Crítica: Nossa Cidade ressuscita o simples da vida

Tempos que jamais voltam: a interiorana família Webb, de Nossa Cidade, espetáculo de Antunes Filho, feita pelos atores Mateus Carrieri, Fagundes Emanuel, Luiza Lemmertz e Sheila Faermann – Foto: Emidio Luisi

Por Miguel Arcanjo Prado

Somos reflexos perenes do lugar de onde viemos, da cidade e da sociedade na qual nascemos e fomos forjados. Por mais que fujamos de tudo em busca de um futuro utópico, é para nossa cidade, nosso lugar, nossa gente, que voltamos nos momentos de incerteza e insegurança, porque é lá que está o arrimo, a raiz, qualquer possibilidade de felicidade. Em sua vida simples.

O espetáculo Nossa Cidade, reconstrução de Antunes Filho e seu Centro de Pesquisa Teatral para texto escrito pelo norte-americano Thornton Wilder em 1938, é embutido de tal poesia.

Aquele cotidiano simples e ordinário que não tinha valor quando vivido em seu presente ganha cores e viços novos quando olhado do futuro, no qual já não pode mais ser retomado. Quando só resta a emoção de se lembrar.

Assim como o diretor de cena da peça, uma espécie de narrador que volta para contar a vida em sua cidade, Antunes Filho também volta ao passado nesta montagem, já que por pouco não a encenou como ator em seu começo de vida artística. Ficou com esta dívida com seu passado que agora paga, à sua maneira.

Humanidade

A peça expõe com toda a simplicidade do mundo e foco na humanidade uma cidade pequena do interior dos Estados Unidos no começo do século 20 – cidade esta que serve de metáfora para a ideologia nacionalista norte-americana que fez do país o vencedor bélico do século.

A pequena cidade conservadora é o lugar onde o orgulho nacionalista e religioso são alguns dos poucos trunfos disponíveis; lugar onde a inteligência questionadora sede espaço para o lado prático da vida, que urge em passar sem grandes arroubos ou alardes.

É assim que a plateia acompanha a vida das famílias Webb e Gibbs, entre o nascer e o pôr do sol no desenrolar dos anos.

O diretor Antunes Filho, sobre Nossa Cidade: “O espetáculo é crítico e bastante irônico, mas muito amoroso”; leia a entrevista – Foto: Bob Sousa

Antunes acerta em incluir nomes com mais experiência de vida e de palco em seu Grupo de Teatro Macunaíma, para dar peso ao elenco majoritariamente jovem. E os mais velhos se sobressaem.

Mateus Carrieri traz o peso de um pai que crê no futuro limitado que dá aos filhos. Antonio de Campos também dá truculência a seu professor Willard Schünemann, que, assim como seu país, não se ressente em passar por cima de todos ditos inferiores que estiverem no caminho.

Felipe Hofstatter também deixa claro o desespero urgente de seu personagem Simon, espécie de sabedor da verdade que não quer ser ouvida na pequena cidade e que se vê obrigado a discursar ferozmente para o vento. E Leonardo Ventura aposta na fala sisuda que vai perdendo o tom gutural ao longo da peça para dar vida a seu narrador.

Consumo e vida simples

O registro escolhido para a atuação do elenco – que em muito lembra filmes épicos da Hollywood da primeira metade do século 20 – serve de metáfora à própria auto-representação que tanto tem acolhida na vida norte-americana, povo crente de ser o escolhido divino para liderar e subjugar o mundo.

Uma nação nascida de uma ideia construída e cujo símbolo maior, por ironia, é a estátua da Liberdade ofertada pela França – presente no palco de forma debochada. Sociedade que crê no que se é possível ter materialmente. Fruto da sede de consumo que venceu e transformou a todos em mercadorias expostas nas gôndolas da vida e da internet. Infelizmente, boa parte da sociedade brasileira atual busca tal modelo para imitar sem nenhum tipo de questionamento político.

E é aí que Antunes cresce em sua reconstrução de Nossa Cidade. Ele coloca o dedo justamente nesta ferida, esmiuçando tal perspectiva consumista-nacionalista que nega a beleza da vida simplesmente vivida sem tantas demandas e representações para o outro ou si mesmo.

Este é o grande recado da peça: a vida passa rápido. E o mais belo dela é sua beleza simples e fugaz. É preciso enxergar o presente, vivê-lo em lugar de enfatizar um eterno lamentar com olhos no futuro, enquanto se cultiva uma solidão mórbida compartilhada nos meios virtuais.

Porque quando o futuro chega, é para trás que se olha e, geralmente, com nostalgia. É preciso estar atento para que tal recordar não seja feito de culpa, vazio e dor.

Nossa Cidade
Avaliação: Muito bom
Quando: Sexta e sábado, 21h; domingo, 18h. 90 min. Até 8/12/2013
Onde: Teatro Anchieta do Sesc Consolação (r. Dr. Villa Nova, 245, Vila Buarque, Metrô Santa Cecília, São Paulo, tel. 0/xx/11 3234-3000)
Quanto: R$ 32 (inteira); R$ 16 (meia-entrada): e R$ 6,40 (comerciários e dependentes)
Classificação etária:12 anos

Leia mais sobre Antunes Filho e Nossa Cidade


Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Please follow and like us:

3 Resultados

  1. Felipe disse:

    O responsável pela escalação/seleção de elenco está de parabéns: Fagundes Emanuel se parece com Mateus Carrieri e Sheila Faermann se parece com Luíza Lemmertz. A foto parece realmente de um álbum de família. Brilhante isso de escalar atores fisicamente parecidos para os papeis de pais e filhos! Torna a peça mais crível.

  1. 06/10/2013

    […] Crítica: Nossa Cidade ressuscita o simples da vida […]

  2. 28/10/2013

    […] – Sé-SPAvaliação: Nossa Cidade – Vila Buarque-SPAvaliação: Eros Impuro – República-SPAvaliação: Vestido de Noiva – Barra Funda-SPAvaliação: […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Crítica | Anitta maceta sons do Brasil no álbum À Procura da Anitta Perfeita e supera críticas com hits do verão Brasil e Argentina se beijam na Copa do Mundo do Qatar 2022 Após críticas, Nômade Festival coloca negros com Erykah Badu Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP