Com 15 mil pessoas, CineOP foca na preservação do cinema brasileiro

O ator Antonio Pitanga, que participou da 12ª CineOP, em Ouro Preto, Minas Gerais – Foto: Leo Lara/Universo Produção

Por Miguel Arcanjo Prado

Após seis dias com o cinema brasileiro em foco, chegou ao fim nesta segunda (26) a 12ª CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto. Cerca de 15 mil pessoas participaram das atividades do evento, segundo a Universo Produção, responsável pela mostra.

“Um dos diferenciais desta CineOP foi a união e a maturidade do setor da preservação em diálogo com a educação. Os profissionais do audiovisual, da preservação e acadêmicos aturam de maneira coletiva e compartilhada para enfrentar os desafios em busca de avanços e convergências entre cinema e educação”, fala a coordenadora geral da CineOP e diretora da Universo Produção, Raquel Hallak.

O encontro, já tradicional no calendário cinematográfico, discute a preservação do patrimônio audiovisual do Brasil. Neste ano, o tema foi “Quem conta a história do cinema brasileiro?”.

Público assiste ao filme “Pitanga”, exibido ao ar livre em Ouro Preto – Foto: Leo Lara/Universo Produção

Foram exibidos 76 filmes (13 longas, 4 médias e 59 curtas) vindos de 11 estados (RJ, SP, PE, RS, AC, MG, ES, DF, AM, PR, GO) e 2 países (Brasil e Cuba), divididos em mostras temáticas: Histórica, Preservação, Contemporânea, Educação, Mostrinha e Cine-Escola.

Além de exibições de filmes, como “Pitanga”, que conta a trajetória do ator Antonio Pitanga sob direção de Camila Pitanga e Beto Brant, houve ainda debates, oficinas, cortejo da arte, exposição, performance audiovisual, lançamento de livros e shows.

Foram homenageados o pesquisador, colecionador e dicionarista Antonio Leão, a montadora Cristina Amaral e o projeto Vídeo nas Aldeias, idealizado pelo indigenista e documentarista Vicent Carelli.

A montadora Cristina Amaral e o curador Francis Vogner dos Reis – Foto: Beto Staino/Universo Produção

Durante o evento foi elaborado o Plano Nacional de Preservação Audiovisual, documento fruto de um trabalho coletivo elaborado durante as edições da CineOP como parte integrante da programação do Encontro Nacional de Arquivos e Acervos Audiovisuais Brasileiros.

Participaram da elaboração do Plano os membros da ABPA – Associação Brasileira de Preservação Audiovisual, fundada na 3ª CineOP, em 2008, e preservadores audiovisuais de todo o Brasil.

Participantes do 12º Encontro Nacional de Arquivos e Acervos Audiovisuais e do Encontro da Educação do IX Fórum da Rede Kino – Foto: Leo Lara/Universo Produção

O Cine-Expressão, programa socioeducacional-cultural que une as linguagens educação e cultura, com foco na formação do cidadão a partir da utilização do audiovisual no processo pedagógico interdisciplinar, contou com a participação de 20 escolas da rede pública de ensino, beneficiando assim mais de 3.000 alunos e educadores. Foram realizadas nove sessões cine-escola e cine-debates, com 13 curtas e um longa, para crianças a partir de 5 anos e jovens a partir de 14.

Fernanda Hallak, Raquel Hallak e Quintino Vargas, responsáveis pela CineOP – Foto: Leo Lara/Universo Produção

Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Please follow and like us:
Brasil e Argentina se beijam na Copa do Mundo do Qatar 2022 Após críticas, Nômade Festival coloca negros com Erykah Badu Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana