Quase fora da TV, Jô Soares faz “Histeria” com Freud e Dalí

Cassio Scapin e Pedro Paulo Rangel em "Histeria" - Foto: Priscila Prade/Divulgação

Cassio Scapin e Pedro Paulo Rangel em “Histeria” – Foto: Priscila Prade/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

No ano em que encerra seu “Programa do Jô” na Globo, Jô Soares quer se aproximar mais do teatro. E escolheu este retorno, após quase três anos de ausência, com uma peça vista por ele em Paris 13 anos atrás ao lado de Bete Coelho e Mika Lins e que o deixou impressionado: “Histeria”, do britânico Terry Johnson. “Fiquei atraído pelo encontro de dois mitos: Freud e Salvador Dalí”, conta Jô ao UOL.

Jô Soares: ele mesmo traduziu a peça - Foto: Divulgação

Jô Soares: ele mesmo traduziu a peça – Foto: Divulgação

Mais de uma década depois, o espetáculo estreia nesta sexta (6), no Tuca, em São Paulo, tendo como pano de fundo o encontro de um grande nome da ciência com outro gênio da arte: o pai da psicanálise Sigmund Freud (1856-1939) e o pintor surrealista Salvador Dalí (1904-1989).

“Além de se tratar de um encontro que realmente aconteceu, me fascinou a loucura que aparece nesses dois personagens, no momento em que a Europa está prestes a entrar numa guerra total”, diz Jô sobre a peça, ambientada pouco antes de começar a Segunda Guerra.

Jô revela ainda que, antes mesmo de conseguir comprar os direitos da obra, já havia traduzido o texto. “Geralmente quando eu pego um espetáculo para dirigir, eu sempre faço a tradução e a adaptação porque a direção já inicia nesses dois processos. A não ser quando se trata de um texto nacional de um autor conhecido, ou não, eu sigo direto para a direção, se não, eu sempre prefiro fazer a adaptação”, conta ao blog.

O enredo faz o público viajar até 1938, quando Dalí visitou Freud, já acamado e bem próximo da morte, em Londres, após este fugir do nazismo. Ao encontrar Freud, Dalí vê nele a representação concreta de seus sonhos surrealistas.

Freud e Dalí

Cassio Scapin é quem vive Dalí, enquanto que Pedro Paulo Rangel interpreta Freud — este último entrou na peça de última hora, depois que Antônio Petrin pediu para deixar a peça por recomendação médica devido a uma estafa.

“Eu cheguei muito em cima da hora, foi uma substituição às pressas, e o elenco inteiro me deu muita cobertura. Não poderia ser de outra maneira, somos todos colegas de profissão e estamos todos no mesmo barco. É um por todos e todos por um”, define Rangel em conversa com o UOL. “Sou muito grato pelo apoio que estou recebendo. Já trabalhei muitas vezes com o Jô, então, temos intimidade”, complementa.

O ator aproveita o papo para fazer uma revelação sobre seu personagem: “Nada me fascina no Freud. Devo ter lido umas quatro orelhas de livro dele, no máximo. Porque todas as terapias que fiz são anti-freudianas. Mas isso não impede que eu faça esse personagem”, avisa.

Pedro Paulo Rangel é Freud - Foto: Priscila Prade/Divulgação

Pedro Paulo Rangel é Freud – Foto: Priscila Prade/Divulgação

Bastante parecido com Dalí por conta da caracterização, Scapin diz que interpretar o surrealista “é bárbaro”. E lembra que é a segunda vez que trabalha com Jô, com quem fez “O Libertino”. “Estamos muito bem apoiados no Jô. Fiz um trabalho grande de pesquisa, li muito a respeito, esperamos que o público goste”, diz ao blog.

Sobre o jogo com o novo colega, fala que os últimos dias foram de “força-tarefa”: “O Pedro Paulo Rangel veio de última hora, o Petrin, que é um querido, estava muito cansado e optou por deixar a peça. O Pedro Paulo é excelente comediante e um colega carinhoso. Conseguimos reorganizar o espetáculo neste curto espaço de tempo”, revela. O elenco ainda traz Erica Montanheiro e Milton Levy.

Cassio Scapin é Salvador Dalí - Foto: Priscila Prade/Divulgação

Cassio Scapin é Salvador Dalí – Foto: Priscila Prade/Divulgação

Jô acha que “Histeria” tem tudo a ver com o Brasil atual, que vive uma espécie de histeria coletiva, em sua visão, por conta de política, com pessoas se agredindo de forma gratuita, por pensarem diferente. O apresentador recentemente abordou o assunto em seu programa, citando os exemplos de José de Abreu e Chico Buarque, recentemente agredidos verbalmente em lugares públicos. “Eu fico indignado com esse tipo de atitude”, falou, emocionado.

“Histeria”
Quando: Sexta e sábado, 21h,domingo, 19h. 105 min. Até 31/7/2016
Onde: Teatro Tuca – Rua Monte Alegre, 1024, Perdizes, São Paulo, tel. 11 3670-8455
Quanto: R$ 50 (sexta), R$ 60 (sábado) e R$ 70 (domingo)
Classificação etária: 14 anos

Cassio Scapin, Milton Levy, Pedro Paulo Rangel e Erica Montanheiro - Foto: Priscila Prade/Divulgação

Cassio Scapin, Milton Levy, Pedro Paulo Rangel e Erica Montanheiro – Foto: Priscila Prade/Divulgação

Please follow and like us: