Amor negro embala hit de Gui Ventura com o Coletivo IMuNe, Preta Iabá

Por Miguel Arcanjo Prado

Ele é cheio de gingado, tem um sorriso cativante, é bom cantor e compositor e ainda é também um dançarino de personalidade farta. Fora o charme da barba unida ao volumoso black power. Tudo isso cabe na descrição de Gui Ventura, responsável pelo novo hit do Coletivo IMuNe, grupo que vem balançando as velhas estruturas da nova música brasileira. Lançado nesta segunda (2), Preta Iabá ressalta ressalta a importância do amor e do afeto entre pretas e pretos. A música aposta na arte do encontro, prestando ainda celebração à mãe das águas, Iemanjá. O clipe foi comandado por Celina Barbi, diretora que vem fazendo bonito nos vídeos do Instante da Música Negra. Ele traz “uma fertilidade de criação artística, que constrói um mundo onde tudo de mais belo é possível entre esses sujeitos”, como define o músico. “Assim essa mulher amada, a Preta Iabá, é criatura e criadora, exaltada para além do que os olhos alcançam, mas na potência subjetiva e inteligível dessa mulher negra”, pontua o compositor. A multiartista mineira Ana Elisa Gonçalves foi especialmente convidada para coprotagonizar o clipe com Ventura. O Coletivo IMuNe abarca seis artistas potentes da nova música brasileira. Todos negros. São eles: Bia Nogueira, Cleopatra, Gui Ventura, Maíra Baldaia, Raphael Sales e Rodrigo Negão. Neste 2020, lançam oito singles e oito videoclipes — sob direção musical de Débora Costa —, como Podemos Fazer, já visto por mais de 73 mil pessoas no canal oficial da turma no YouTube. O Blog do Arcanjo mostra, a seguir, o clipe Preta Iabá:

Miguel Arcanjo Prado é jornalista, mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela USP e bacharel em Comunicação Social pela UFMG. Eleito três vezes pelo Prêmio Comunique-se um dos melhores jornalistas de Cultura do Brasil. Nascido em Belo Horizonte, vive em São Paulo desde 2007. É crítico da APCA, da qual foi vice-presidente. Passou por Globo, Record, Folha, Contigo, Editora Abril, Gazeta, Band, Rede TV e UOL, entre outros. Desde 2012, faz o Blog do Arcanjo, referência no jornalismo cultural. Em 2019 criou o Prêmio Arcanjo de Cultura no Theatro Municipal de SP. Em 2020, passou a ser Coordenador de Extensão Cultural e Projetos Especiais da SP Escola de Teatro e começou o Podcast do Arcanjo em parceria com a OLA Podcasts. Foto: Bob Sousa.

Siga @miguel.arcanjo

Ouça o Podcast do Arcanjo

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *