Jovens defendem liberdade sexual e combatem machismo e homofobia, diz diretor de Fortes Batidas

Fortes Batidas tem elenco jovem e clima de balada - Foto: Divulgação

Fortes Batidas tem elenco jovem e clima de balada – Foto: Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

Em clima de pré-Carnaval, um espetáculo paulistano põe público e artistas na mesma pista de dança. Trata-se de “Fortes Batidas”, peça de teatro imersivo que discute homofobia, machismo e intolerância sexual. A obra, que já ganhou prêmios, entre eles o APCA de melhor espetáculo em espaço não convencional, voltou ao cartaz no último fim de semana.

O autor e diretor Pedro Granato é experiente quando o assunto é diálogo com o público jovem, foco da montagem. “Primeiro passo foi trabalhar com atores jovens e não vir com ideias prontas. Deixar que eles propusessem cenas, caminhos, músicas. Fui ver e ouvir o que os atores gostavam. É muito comum a gente envelhecer e querer olhar para os mais jovens com superioridade, como se eles só tivessem a aprender com os mais velhos”, pondera.

O elenco é composto por 17 atores jovens. Granato conta que, quando passou a conviver mais com os adolescentes de hoje em dia, ficou muito feliz em ver como “estão mais desenvoltos em relação à sua sexualidade, com menos tabus e mais afirmação”.

“É uma geração que tem defendido sua liberdade sexual e batido de frente com o machismo e a homofobia. Veja o escândalo maravilhoso que é um show da Liniker, por exemplo. Isso em contraponto ao tsunami reacionário que estamos vivendo no mundo todo obviamente gera conflitos, e onde tem conflito tem uma boa história”, afirma.

Beijos na pista

Como já fez várias temporadas, o espetáculo conquistou fãs. No final da peça-balada, é comum notar casais se beijando intensamente, dançando de um jeito muito feliz.

“Tem gente que acompanha a peça desde a estreia no Centro Cultural São Paulo, dois anos atrás, já veio várias vezes, trouxe amigos. Já recebemos depoimentos delicados de como a peça relembrou um momento de virada na vida, o primeiro beijo, a descoberta de uma nova faceta da sua sexualidade”, conta o diretor.

Mas a diversão não fica só por conta dos adolescentes. “Gosto também da reação de pessoas mais velhas que se permitem entrar na onda, lembrar dos conflitos dessa época, se jogam na encenação imersiva na pista de dança. É bonito quando vejo senhores e senhoras se colocando em meio aos jovens e vibrando com a nova geração”, conclui.

“Fortes Batidas”
Quando: Sábado, 21h30. 70 min. Até 18/2/2017.
Onde: Teatro Pequeno Ato – Rua Teodoro Baima, 78, entre Ipiranga e Consolação, metrô República, São Paulo
Quanto: R$40 (inteira) e R$ 20 (meia)
Classificação etária: 16 anos

Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Please follow and like us:
Jô Soares sofre censura após morte Diário de Pilar na Grécia faz temporada no Teatro das Artes em SP O Deus de Spinoza estreia no Teatro Itália Bandeirantes Teatro nos Parques percorre SP e Brasil ‘Se fosse homem, teria mais visibilidade’, diz Eloisa Vitz