Brincando em Cima Daquilo: Wilson de Santos é 1º homem a viver papel que foi de Marília Pêra

Wilson de Santos é primeiro homem no mundo a fazer a peça “Brincando em Cima Daquilo” – Foto: Mario Fontes

Por Miguel Arcanjo Prado

O ator e humorista Wilson de Santos, conhecido do grande público de novelas como “Kubanacan” e “Duas Caras”, na Globo, tem uma missão importante pela frente.

Ele é o primeiro homem no mundo a interpretar o famoso texto teatral “Brincando em Cima Daquilo” — defendido brilhantemente por Marília Pêra nos anos 1980 —, que estreia neste sábado (3), às 19h, no Teatro Renaissance, em São Paulo.

Dirigido por Marcelo Medici — com assistência de Beto Mettig —, ele vive três mulheres no texto criado por Dario Fo e Franca Rame — foi o próprio filho do casal de autores italianos, Jacopo Fo, quem autorizou Wilson a fazer a montagem.

“É um texto fascinante, uma comédia brilhante”, define o ator. “O Jacopo falou que havia recebido vários pedidos de homens para fazer a peça, mas nunca liberaram. Mandei vários trabalhos meus, inclusive com ‘Noviças Rebeldes’, com a Cia. Baiana de Patifaria, que foi a primeira montagem desse texto com homens no mundo e com a qual fomos para Nova York, e ele aprovou”, conta.

Wilson de Santos com o diretor e amigo Marcelo Medici: “Brincando em Cima Daquilo” – Foto: Mario Fontes

Mulheres fortes

A peça, que fala da opressão que as mulheres sofrem sem perder o bom humor, foi sucesso no Brasil com ninguém menos que Marília Pêra, considerada uma das mais talentosas atrizes.

“Foram três grandes montagens no Brasil: com a Marília Pêra, por quem sou apaixonado e que foi sempre tão generosa comigo, a com Denise Stoklos, que vi em Santos, em 1984, quando estava começando — lembro que tinha o Miguel Magno com direção do Antonio Abujamra, até hoje tenho comigo as sensações do espetáculo. E teve com a Débora Bloch, há dez anos”, conta Wilson.

Personagens femininas não são novidades na vida de Wilson de Santos. Ele fez sucesso recente como a freira desbocada Maria José em “A Noviça Mais Rebelde” e também como Bette Davis na obra “Bette Davis e Eu”.

Marília Pêra em “Brincando em Cima Daquilo” em 1986 – Foto: João Caldas

“O texto de ‘Brincando em Cima Daquilo’ é tão feminino, tão feminista, tão saboroso, que me sinto privilegiado em poder dar vida a essas mulheres apaixonantes e loucamente perdidas de amor”, diz o ator.

O diretor, Marcelo Medici, concorda com o peso do texto: “Penso que a comédia não precisa ser sempre considerada uma bobajada… Ela pode, e deve, ser crítica, questionadora, fazer denúncias. O humor é poderosíssimo e já passou da hora de ser apenas classificado como mero deboche”, defende.

A temporada de “Brincando em Cima Daquilo”, sempre aos sábados, 19h, vai até 12 de agosto no Teatro Renaissance (al. Santos, 2233, metrô Consolação), em São Paulo, com ingresso a R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia-entrada).

Volta à TV

Sobre por que está longe da televisão — seu trabalho mais recente foi “Surtadas na Yoga” na GNT em 2014 —, Wilson de Santos é franco: “É falta de convite. Meu último convite para fazer algo na Globo foi em 2010, mas estava em turnê com teatro e não pude aceitar. Espero que em breve surjam novos convites, tenho muita saudade de fazer televisão”, avisa o artista.

Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Please follow and like us:
Brasil e Argentina se beijam na Copa do Mundo do Qatar 2022 Após críticas, Nômade Festival coloca negros com Erykah Badu Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana