Transexual curitibana, Leonarda Glück faz sucesso no teatro e lança livro

A artista curitibana Leonarda Glück - Foto: Natália Marques

A artista curitibana Leonarda Glück: da Casa Selvática para a posteridade – Foto: Natália Marques

Por Miguel Arcanjo Prado

A dramaturga, diretora e atriz transexual curitibana Leonarda Glück não tem medo de enfrentar o mundo. Muito pelo contrário, faz disso sua arte. Em parceria com Editora Dybbuk, lança seu primeiro livro, “A Perfodrama de Leonarda Glück – Literaturas Dramáticas de Uma Mulher (Trans) de Teatro”, em 2 de julho, às 16h, na Casa Selvática, em Curitiba, sede de seu grupo Selvática Ações Artísticas.

Mas, o que é ser Leonarda Glück? Ela responde: “É amar a arte acima de todas as coisas. É entender que entre a guerra e a arte, a maior criação humana é a arte. É acreditar que a sensibilidade ainda é um caminho mais bonito de se trilhar do que o da economia mundial, tão aniquilador. É abraçar o teatro naquilo que ele tem de mais importante, e mais característico também, que é ser a arte do encontro. Teatro é encontrar-se a si próprio de pé na sua própria frente: é fazer uma visita a si mesmo”, define-se ao Blog do Arcanjo do UOL.

O livro é apenas um aperitivo de sua produção farta. “Se fosse colocar todas as peças que escrevo daria uma bíblia, com mais de mil páginas”, avisa. Ela conta que, por ser uma escritora transexual, conseguir lançar um livro não foi fácil. “O Brasil é um país que lê pouco e que desenvolve muito preconceito”, pontua. Mesmo assim, batalhou até deixar “registrada para a posteridade” parte de usa obra “para ser apreciada pelas gerações futuras”.

Leonarda Glück no camarim: livro com seis peças - Foto: Daiane Marcon

Leonarda Glück no camarim: livro com seis peças – Foto: Daiane Marcon

Adepta de um teatro que busca “gerar reflexão”, Leonarda revela seus “mestres inspiradores”: “Eugène Ionesco, Samuel Beckett, Fernando Arrabal, Alfred Jarry, Heiner Müller e por aí vai, a lista é longa”. E faz uma ressalva: “Homens em sua maioria, e homens de teatro. Se há algum pioneirismo nisso que eu estou fazendo, é por se tratar, dessa vez, de uma mulher que dedicou sua vida e sua carreira profissional ao teatro, portanto, uma mulher de teatro, e mais, uma mulher trans”.

Ela conta que, por problemas de agenda, não conseguiu se encontrar com a dramaturga transexual escocesa Jo Clifford, que esteve no Brasil no último mês. E avisa: gosta de escrever sobre todos os aspectos da vida humana, “sem que tenha necessariamente que me ater à questão da transexulidade em si”.

Cada vez mais respeitada no mundo teatral, Leonarda quer ver seus textos montados em novos lugares. “A ideia de publicar se presta justamente para que outros grupos, coletivos, professores, estudantes, diretores e artistas de teatro em geral possam ter contato com meus textos e, se assim desejarem, montá-los no futuro”.

Quando pensa em ser desvendada por quem desconhece, demonstra empolgação: “É bastante excitante criativamente a sensação de ter um texto seu montado por pessoas a quem você não está intimamente ligado, mas que pode eventualmente vir a ser. É uma sensação de compartilhamento muito prazerosa. Se isso resulta em uma peça boa, melhor ainda”.

Lançamento do livro:
“A Perfodrama de Leonarda Glück – Literaturas Dramáticas de Uma Mulher (Trans) de Teatro”
Editora: Dybbuk
Quanto: R$ 60 cada exemplar
Quando:
2/7/2016, sábado, 16h
Onde: Casa Selvática – Rua Nunes Machado, 950, Rebouças, Curitiba

Saiba mais sobre  os artistas nos palcos!

Você pode gostar...