Com hippies no Ibirapuera, Hair se despede de SP

Sem tempo para ser careta, em busca da paz e do amor: se o musical original era no Central Park, em Nova York, a montagem paulistana de Hair se encerra neste fim de semana no Ibirapuera - Foto: Guga Melgar

“Já faz tempo eu vi você na rua, cabelo ao vento, gente jovem reunida. Na parede da memória essa lembrança é o quadro que dói mais.”

Os versos de Como Nossos Pais, canção de Belchior imortalizada por Elis Regina, parecem feitos sob medida para definir o musical Hair, assinado pelos tarimbados Charles Möeller (direção) e Claudio Botelho (versão), que encerra temporada paulistana neste fim de semana, no Auditório Ibirapuera, com ingressos esgotados.

A mais famosa dupla dos musicais brasileiros conseguiu dar fôlego novo ao histórico texto de Gerome Ragni e James Rado e às músicas consagradas compostas por Galt MacDermot, como Aquarius e Deixa o Sol Entrar.

A remontagem do clássico que estreou em um pequenino teatro nova-iorquino, em 1967, e logo ganhou a Broadway, em 1968, tem cara e vida própria. Se a história por si só é ótima – uma tribo de hippies nova-iorquinos, dentre os quais um, Claude, é convocado para lutar na sanguinária Guerra do Vietnã –, o mesmo se pode dizer de parte do elenco escolhido em uma audição que reuniu 5.000 candidatos – em um exaustivo trabalho de casting capitaneado por Marcela Altberg.

Visto em 2010, Hair ainda mexe com nossos brios juvenis. Dá vontade de ter sido como nossos pais – ou avós – já que os jovens dos fins dos anos 60 hoje colecionam cabelos brancos. Vontade que vem daquela rebeldia contra o “sistema” exposta no palco, cheia de uma gana de viver uma vida utópica. Uma vida idealizada e, como tudo que é idealizado, difícil demais para ser real para sempre.

Os jovens no palco de Hair mostram que um dia a humanidade – ou pelo menos parte dela – já tentou ser menos egoísta e mesquinha. Desejou transformar o prazer em forma de vida. Mas esse caminho de liberdade extrema cobrou mais tarde seu preço. E aqueles jovens cabeludos e doidões educaram filhos caretas.

Culpa dessa própria geração libertária que, após abrir mão de carreira, dinheiro e canudo por uma felicidade utópica e, talvez, não alcançada, resolveu ensinar a seus descendentes o amor pelo vil metal, casado à tal história de “subir na vida”.

Hair mostra maturidade da Aventura Produções – responsável por musicais que encheram os olhos das plateias brasileiras no últimos tempos, como A Noviça Rebelde e O Despertar da Primavera, isso para ficar só em dois bons exemplos. Profissionais tarimbados cercam a montagem de força e brilho, como a luz psicodélica de Paulo César Medeiros, que embala as viagens daquela tribo, ou o metaforicamente abandonado cenário de Rogério Falcão, que abriga sonhos e decepções.

Ironicamente, a volta dos hippies de Hair é regida pelas regras do mercado. Remontado há pouco tempo diante de um Central Park lotado, o texto mostrou que ainda tinha (muito) fôlego para lotar grandes teatros mundo afora. E os produtores, como não são bobos, logo trouxeram a turma do “paz e amor” de volta. Os corpos malhados dos atores brasileiros da temporada atual denotam a subserviência aos padrões, que vai de encontro ao discurso proposto pela obra.

Se estamos hoje menos utópicos e mais pé no chão do que a geração de 1968, aquela que não terminou, como definiu Zuenir Ventura, ainda temos (pelo menos alguns) uma sede de felicidade, liberdade e justiça social – sem bandeiras de um partido político, que fique bem claro.

De olho neste sentimento persistente, Möeller e Botelho fizeram questão de manter muito do Hair original: a interação com a plateia, as coreografias bem trabalhadas – assinadas pelo competente Alonso Barros – e até o emblemático e não gratuito nu frontal do elenco ao fim do primeiro ato, apesar de não mais chocar como há 40 anos.

O diretor musical Marcelo Castro ressaltou nos arranjos a competência vocal do elenco, já que as canções são executadas ao vivo acompanhadas por uma banda no palco.

O elenco da montagem carioca se deu melhor do que o da montagem paulistana. Mantido, Hugo Bonemer dá a exata medida da solidão e busca de alguma certeza que vive seu personagem, o jovem Claude, convocado pela pátria para matar vietnamitas. Já Kiara Sasso, que entrou na temporada paulista, não se dá bem como a jovem grávida Jeanie, que no Rio foi brilhantemente interpretada por Letícia Colin. Kiara passa do ponto na caricatura, o que destoa do tom proposto pela obra. Bruna Guerin, mantida do elenco carioca, reforça a veia cômica que se alia à sua beleza loira em uma construção caricata, porém interessantíssima, da careta mãe de Claude.

Outro destaque tanto no Rio quanto em São Paulo é Reynaldo Machado [que deixou a montagem nesta última semana], que mostra uma voz de cair o queixo, além de toda a beleza e força negra no palco, na pele de Hud. Para completar, Carol Puntel, a doce filha mais velha do capitão Von Trapp de A Noviça Rebelde, ressurge interessantíssima como aquela garota idealista que ia mudar o mundo, como cantou Cazuza.

E, por falar em Cazuza, quando o pano cai em Hair, com o público e elenco cantando juntos no palco Deixa o Sol Entrar, dá vontade de sair por aí gritando: “Ideologia, eu quero uma pra viver!”

Hair
Avaliação: bom
Quando: sábado, às 21h; e domingo, às 19h. Até 29/4/2012
Onde: Auditório Ibirapuera, no parque Ibirapuera, SP
Quanto: R$ 20 (ingressos esgotados; haverá fila na porta, no horário da apresentação, para vender ingressos de desistentes)
Classificação: 14 anos

Por trás do pano – rapidinhas teatrais

Erika Riedel inaugura coluna na SP Escola de Teatro

Saiba como ver a peça de Gianecchini de graça

Leia outras reportagens do blog Atores &  Bastidores!

Descubra agora os segredos de toda miss!

 

Please follow and like us:

2 Resultados

  1. tiego disse:

    eu nao consegui ingresso e queria que continuasse por favor!

  1. 02/05/2012

    […] esteve em cartaz até o fim do mês com o musical Hair, no Teatro Shopping Frei Caneca e no Auditório Ibirapuera, em São […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso