“Se acha sensual, é problema seu”, diz diretor Jorge Takla sobre polêmica Jesus Cristo Superstar

Martírio de Jesus ao ritmo de rock n’ roll: Igor Rickli interpreta Cristo no musical – Foto: Bob Sousa

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Fotos de BOB SOUSA

Quase 45 anos depois de seu lançamento na Broadway, o musical Jesus Cristo Superstar ainda consegue causar polêmica.

Negra Li é Maria Madalena na peça – Foto: Bob Sousa

O foco da vez é a imagem de divulgação da versão brasileira do espetáculo, que traz o Igor Rickli, que vive Jesus, sem camisa, com a coroa de espinhos e a mão nos bolsos de uma calça.

A superprodução que estreia no Teatro do Complexo Ohtake Cultural nesta sexta (14) tem direção de Jorge Takla e produção da T4F.

Apesar de confidenciar à reportagem, nos bastidores da coletiva de imprensa de lançamento da montagem, que “polêmica ajuda a vender ingresso”, o diretor Jorge Takla afirmou que não quer ofender ninguém com a imagem.

— A imagem que a Igreja Católica tem de Jesus é semelhante à nossa. Toda igreja tem um Jesus sem camisa, com coroa de espinhos e com a fraldinha. Nós ainda estamos com calça jeans no nosso.

O diretor afirma que a escolha de Rickli para o papel não foi dele. E revela que havia três atores finalistas para o papel, e que a decisão final partiu do escritório londrino que detém os direitos da montagem do musical de Andrew Lllowd Webber e Tim Rice.

Takla conta que fez uma versão “mais clean” em comparação com o original, “mais hippie”. A versão para as letras, elogiada pelo diretor, é assinada por Bianca Tadini e Luciano Andrey. A coreografia é de Anselmo Zolla.

“É problema seu”

Questionado pelo R7 sobre a sensualidade da foto de divulgação, o diretor fez a seguinte afirmação:

Igor Rickli, ainda de camisa, na cena do Gólgota – Foto: Bob Sousa

— Se você acha que é sensual, é um problema seu. Eu não acho. Mas tenho de dar parabéns ao departamento de marketing.

Rickli contou que já sente a reação das pessoas diante da polêmica em torno de seu personagem.

— Algumas pessoas ficaram ofendidas, outras gostaram [da foto de divulgação com ele sem camisa]. Eu me simpatizo com a figura de Cristo. Ontem, no ensaio aberto, muitas pessoas disseram que o musical conseguiu tocá-las. Quanto a estar sem camisa no cartaz, é um tabu que está na cabeça das pessoas.

Takla fez questão de dizer que é “católico e cristão”. E que respeita todas as religiões.

— O Brasil é um país laico. Essa peça não fere em nada minha fé. É normal uma obra de arte gerar polêmica. Ela serve para isso. Todo mundo tem o direito de não gostar como temos o direito de nos expressar. Polêmica é normal, acho saudável.

Durante a entrevista coletiva de lançamento do espetáculo, na última segunda (10), Takla dizia aos jornalistas que aproveitassem a passagem de cena, porque depois “teriam de comprar ingressos para ver”. O problema foi que a luz do teatro acabou justamente na cena da crucificação, na qual Rickli fica sem camisa, deixando a todos no escuro.

Jesus Cristo Superstar
Quando: quinta e sexta, 21h; sábado, 17h e 21h; domingo, 18h. 130 min. Até 8/6/2014.
Onde: Teatro do Complexo Ohtake Cultural (r. Coropés, 88, Pinheiros, tel. 0/xx/11 3728-4929)
Quanto: de R$ 25 (meia) a R$ 230
Classificação etária: 12 anos

Cena da crucificação de Jesus Cristo Superstar: luz acabou no minuto seguinte – Foto: Bob Sousa

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Please follow and like us:

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    Não acho sensual, acho apelativo. E faltar luz na cena da crucificação parece até castigo divino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil e Argentina se beijam na Copa do Mundo do Qatar 2022 Após críticas, Nômade Festival coloca negros com Erykah Badu Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana