Carnaval de BH espera 5 milhões de pessoas e diz que é de todo mundo

Carnaval de Belo Horizonte espera público de 5 milhões em 2020; na imagem o bloco Corte Devassa desfila no bairro Floresta com o centro da capital mineira ao fundo – Foto: Nereu Jr./UOL – Blog @miguel.arcanjo UOL

Enviado especial a Belo Horizonte (MG)* – Belo Horizonte espera o maior Carnaval de sua história com 5 milhões de pessoas nos mais de 500 blocos de rua, desfile das escolas de samba e dos blocos caricatos e palcos espalhados pelas nove regionais, tudo com programação gratuita nos próximos dias. O lema este ano é: “O Carnaval de Belo Horizonte é de todo mundo!” e o foco é combater qualquer tipo de preconceito na festa, conscientizando os foliões a respeitarem as diferenças. Para que a festa seja bonita, a capital mineira, chamada de cidade criativa, se prepara para receber bem os turistas — os mineiros têm fama de serem exímios anfitriões —, vindos não só do interior mineiro como de toda parte do país, já que a fama do redescoberto Carnaval de BH corre todo o Brasil com seus blocos para todos os gostos.

Bloco Afro Angola Janga desfila no Carnaval BH em 2018 – Foto: Nereu Jr/UOL Blog @miguel.arcanjo

Os cantores Leopoldina Azevedo, Raphael Sales e Gustavito comandam o desfile do Pena de Pavão de Krishna no Carnaval de BH – Foto: Israel Campos/Divulgação PPK – @miguel.arcanjo UOL

Blocos para todos os gostos

Para ficar só em alguns exemplos da diversidade da festa, há desde o bloco indiano-baiano-mineiro Pena de Pavão de Krishna, na manhã de domingo de Carnaval com seus foliões da paz e do amor pintados de azul, como também a força afro avassaladora do Angola Janga com suas 100 mil pessoas negras em festa no centro na tarde do mesmo dia. No pré-Carnaval, já foram destaque as feministas do Sagrada Profana e o bloco Como Te Lhama?, com imigrantes latino-americanos, como a cantora chilena Claudia Manzo, fazendo a reconexão com nossa tão esquecida latinidade.

Detalhe do desfile da Sagrada Profana no pré-Carnaval de BH 2020 – Foto: Isis Medeiros/Área de Serviço/Belotur/Divulgação Blog @miguel.arcanjo UOL

Detalhe do desfile do Como Te Lhama? no pré-Carnaval de BH 2020 – Foto: Nereu Jr./Área de Serviço/Belotur/Divulgação Blog @miguel.arcanjo UOL

Chewbacca de Stars Wars desfila no bloco Unidos da Estrela da Morte no Carnaval de BH 2018 – Foto: Cacá Lanari/Divulgação/Belotur – Blog @miguel.arcanjo UOL

Ainda se destacam na festa o excesso de purpurina do Então, Brilha!, que carrega uma multidão no amanhecer do sábado de Carnaval no centro; o Volta Belchior, que celebra na tarde do mesmo dia no boêmio bairro de Santa Tereza o músico cearense; a Corte Devassa, com seus artistas vestidos de época e com presença de nomes como Lira Ribas e Marcelo Veronez; e o Unidos da Estrela da Morte, que encanta os nerds com seus foliões vestidos de personagens da saga cinematográfica “Guerra nas Estrelas”.

Conheça a programação completa do Carnaval de BH

Leia também: “Cenário é de desespero”, dizem blocos do Carnaval de BH em nota

Desfile do bloco Então, Brilha! no Carnaval de BH 2017 – Foto: Nereu Jr./UOL Blog @miguel.arcanjo

O cantor Marcelo Veronez e a atriz Lira Ribas no bloco Corte Devassa no Carnaval de BH 2018 – Foto: Nereu Jr/UOL Blog @miguel.arcanjo

Números gigantes

As três últimas edições do Carnaval de BH foram gigantes: 3 milhões de foliões em 2017, 3,8 milhões em 2018 e 4,3 milhões em 2019, quando a festa chegou a 23 dias. Gerida pela Belotur, órgão público municipal promotor do turismo na cidade, a folia belo-horizontina engloba 40 instituições municipais, estaduais, federais e privadas que se unem para que tudo dê certo. O montante da festa é de R$ 6 milhões em verba direta, mais R$ 8,3 milhões em planilhas de estruturas e serviços.

Casal de mestre-sala e porta-bandeira da Acadêmicos de Venda Nova, escola campeã do Carnaval de BH 2019 – Foto: Julia Lanari /Divulgação/Belotur – Blog @miguel.arcanjo UOL

Folia politizada

Um forte Carnaval de rua é algo relativamente novo na capital mineira. Ele é fruto, sobretudo, de um movimento surgido espontaneamente nas ruas de Belo Horizonte e no começo sem qualquer tipo de ajuda do poder público. A folia renasceu em grande parte por conta da garra de jovens universitários e antigos moradores dos bairros, que resolveram retomar a festa.

Esta turma resolveu movimentar BH, antes cidade-dormitório nesta época do ano, criando blocos que na última década se espalharam pelos quatro cantos da cidade. Mas, os foliões pioneiros não se esquecem que, no começo, a folia foi duramente reprimida pelo então prefeito Márcio Lacerda — que chegou a proibir festas em espaços públicos da capital mineira. Mas isso só tornou a folia mais forte ainda. E altamente politizada desde então.

Os bailarinos Tiphany Gomes e Eduardo Moreira fazem protesto por Marielle Franco durante desfile do bloco Chama o Síndico no Carnaval de BH 2019 – Foto: Nereu Jr./UOL – Blog @miguel.arcanjo UOL

Por isso, em BH, o Carnaval de Rua é visto pelos seus frequentadores como “um ato político” — majoritariamente, à esquerda —, com foliões que defendem veementemente a ocupação das ruas em festa com seus corpos diversos e libertos.

Pioneiros na folia

Mas, o Carnaval de Belo Horizonte não é novidade de dez anos para cá. Apesar de vivermos no Brasil sem memória, não custa lembrar que ele existe desde 1897, quando os operários que construíram a primeira capital planejada do Brasil resolveram fazer um desfile de carros e carroças que partiu da Praça da Liberdade até a Avenida Afonso Pena — até hoje local de desfile de escolas de samba e blocos caricatos, que neste ano será na segunda (24) e terça (25), sempre a partir das 18h.

Desfile da Banda Mole no Carnaval de BH na década de 1980 – Foto: Arquivo Público de Belo Horizonte/Divulgação – Blog @miguel.arcanjo UOL

Outro bloco tradicional da folia mineira e que resistiu mesmo nos anos mais parados é a Banda Mole, fundada em 1975 e que celebrou seus 45 anos no último sábado (15), lotando a Afonso Pena. Mas o primeiro bloco foi o Leão da Lagoinha, no bairro de mesmo nome, surgido em 1947 e existente até hoje — ele abrirá o desfile dos Blocos Caricatos. Já a primeira escola de samba foi a Agremiação Pedreira Unida, com moradores da vizinha Pedreira Prado Lopes, uma das maiores comunidades de BH.

Corte Momesca do Carnaval de Belo Horizonte 2020 – Foto: Área de Serviço/Belotur/Divulgação Blog @miguel.arcanjo UOL

Nos anos 1970, os blocos ganharam mais força e os desfiles de escolas de samba viveram seu auge na década de 1980, quando surgiu também o primeiro bloco afro da cidade, o Afoxé Ilê Odara, fundado pela ialorixá Dona Oneida Maria da Silva Oliveira, a Mãe Gigi, no bairro Aparecida. Em seu primeiro desfile, o bloco entoou: “Vem meu povo, olha quem chegou, Afoxé Ilê Odara, o primeiro de Belô”. Hoje, seguindo essa tradição, quem abre o desfile das escolas de samba na terça (25) é o Afoxé Bandarerê.

Primeiro bloco afro de Minas Gerais, o Afoxé Ilê Odara desfila na av. Afonso Pena no Carnaval de BH em 1986 com o tema “Menino do Bloco” – Foto: Arquivo Afoxé Ilê Odara/Divulgação – Blog @miguel.arcanjo UOL

Respeitando a ancestralidade afro da capital mineira, o Carnaval de BH é aberto nos últimos anos com o Kandandu, famoso encontro de blocos afro de Belo Horizonte, que neste ano vai homenagear os 20 anos do Bloco Oficina Tambolelê. Serão duas apresentações: na sexta-feira, dia 21, a partir de 18h, e no sábado, dia 22, a partir de 16h, na Praça da Estação.

É fato que após a efervescência dos anos 1980, a festa de Momo perdeu muito de sua força, vivendo seu maior ocaso no começo dos anos 2000. A partir de 2008 é que a folia passou a ser redescoberta pelos belo-horizontinos, ganhando força ano após ano. Até então, a única saída era rumar para as cidades históricas do interior de Minas em busca de agito. Não custa lembrar que até hoje o Carnaval faz a fama de cidades barrocas como Ouro Preto, Mariana, Tiradentes, Sabará e Diamantina, que permanecem agitadíssimas nesta época do ano.

Pelo jeito, quando o assunto é Carnaval, o mineiro não quer mais saber de comer quieto. Muito pelo contrário, deseja mesmo é botar a boca no trombone.

*O jornalista, colunista do UOL e crítico Miguel Arcanjo Prado viajou a Belo Horizonte a convite da Belotur.

>>> Siga @miguel.arcanjo

Conheça a programação completa do Carnaval de BH

Leia também: “Cenário é de desespero”, dizem blocos do Carnaval de BH em nota

Bloco Corte Devassa lota Viaduto Santa Tereza no Carnaval de BH 2018 – Foto: Nereu Jr/UOL Blog @miguel.arcanjo

Leia + sobre Carnaval de BH:
Bloco feminista taca fogo no machismo
Apaetucada aposta em inclusão na folia
Tensão com PM marca desfile do Roda
Blocos de BH acusam PM de perseguição
Carnaval de BH espera 5 milhões
Crianças fofas encantam no Fera Neném

 

Please follow and like us:
Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso