Brincando em Cima Daquilo: Wilson de Santos é 1º homem a viver papel que foi de Marília Pêra

Wilson de Santos é primeiro homem no mundo a fazer a peça “Brincando em Cima Daquilo” – Foto: Mario Fontes

Por Miguel Arcanjo Prado

O ator e humorista Wilson de Santos, conhecido do grande público de novelas como “Kubanacan” e “Duas Caras”, na Globo, tem uma missão importante pela frente.

Ele é o primeiro homem no mundo a interpretar o famoso texto teatral “Brincando em Cima Daquilo” — defendido brilhantemente por Marília Pêra nos anos 1980 —, que estreia neste sábado (3), às 19h, no Teatro Renaissance, em São Paulo.

Dirigido por Marcelo Medici — com assistência de Beto Mettig —, ele vive três mulheres no texto criado por Dario Fo e Franca Rame — foi o próprio filho do casal de autores italianos, Jacopo Fo, quem autorizou Wilson a fazer a montagem.

“É um texto fascinante, uma comédia brilhante”, define o ator. “O Jacopo falou que havia recebido vários pedidos de homens para fazer a peça, mas nunca liberaram. Mandei vários trabalhos meus, inclusive com ‘Noviças Rebeldes’, com a Cia. Baiana de Patifaria, que foi a primeira montagem desse texto com homens no mundo e com a qual fomos para Nova York, e ele aprovou”, conta.

Wilson de Santos com o diretor e amigo Marcelo Medici: “Brincando em Cima Daquilo” – Foto: Mario Fontes

Mulheres fortes

A peça, que fala da opressão que as mulheres sofrem sem perder o bom humor, foi sucesso no Brasil com ninguém menos que Marília Pêra, considerada uma das mais talentosas atrizes.

“Foram três grandes montagens no Brasil: com a Marília Pêra, por quem sou apaixonado e que foi sempre tão generosa comigo, a com Denise Stoklos, que vi em Santos, em 1984, quando estava começando — lembro que tinha o Miguel Magno com direção do Antonio Abujamra, até hoje tenho comigo as sensações do espetáculo. E teve com a Débora Bloch, há dez anos”, conta Wilson.

Personagens femininas não são novidades na vida de Wilson de Santos. Ele fez sucesso recente como a freira desbocada Maria José em “A Noviça Mais Rebelde” e também como Bette Davis na obra “Bette Davis e Eu”.

Marília Pêra em “Brincando em Cima Daquilo” em 1986 – Foto: João Caldas

“O texto de ‘Brincando em Cima Daquilo’ é tão feminino, tão feminista, tão saboroso, que me sinto privilegiado em poder dar vida a essas mulheres apaixonantes e loucamente perdidas de amor”, diz o ator.

O diretor, Marcelo Medici, concorda com o peso do texto: “Penso que a comédia não precisa ser sempre considerada uma bobajada… Ela pode, e deve, ser crítica, questionadora, fazer denúncias. O humor é poderosíssimo e já passou da hora de ser apenas classificado como mero deboche”, defende.

A temporada de “Brincando em Cima Daquilo”, sempre aos sábados, 19h, vai até 12 de agosto no Teatro Renaissance (al. Santos, 2233, metrô Consolação), em São Paulo, com ingresso a R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia-entrada).

Volta à TV

Sobre por que está longe da televisão — seu trabalho mais recente foi “Surtadas na Yoga” na GNT em 2014 —, Wilson de Santos é franco: “É falta de convite. Meu último convite para fazer algo na Globo foi em 2010, mas estava em turnê com teatro e não pude aceitar. Espero que em breve surjam novos convites, tenho muita saudade de fazer televisão”, avisa o artista.

Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Você pode gostar...