sua vida e carreira comigo, Márcia Cabrita estava feliz, desfrutando o sucesso conquistado, ainda sem saber que três anos depois receberia o diagnóstico que mudaria sua vida.

Mas ela não se esmoreceu quando ele veio. Lutou o quanto pode contra o câncer, erguendo a cabeça, não deixando de trabalhar e alegrar as pessoas, seguindo em frente e ainda compartilhando o tratamento com outras pessoas na mesma situação que era, no blog Força na Peruca, dando uma lição de coragem e persistência. Márcia Cabrita fará muita falta. Que descanse em paz.

Curta Miguel Arcanjo no Facebook
Siga Miguel Arcanjo no Instagram

Please follow and like us:
Morre pai do Padre Marcelo: “Até a eternidade” Colplay cancela shows no Brasil por doença de Chris Martin Marilyn Monroe, Blonde: Curiosidades do filme Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Arlete Salles brilha no Teatro das Artes